O regresso de Mark Cavendish e uma viagem até aos Alpes

Davide NevesAbril 17, 20212min0

O regresso de Mark Cavendish e uma viagem até aos Alpes

Davide NevesAbril 17, 20212min0
Numa semana de clássicas infernais e cheias de espetáculo, o Fair Play dá também atenção á volta à Turquia e para o Tour dos Alpes.

E, a 12 de abril de 2021, Cavendish voltou a cortar uma linha de meta em primeiro. Mais de três anos depois da última vitória do britânico, no Dubai, em fevereiro de 2018. O sorriso de Cavendish (Deceunick – QuickStep) contagiou os fãs da modalidade e levou-o a mais duas vitórias nos dois dias seguintes. Jasper Philipsen (Alpecin-Fenix), ficou em segundo nas três etapas e venceu, no dia de ontem, a 5ªetapa. No que diz respeito à classificação geral, José Manuel Díaz, da Delko do português José Azevedo, está em primeiro na geral, com quatro segundos de vantagem para Jay Vine (Alpecin_Fenix) e seis segundos para Eduardo Sepúlveda (Androni Giocattoli – Sidermec).

No que diz respeito a Mark Cavendish, este regresso a uma forma e com uma explosão a que já não assistíamos há muitos anos pode prometer e dar dores de cabeça aos diretores da Deceunick. O nome de Cavendish, e aproximação cada vez mais veloz ao Tour de France, onde Cavendish ainda ambiciona o recorde de vitórias de etapas de Eddie Merckx, podem pesar aquando da escolha da equipa final que irá estar presente em França. O belga fechou a carreira com 34 vitórias etapas, e o britânico conta com 30 neste momento. Um objetivo difícil, mas não impossível, mesmo a contar com a mais que provável liderança de Sam Bennett no Tour (o objetivo do irlandês e vencer a camisola verde dos pontos).

Ainda dentro da Deceunick, destaque muito positivo para o regresso de Fabio Jakobsen à competição, mais de seis meses depois do acidente gravíssimo provocado por Dylan Groenewegen ter deixado o jovem holandês com muitas mazelas e, inclusive, em coma.

O Tour dos Alpes

Começa esta segunda-feira mais uma edição do Tour dos Alpes. 5 etapas, todas montanhosas, apesar de apenas uma, a terceira, ter chegada em alto. Depois de um ano de interregno, provocada pela pandemia mundial que vivemos, o vencedor anterior, Pavel Sivakov (INEOS) estará presente. Numa prova onde normalmente são ultimados alguns preparativos para o Giro, muitos são os trepadores e líderes presentes: os franceses Romain Bardet (DSM) e Thibaut Pinot (Groupama-FDJ), os britânicos Hugh Carthy (EF Education), Simon Yates (Bike Exchange) e Chris Froome (Israel), o espanhol Pello Bilbao (Bahrain-Victorious), o italiano Gianluca Brambilla (Trek-Segafredo), o russo Alexander Vlasov (Astana), o colombiano Nairo Quintana (Arkea) ou o norte-americano Joe Dombrowski (UAE Team Emirates).


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter