Mundial Futebol Praia Rússia 2021: Os Candidatos

Tiago PelicanoAgosto 16, 20217min0

Mundial Futebol Praia Rússia 2021: Os Candidatos

Tiago PelicanoAgosto 16, 20217min0
O Mundial de Futebol de Praia arranca no dia 19 e o Fair Play diz-te quem são os candidatos ao título neste artigo de Tiago Pelicano

A poucos dias do começo da maior competição de futebol praia do mundo, o Mundial de Seleções Nacionais, iremos olhar para aquelas que considero as seleções candidatas a erguer o troféu de campeão do mundo.

Antes disso, vale a pena referir que o mundial se realizará na Rússia, mais precisamente em Moscovo, de 19 a 29 de Agosto e será a 11ª edição da prova com a chancela da FIFA. O primeiro mundial de futebol praia foi em 1995, mas até 2004 a competição ainda não era organizada pela FIFA. A 1ª edição FIFA teve lugar em 2005 e foi vencida pela França de Eric Cantona, numa final disputada frente à seleção lusa, no Brasil.

Os Candidatos do Mundial de Futebol de Praia

Feita a contextualização histórica, coloco três seleções como principais candidatas a vencer a prova: Portugal, Brasil e Rússia. Ainda assim, existem mais três seleções que poderão surpreender, a saber, Espanha, Taiti e Suíça.

O campeão… Portugal

Portugal é um crónico candidato, tal como o Brasil. A seleção portuguesa é a segunda mais titulada com 3 títulos mundiais (2001, 2015 e 2019) e atual detentora do título. Portugal venceu a competição no Paraguai derrotando na final a Itália, que não se apurou para o mundial na Rússia. Portugal é a seleção nº 1 do Ranking da FIFA e apresenta todos os argumentos para se tornar bicampeão do mundo. Apesar das ausências de peso do ainda melhor jogador do mundo, Jordan Santos, e do “Imperador” Rui Coimbra, a armada lusitana continua a ter no seu lote de 14 jogadores selecionados muita experiencia e qualidade para chegar, ver e vencer. Assim esperamos que aconteça!

A seleção das Quinas vai certamente apoiar-se na experiencia e qualidade de Elinton Andrade, do “Beach Soccer King” Bruno Torres e do “Mago” Nuno Belchior, jogadores que apesar da idade continuam a ser influentes não só dentro como fora de campo, e esperar-se-á certamente que os gémeos Martins voltem a decidir nos momentos mais apertados. André Lourenço e Von vão continuar o seu trajeto na nossa seleção e serão mais-valias para o conjunto luso, esperando-se muito de Ruben Brilhante, que vai herdar a mágica camisola 7 de Madjer. Pedro Marques, Miguel Pintado, Fábio Costa e Rodrigo Pinhal vão estrear-se por Portugal em Mundiais: as boas épocas individuais que fizeram, somadas às lesões de Jordan e Coimbra, abriram espaço para que possam estar presentes e contribuir para a seleção da Quinas.

Destacar também que este será o primeiro Mundial no qual “a lenda viva do futebol praia mundial” Madjer não estará presente dentro de campo. Com efeito, o melhor jogador de sempre retirou-se no final do jogo que deu a Portugal o seu 3º campeonato do mundo no Paraguai. Apesar disso, o agora coordenador do futebol praia em Portugal vai certamente estar presente na comitiva lusa.

Convocados: Elinton Andrade, Pedro Mano, Tiago Petrony, Bruno Torres, André Lourenço, Pedro Marques, Bê Martins, Nuno Belchior, Fábio Costa, Rodrigo Pinhal, Ruben Brilhante, João Gonçalves “Von”, Léo Martins e Miguel Pintado

A canarinha entre o samba e a história

A seleção canarinha, tal como Portugal, é também uma crónica candidata a vencer. O Brasil, o atual nº 3 do ranking FIFA e vencedor do campeonato do mundo por umas incríveis 13 vezes, vai certamente procurar recuperar o título que lhe fugiu no Paraguai para terra lusitanas. Recorde-se que a seleção canarinha tinha conquistado o ceptro mundial em 2017 e não conseguiu renovar o título em 2019. Com uma convocatória que inclui algumas ausências surpreendentes, entre eles o capitão Bruno Xavier (campeão italiano em 2021 pelo Pisa) e Bokinha, o Brasil continua a apresentar um lote de 14 jogadores de extrema qualidade.

Com a surpreendente ausência de Bruno Xavier da convocatória canarinha, os brasileiros depositam todas as suas esperanças de conquistar o 14º título mundial nos vencedores da EuroWinners Cup 2021, Mauricinho, Datinha e Rodrigo, que vão contar com a ajuda dos consagrados Padilha, Catarino e Felipe Silva, além de Edson Hulk, de quem se espera grandes momentos de futebol de praia. Lucão, que foi o melhor marcador do campeonato português, vai certamente ser uma peça importante numa seleção que é uma autêntica constelação de estrelas, mesmo sem Bruno Xavier e Bokinha.

Convocados: Rafa Padilha, Mão, Tiago Bobô, Diogo Catarino, António Júnior, Datinha, Mauricinho, Luís Henrique, Alisson Maciel, Filipe Silva, Edson Hulk, Lucão, Rodrigo e Zé Lucas.

A equipa da casa… Rússia

Relativamente à Rússia, considero-a uma forte candidata não só por jogar em casa, mas também por ser uma seleção bicampeã mundial, tendo vencido os mundiais de 2011 e 2013. Foram os primeiros a vencer a prova quando esta passou a realizar-se de 2 em 2 anos. Os russos são pragmáticos, calculistas e frios. Além disso notamos que o Kristall BS, que venceu a EuroWinners Cup, é praticamente composto por jogadores russos.

De facto, seis dos 14 jogadores russos pertencem à equipa do Kristall BS que venceu a EuroWinners Cup 2021 e certamente que constituem a base da equipa que irá procurar o 3º campeonato do mundo, principalmente tendo em conta o fator casa. Além dos seis elementos do Kristall BS, a seleção russa conta com mais cinco jogadores do Lokomotiv, o que leva a que existam rotinas e um conhecimento muito grande entre os jogadores. Tal poderá representar uma vantagem para os russos chegarem novamente à glória.

Convocados: Chuzhkov, Novikov, Romanov, Makarov, Krash, Shishin, Shkarin, Fedorov, Nikonorov, Paporotnyi, Zemskov, Parkhomenko, Kosharnyi e Kotenev.

Os que correm por fora… Suíça, Espanha e Taiti

Taiti, Espanha e Suíça podem também surpreender: todas estas equipas já foram finalistas vencidos e historicamente criam sempre dificuldades a qualquer seleção.

O Taiti chegou à final por duas vezes: em 2015, quando perdeu para Portugal, em Espinho, e em 2017, quando foi derrotado pelo Brasil no mundial das Bahamas. Com Taiarui e Torohia como porta-estandarte, a seleção do Taiti irá certamente procurar chegar pela 3ª vez à final e mudar o destino, vencendo finalmente a competição.

Convocatória: Torohia, Paama, Tetauira, Taiarui, Chan-Kat, Tepa, Li Fung Kuee, Tavanae, Salem, Lebaste, Zaveroni, Revel, Tehau, Amau.

A Espanha chegou à final em 2013 e perdeu frente à seleção russa, no Taiti. Os espanhóis têm também uma equipa com muitas estrelas, entre elas o melhor do mundo em 2018, Llorenç, mas também Chiky e António Mayor. O maior problema que se tem vindo a reparar na equipa castelhana é mesmo o que parece ser a falta de solidariedade entre os jogadores, principalmente no capitulo defensivo. Conseguindo alterar este panorama e tornando-se coletivamente mais forte, com um conjunto mais unido dentro de campo, poderão sem duvida intrometer-se na luta pelo troféu.

Convocatória: Dona, Pablo Lopez, Juanmi, David Ardil, António Mayor, Adri Frutos, Cintas, Riduan, Pablo Pérez, Fran Mejias, Edu Suarez, Llorenç Gomez Leon, Chiky Ardil e Javi Torres.

A Suíça, tal como a Espanha, chegou à final uma vez, em 2009, quando foi vencida pelo Brasil, nos Emirados Árabes Unidos. Com os já bem conhecidos Stankovic e Ott a comandar as tropas suíças, a qualidade do seu jogo é reconhecida por todos, mas tendem a fraquejar nos momentos decisivos, não constituindo uns sérios candidatos na minha opinião. Se começarem bem a competição podem tornar-se uma agradável surpresa para os amantes desta modalidade e, quem sabe, sonhar com um lugar na elite restrita de vencedores de campeonatos do mundo.

Convocatória: Kessler, Tchatat, Looser, Misev, Ostgen, Steinemann, Spaccarotella, Borer, Dejan Stankovic, Noel Ott, Hodel, Ruettimann, Eliott Mounoud e Jaeggy.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter