O Cirque du Soleil em Portugal e um possível “futuro” para os ginastas lusos

Sofia GoulartJaneiro 10, 20193min0

O Cirque du Soleil em Portugal e um possível “futuro” para os ginastas lusos

Sofia GoulartJaneiro 10, 20193min0
O Cirque du Soleil está em Portugal de novo com o espectáculo "Ovo" e Sofia Goulart conta o que é a experiência que é um dos possíveis futuros para os ginastas portugueses

O Cirque du Soleil (CdS), empresa canadiana de renome e prestígio internacional e que atua na área do entretenimento e de artes circenses, instalou-se, de armas e bagagens, no passado mês de Dezembro na zona do Parque das Nações.

Com 13 espetáculos agendados entre os dias 3 e 13 de Janeiro de 2019, a trupe de performers, composta por cerca de 50 acrobatas de 14 países diferentes, veio apresentar o espetáculo denominado ‘’OVO’’, criado em 2009 para assinalar o 25º aniversário do Cirque.

Conforme está descrito no site da empresa Everything is New, “OVO conta a história de uma ´´precipitada corrida para um eco sistema cheio de vida e de cor, onde insetos trabalham, comem, rastejam, brincam, lutam e até se apaixonam. Tudo isto num enorme e grandioso tumulto de energia, onde o contraste entre o barulho e o silêncio é um dos ingredientes principais que prometem surpreender até os espectadores mais céticos.

A vida flui com toda a intensidade neste universo animado, até que um dia, um ovo misterioso aparece no meio dos insetos. A surpresa e a curiosidade pelo objeto icónico tornam-se no enredo perfeito para uma história única, que para além de retratar o ciclo da vida na sua ordem mais natural, aborda o amor inocente entre uma sedutora Joaninha e o inseto desajeitado que nasce do ovo invulgar.

O Ovo é a natureza sem filtros. Um retrato fictício repleto de imaginação, luz, som e emoção, onde cada personagem assume um papel que promete transformar a nossa maneira de olhar para a natureza.”

Muitos dos acrobatas que integram o elenco dos vários espetáculos do Cirque du Soleil encontram-se dispersos por vários países.

Para muitos deles, o ingresso no CdS representa uma oportunidade única de dar continuidade à antiga vida de ginastas que tiveram durante muitos anos. Vêm da ginástica artística, da acrobática, do tumbling e trampolins, entre outros. Muitos iniciaram-se nessas lides por intermédio dos pais – eles próprios artistas de circos.

A primeira portuguesa a integrar a trupe do CdS foi a jovem Jéssica Correia, em 2017, na altura com 18 anos.

Atleta de ginástica acrobática do Acro Clube da Maia (ACM) desde os 9 anos, Jéssica contou, numa entrevista dada ao Jornal de Notícias, que os dois treinadores do Cirque du Soleil, Caitlan Maggs e Alexey Karuline, estiveram uma semana a treinar com a nossa classe de elite do ACM e um deles sugeriu que eu fizesse um ‘casting’ e vídeos”.

A candidatura da jovem viu luz verde e assinou um contrato até ao fim daquele ano.

Passou por um período de formação, onde aprendeu e apreendeu as componentes artística, logística e técnica, tendo viajado para países como a Noruega, Suécia e Estónia para assistir aos shows da companhia, para mais tarde ter a sua estreia individual no espetáculo ´´Varekai“.

Se tiver oportunidade (e ainda houver bilhetes), não perca(m) a oportunidade de assistir ao vivo ao OVO!

Foto: OVO

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter