O regresso do ciclismo… em fevereiro?

Davide NevesJaneiro 23, 20213min0

O regresso do ciclismo… em fevereiro?

Davide NevesJaneiro 23, 20213min0
A nova época do ciclismo está prestes a começar, e teremos os grandes nomes de regresso para mais uma temporada marcada pelo COVID-19.

O Tour Down Under, a primeira prova do ano do ciclismo, foi cancelada ainda no decorrer do mês de novembro. Assim, este ano não houve a tradicional passagem por Wilunga Hill. Para além da prova australiana, também a Volta ao Algarve foi adiada para maio. A evolução da pandemia em Portugal, a um nível cada vez mais trágica e com números absolutamente assustadores (por favor, Fiquem em Casa!), contribuiu de forma decisiva para o adiamento da prova. Está agora agendada para os dias 05-09 de maio.

O que reserva Fevereiro (por agora)?

Antes de entrarmos em Fevereiro temos a clássica La Marseillaise, a 31 de janeiro. O vencedor em título é o francês Benoit Cosnefroy (AG2R Citroen Team). Ainda pela terra de Astérix e Obélix temos a Étoile de Bessèges (03 a 07), igualmente ganha por Cosnefroy em 2020. Nos mesmos dias corre-se também a Volta a la Communitat Valenciana, ganha no ano passado pelo atual vencedor do Tour, Tadej Pogacar (UAE-Team Emirates).

Na semana seguinte, entre 11 e 14 de fevereiro corre-se o Tour de la Provence. A edição de 2020 apresentou nomes como Alexander Vlasov e Alexey Lutsenko (Astana-Premier Tech), Thibaut Pinot (Groupama-FDJ) ou Wilco Kelderman (Bora-Hansgrohe) e foi ganha por Nairo Quintana (Arkéa-Samsic). A 19 de fevereiro começa o Tour du Var, prova já clássica no calendário do ciclismo, vencida igualmente por Quintana na edição de 2020 (pré-COVID).

A 21 de fevereiro teremos a primeira prova World Tour, com o início do Tour dos Emirados. Esta prova, ganha em 2017 pelo português Rui Costa (UAE-Team Emirates), tem como vencedor em título Adam Yates, agora separado do irmão Simon (e a correr na INEOS). A 27 de fevereiro começa a época do paralelo, do pavê, do aquecimento para o verdadeiro Inferno (a Norte!) que é o Paris-Roubaix, com a Omloop Het Nieuwsblad, ganha em 2020 por Jasper Stuyven (Trek-Segafredo). Para fechar o mês, temos ainda a Kuurne-Brussels-Kuurne, ganha em 2020 por Kasper Asgreen (Deceunick-QuickStep).

Esperemos que o ciclismo regresse em força, com a presença dos novos nomes do desporto português (o nosso país ganhou uma nova esperança no ciclismo com João Almeida e Rúben Guerreiro). O FairPlay cá estará para lhe dar a conhecer as principais movimentações, os nomes, as equipas, os vencedores, as desilusões, as promessas a longo prazo e aquela que já são dadas como adquiridas e de valor bem alto para a modalidade. Desde Tadej Pogacar até às aventuras de Chris Froome na terra santa de Jerusalém, passando pelas famosas lutas de poder na Movistar (um clássico… da Netflix) e pelo aparecimento de mais um líder dentro da INEOS (aparece um novo todos os anos, que o dia Tao Geoghegan Hart!), sem nunca esquecer o “Este ano é que é!” dos corredores franceses no Tour.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter