ELF, Franchises e Expansão: O que sabemos até agora sobre a nova liga

Miguel Veloso MartinsNovembro 21, 202013min0

ELF, Franchises e Expansão: O que sabemos até agora sobre a nova liga

Miguel Veloso MartinsNovembro 21, 202013min0
Após o anúncio da European League of Football (ELF), a nova liga gerou enorme curiosidade dentro da comunidade de futebol americano por todo o continente. Desde a organização da liga aos franchises e possíveis cidades para expansão, fica a conhecer os detalhes revelados até ao momento.

A Liga

A European League of Football deverá começar com 8 equipas, apesar de já ter sido mencionada a hipótese de existir um 9º franchise, mas falaremos melhor disso mais à frente). A liga estará distribuída em duas divisões: Norte e Sul. Cada equipa irá jogar 10 jogos na época regular. Os franchises vão jogar contra todas as equipas da sua divisão (casa e fora), assim como contra duas equipas da divisão oposta (casa e fora). No final da época regular, as duas melhores equipas de cada divisão vão-se defrontar num jogo de playoffs para decidir o vencedor de cada divisão. A temporada chegará ao fim num confronto entre os campeões de cada divisão numa grande final num estádio neutro.

Cada plantel poderá ter até 60 jogadores, tendo em conta a situação pandêmica atual. A ELF irá permitir que cada equipa inclua 12 imports nos seus plantéis. Apenas 4 poderão ser americanos, os restantes 8 poderão ter outras nacionalidades, com principal destaque a atletas europeus. Jogadores americanos com dupla nacionalidade não serão contados como atletas internacionais, mas sim como americanos. O foco da ELF é dar destaque a talentos de cada região e país, reforçando que grande parte dos lugares de cada plantel serão dados a jogadores nacionais.

Segundo o diretor do franchise de Berlim, Axel von Saldern, cada equipa terá um orçamento de cerca de 750,000 euros. Todos os jogadores serão pagos, mas isso não significa que serão totalmente profissionais. Apesar de ainda não terem sido anunciados oficialmente regras quanto aos salários na competição, já foi expressado pela direção da mesma que para alguns não será suficiente para desistir dos seus trabalhos. A ELF ambiciona que nos próximos 3 anos a liga permita que os jogadores e staff apenas se foquem no futebol americano como emprego.

Todos os jogos serão transmitidos através de livestreams, com exceção de alguns jogos por semana que serão transmitidos em TV aberta (pelo menos na Alemanha). Todos os jogos vão estar disponíveis na sua totalidade online após a transmissão.

 

Os Franchises

Os Frankfurt Universe foram fundados através da paixão pelos extintos Frankfurt Galaxy. Agora Alexander Korosek quer levar os roxos para um novo desafio. Foto de Chris Haas/C-Sportpics.

Frankfurt

Frankfurt continuará a usar roxo. Alexander Korosek, anteriormente managing director dos Frankfurt Universe, anunciou ao mundo a sua ambição de trazer futebol americano profissional de volta a Frankfurt. O franchise estará conectado com o clube da GFL, mesmo que não oficialmente. O nome da equipa ainda não foi anunciado, mas teremos respostas em breve. No papel de treinador, Thomas Kösling continuará a ser treinador em Frankfurt. Kösling foi treinador dos Frankfurt Universe e agora espera trazer grande parte do plantel para ELF.

O franchise de Frankfurt planeia jogar no PSD Bank Arena com capacidade para 12,542 adeptos. O estádio foi usado anteriormente pelos Universe e a nova equipa da ELF está neste momento a negociar um novo acordo. Korosek mencionou ainda a possibilidade de utilizar o Deutsche Bank Park (48,000 lugares) para jogos de destaque. O estádio, que serviu como casa para os Frankfurt Galaxy, teria uma plateia mais reduzida que o habitual (entre 20,000 a 30.,000) de forma a receber a competição.

Stuttgart

Tendo as suas bases na equipa da semi-profissional Stuttgart Scorpions, Volker Lässing continuará a gerir o projeto de Estugarda. O franchise vai manter também o seu atual treinador Martin Hanselmann. Em comunicado, os Stuttgart Scorpions anunciaram que iriam participar na nova ELF, mas que continuariam a competir também na GFL. A circunstância mais provável nesta situação é que o franchise da ELF utilize este plantel como uma equipa B. À semelhança das restantes equipas, esta deverá adotar um novo nome para a sua identidade na liga profissional.

O franchise de Stuttgart ainda não anunciou onde irá jogar. A organização provavelmente escolherá continuar a jogar no Gazi-Stadion. O estádio tem sido utilizado pelos Stuttgart Scorpions desde 1995. O Gazi-Stadion consegue acomodar até 11,410 espectadores, grande parte de pé. Outra opção, bastante menos viável neste momento, será o Mercedes-Benz Arena. O estádio moderno consegue albergar até 60,449 adeptos, sendo que provavelmente seria utilizado a metade da sua capacidade.

O novo franchise de Hanover usará as estruturas dos Hildesheim Invaders como base para o novo projeto. Foto de Katja Freier.

Hanover/Hildesheim

A nova equipa de Hanover/Hildesheim será gerida pela American Sport & Sale Managment GmbH (Assam GmbH). A empresa de Chris Heyne tem gerido a equipa da GFL Hildesheim Invaders. O lendário treinador alemão Shuan Fatah continuará com a organização de Hildesheim para treinar a nova equipa da ELF. Fatah é um dos treinadores europeus com maior sucesso, tendo sido campeão nacional e internacional com os Berlin Adler e Swarco Tirol Raiders. A equipa terá como base a estrutura e plantel dos Hildesheim Invaders. 

O franchise tem neste momento duas opções para o seu estádio: HDI-Arena (49.000 lugares) e Eilenriedestadion (2.500 lugares). O estádio HDI-Arena poderá ser demasiado grande para as necessidades da equipa, mas ofereceria o ambiente mais profissional. O Eilenriedestadion parece ser a opção mais viável para o franchise nas suas primeiras épocas. Apesar da baixa capacidade do estádio, este poderia também ser expandido para acomodar 5000 espectadores. Ambos os estádios são localizados em Hanover e são propriedade do clube Hannover 96.

Berlin

Depois de 13 anos da NFL Europe e dos Berlin Thunder terem fechado portas, chega uma nova equipa profissional a Berlim. O franchise de Berlim será comandado por Axel von Saldern, um empresário imobiliário da capital. Apesar da equipa não ter uma afiliação oficial a qualquer equipa amadora ou semi-profissional da cidade, Saldern ambiciona criar o melhor plantel com os grandes talentos de Berlim e Brandemburgo.

Saldern mencionou que gostariam de começar a jogar num estádio mais pequeno de forma a garantir uma melhor atmosfera. Dentro destas limitações surgem duas opções: o Poststadion (10,000) e o Friedrich-Ludwig-Jahn-Sportpark (19,708). O Friedrich-Ludwig-Jahn-Sportpark seria uma opção mais atraente, no entanto não é clara a situação atual do mesmo, devendo ser demolido e reconstruído nos próximos anos. Sendo assim, o Poststadion torna-se a melhor opção para o franchise de Berlim. Outras opções com capacidades mais elevadas seriam o Alte Försterei (22,012) e o Olympiastadion (74,475). O Alte Försterei ou um Friedrich-Ludwig-Jahn-Sportpark renovado parecem ser as escolhas para o futuro dos berlinenses.

Ingolstadt Praetorians

O franchise que terá como base a estrutura dos Ingolstadt Dukes foi o primeiro a anunciar o seu novo nome. Os Ingolstadt Praetorians serão geridos pela SOB Sportmanagement GmbH de Bettina Ritter. Ritter tem sido o principal investidor e patrocinador da equipa, que continuarão a participar em competições nacionais. O treinador Eugen Haaf fará também a transição dos Dukes para os Praetorians. O mesmo acontecerá com Ramin Ghassemi, Götz Ritter e Stefan Vollmann, anteriormente membros do staff.

Os Ingolstadt Dukes têm como casa o ESV-Stadion. O estádio tem capacidade para uma lotação de 11,418 espectadores. Permanece incerto se os Praetorians vão preferir manter-se no mesmo estádio ou se farão a mudança para o Audi Sportpark. Com uma capacidade de 15,200 lugares, este é o maior estádio da cidade da Alta Baviera. O Audi Sportpark foi aberto em 2010 e as suas infraestruturas modernas ofereceriam melhores condições para os atletas e espectadores.

Hamburg

Apesar dos Elmshorn Fighting Pirates não estarem ligados diretamente à ELF, grande parte do seu staff e jogadores deverão mudar-se para o novo franchise. O diretor desportivo Max Paatz irá tomar o leme do projeto, depois de conseguir transformar os Fighting Pirates numa equipa qualificada para a GFL. O treinador da equipa semi-profissional, Jörn Maier, continuará como treinador em Elmshorn. No entanto, parte do seu staff vai seguir Paatz para Hamburgo. Andreas Nommensen, coordenador ofensivo dos Elmshorn Fighting Pirates, irá agora treinar na ELF, ainda não sendo claro se assumirá o papel de treinador principal. O coordenador defensivo Patrick Esume torna-se agora o comissário da nova liga.

Como já tínhamos mencionado no artigo anterior, o franchise de Hamburgo deverá jogar no Volksparkstadion (57.000 espectadores) ou no Millerntor-Stadion (29.546 espectadores). No ano passado, o comissário da ELF, Patrick Esume, fez parte da equipa técnica do clube de futebol HSV, proprietário do Volksparkstadion. O estádio foi também a casa dos Hamburg Sea Devils da NFL Europe. O Millerntor-Stadion parece ser, no entanto, a melhor opção para o franchise de Hamburgo. Um estádio mais pequeno como o Millerntor-Stadion garantidamente criaria uma atmosfera mais vibrante numa das cidades mais apaixonadas pela modalidade.

O Olympic Stadium tem sido a casa dos Wroclaw Panthers desde a sua fundação. Foto de Maciej Lulko Fotografia Architektury.

Wroclaw Panthers

Depois da sua quarta Polish Bowl (segunda consecutiva), a equipa da Breslávia entra agora numa nova era. Os Wroclaw Panthers nasceram em 2013 numa união entre as duas principais equipas da cidade, os Wroclaw Giants e os Wroclaw Devils. Desde então a equipa tem estado presente em todas as Polish Bowls, tendo vencido em 4 de 7 participações. O franchise vai manter a sua estrutura original e continuará a ser comandado pelo presidente Michał Latoś e o treinador Jakub Samel. O plantel provavelmente vai manter-se semelhante ao deste ano, com apenas algumas alterações.

A equipa tenciona continuar a ter um plantel nas competições nacionais. No entanto, o estado do futebol americano na Polónia continua instável, devendo surgir uma nova liga e estrutura polaca no próximo ano. No seu anúncio, os Wroclaw Panthers mencionaram também a sua vontade de continuar a jogar no Olympic Stadium. O estádio com 11,000 lugares foi recentemente renovado para receber futebol americano nos Jogos Mundiais de 2017. Os Panthers têm agora um dos melhores estádios europeus dedicados apenas à modalidade, garantindo todas as condições para uma estrutura profissional.

Expansão

Quando a European League of Football foi anunciada, foram prometidas 8 equipas para a primeira temporada em 2021. No entanto, o CEO da liga, Zeljko Karajica, revelou recentemente que a liga poderá iniciar com 9 franchises na competição. Foi mencionado no primeiro anúncio da ELF que o 8º franchise provavelmente seria uma nova equipa alemã. Foi também recentemente comunicado pela liga que estão em negociações com uma equipa da Renânia do Norte-Vestfália, o estado mais populoso da Alemanha. Esta localização foi a casa de duas equipas da NFL Europe (Rhein Fire e Cologne Centurions) nas suas cidades principais (Colónia e Düsseldorf). Neste momento, ambas as cidades alojam equipas históricas do futebol americano alemão, os Cologne Crocodiles e os Düsseldorf Panther. No primeiro Q&A da liga, Karajica anunciou que, após uma primeira temporada com 7 equipas alemãs (ou mais), a liga irá apenas adicionar no máximo mais dois franchises localizados na Alemanha.

A liga procura agora expandir para mais países europeus. O plano da ELF para os próximos 5 anos será atingir as 24 equipas em pelo menos 10 países. O comissário da liga, Patrick Esume, mencionou que a European League of Football tem atraído grande interesse entre clubes europeus. Este destacou a Áustria, França, Inglaterra e Espanha como principais candidatos. Segundo Esume, a liga está neste momento em negociações com os atuais campeões britânicos, London Warriors. Quem sabe se os Warriors não serão potencialmente o 9º franchise que Karajica menciona. A ELF continua a reforçar a sua vontade de expandir para grandes cidades europeias como Londres, Paris e Barcelona.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter