As novas ideias que prometem alterar o futsal: baliza, foras e muito mais!

Rafael RaimundoAbril 13, 20184min0

As novas ideias que prometem alterar o futsal: baliza, foras e muito mais!

Rafael RaimundoAbril 13, 20184min0
Estão em cima da mesa algumas propostas para alterar as regras do futsal. Entre umas de valor acrescentado existem também outros susceptíveis de criar controvérsia.

O Fair Play enumera-lhe quais são as possíveis alterações, não abdicando de analisar o impacto que estas ideias podem ter no próprio jogo. Contudo, as mesmas ainda não passam de especulação.

As alterações são: a bola lançada à mão pelo guarda-redes tem de bater primeiro no meio-campo defensivo para ser possível chegar à zona ofensiva; o guarda-redes avançado só é permitido em casos de inferioridade numérica; os desempates por penáltis passarão a ter séries de cinco, em vez das três da atualidade; por fim, e talvez a mais polémica que é o facto de ser possível marcar os lançamentos e cantos ou com as mãos ou com os pés.

Vamos então percorrer cada ideia individualmente e perceber quais as consequências que isso vai trazer ao jogo.

A bola lançada à mão pelo guarda-redes tem que bater primeiro no meio campo defensivo para ser possível chegar à zona ofensiva. Aqui, vai tornar-se fulcral o trabalho das equipas nas saídas de pressão em zona recuada. Uma vez que não podem colocar a bola diretamente na zona do pivot, as tabelas curtas e as saídas para criar espaços vazio onde o guarda-redes possa colocar a bola vão ganhar relevo.

Ainda assim a bola pode chegar ao pivot sem passar antes por ninguém, contudo, ao ter de bater no chão primeiro vai criar o risco de o passe ser antecipado pelo defesa bem como uma recuperação defensiva mais rápida por parte da equipa. Essencialmente privilegiar-se-á a componente tática do futsal em detrimento do jogo direto que muitas vezes ocorre.

O segundo caso é o do guarda-redes avançado. Por norma quando uma equipa joga de guarda-redes avançado isso é sinónimo de golos, seja da equipa que ataca seja de quem defende. Porém, a função principal do jogo de 5×4 tem sido desvirtuada e utilizada abusivamente. Por um lado, assim que uma equipa está em desvantagem se opta por se colocar de imediato com guarda-redes avançado acaba por estragar o jogo, circunscrevendo-o a uma parte do campo. Quantos jogos não se assistiram já em que a equipa que está a perder coloca 5×4 ainda no decorrer da primeira parte comprometendo a espetacularidade do jogo.

No entanto, além de ser utilizada em excesso também pode desvirtuar as raízes do futsal. Isto acontece quando a equipa que está em vantagem utiliza o guarda-redes avançado para fazer o adversário baixar as linhas e dessa forma controlar o jogo. Embora se pense que esta situação é mais prejudicial para a equipa que utiliza o 5×4, muitas são as equipas que o fazem e que nesse momento estão em vantagem no jogo.

É, por isso, uma das novas ideias restringir o tempo e as condições em que as equipas podem beneficiar de ter o guarda-redes como jogador de ataque.

Fotografia: UEFA

O número de grandes penalidades marcadas em caso de desempate por penálties vai passar a ser de cinco ao invés dos três existentes antes. Esta é certamente a regra que menos discussão vai criar uma vez que no futebol funciona dessa mesma forma e o público já está habituado a que o jogo seja desempatado com direito à marcação de cinco grandes penalidades. Assim há uma maior margem de erro.

Por último, e cuja ideia é das que mais controvérsia promete criar, é a marcação de foras com a mão ou com o pé.

Ainda que a ideia não seja a mais sensata é importante que se defina de imediato uma coisa: só se pode jogar com uma das opções. Ou se marcam sempre com o pé ou sempre com a mão, não pode nem deve haver duas opções.

Ainda que apenas se escolha uma das opções, e sendo a mesma a de marcar com as mãos, vai perder-se a beleza do futsal. Certamente golos de cabeça vão ser mais comuns e vai permitir um jogo mais rápido, no entanto as consequências são na sua maioria piores. Numa primeira fase porque vai haver mais choque entre os jogadores e vai perder-se muito da essência do futsal: a técnica. Os foras em que um jogador faz um passe pelo ar para o colega rematar de primeira vão perder a beleza, uma vez que com a mão perde a autenticidade.

Sendo o futsal jogado em espaços curtos e através de movimentações de desmarcação, os foras marcados com a mão vão tornar o jogo mais direto. Se a ideia de alteração da reposição de bola pelo guarda-redes é evitar o jogo direto, ou pelo menos condicioná-lo, esta última regra vai de encontro a essa mesma tentativa.

Contudo, cabe à FIFA tomar a decisão final sobre estas alterações. O Fair Play acredita que as três primeiras ideias têm capacidade para melhorar o futsal, já a última deixa algumas dúvidas quanto à sua necessidade.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter