ELF: Liga europeia anuncia franchises na Hungria, Itália e Suíça para 2023

Miguel Veloso MartinsMaio 15, 20223min0

ELF: Liga europeia anuncia franchises na Hungria, Itália e Suíça para 2023

Miguel Veloso MartinsMaio 15, 20223min0
A menos de 1 mês do início da temporada de 2022 da ELF, a liga europeia está já em preparação para a sua temporada de 2023. A ELF anunciou 3 novos franchises na Hungria, Itália e Suíça para 2023. Descobre mais sobre os novos franchises da maior liga profissional de futebol americano na Europa.

Fehérvár Enthroners (Hungria)

O anúncio da inclusão do clube hungaro na ELF não foi uma surpresa. Os Enthroners já tinham anunciado que o comissário da ELF, Patrick Esume, tinha visitado as instalações do clube no início de Maio. No entanto, esta é sem dúvida uma escolha inesperada no contexto geral da liga. Historicamente e logisticamente, os Budapest Wolves (campeões 7 vezes e localizados na capital) seriam a opção mais expectável. Os Fehérvár Enthroners, por outro lado, chegaram à 1ª divisão em 2018, sendo campeões em 2019.

O clube de Székesfehérvár tem participado consistentemente nos playoffs da HFL, chegando sempre à final da competição nos últimos 2 anos. Os Enthroners jogam no First Field, o primeiro estádio dedicado apenas à prática de futebol americano na Hungria. O estádio é utilizado também pela seleção nacional húngara e tem um complexo desportivo profissional (incluindo ginásio e um relvado extra para treinos e jogos da equipa secundária). Talvez este tenha sido o fator decisivo para a seleção dos Enthroners invés de outros clubes húngaros.

Milano Seamen (Itália)

Os Milano Seamen têm sido um dos clubes mais reconhecidos do Futebol Americano europeu. O clube italiano foi sempre o grande alvo da ELF para a sua expansão para o Sul, mas, com a inicial oposição da FIDAF (a federação italiana), esta ambição parecia cada vez mais intangível. Os percalços pelo caminho não impediram que as negociações entre a ELF e a FIDAF continuassem.

No final de Abril, a liga europeia e a federação italiana assinaram um acordo de colaboração que permitiria que Milão e possivelmente outras cidades se juntassem à ELF. Os Milano Seamen estão a ter uma temporada fenomenal, tendo vencido todos os jogos até ao momento. Os Seamen jogam no Velodromo Vigorelli (7.500 lugares), um estádio dedicado à prática de futebol americano.

Helvetic Guards (Suíça)

Ao contrário das outras 2 novas adições, ao que tudo indica os Helvetic Guards serão um novo franchise sem ligações a clubes locais. Até ao momento sabemos que o franchise suiço terá como localização a cidade de Zurique. Os Helvetic Guards contarão com Toni Zöller como seu General Manager. Neste momento, a capital suíça é a casa de 5 clubes de futebol americano, incluindo os Zurich Renegades.

No entanto, o futebol americano na Suíça tem sido dominado pelos Calanda Broncos, localizados em Landquart, uma cidade com uma população de 8.886 pessoas. Os Broncos foram a única equipa suíça a encontrar sucesso internacional, tendo vencido a Eurobowl em 2012. Em 2023 iremos descobrir se os Helvetic Guards serão capazes de replicar o sucesso dos Broncos no continente europeu.

Qual será a próxima expansão?

Durante a conferência de imprensa de 13 de Maio, Esume mencionou a possibilidade da liga adicionar mais 5 equipas para 2022. Em 2021, Patrick Esume, revelou que a liga europeia tinha lista de fortes candidatos da França, Turquia, Finlândia, Noruega, Holanda, Inglaterra e Áustria. No início de 2022, a Turquia e a Áustria garantiram o seu lugar na ELF para a temporada de 2022.

Desde então, sobram assim 5 países desta lista, sendo que 3 países fora da lista (Hungria, Itália e Suíça) também garantiram um franchise na liga. A Holanda e Inglaterra já foram a casa de 2 franchises da NFL Europe no passado, liga extinta cujos franchises agora pertencem à ELF. Será de esperar que os London Monarchs e os Amsterdam Admirals regressem aos relvados europeus nos próximos anos.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter