La Vuelta – 4 Jovens Ameaçam o Top 10

Diogo PiscoAgosto 21, 20184min0

La Vuelta – 4 Jovens Ameaçam o Top 10

Diogo PiscoAgosto 21, 20184min0
São quatro jovens com muito talento e ainda mais potencial. Encabeçados por "Superman Lopez", estes são três fortes candidatos a um potencial Top 10 final da Vuelta 2018.

La Vuelta Ciclista a España começa já no próximo dia 25. É a última das grandes voltas do ano de 2018 e, apesar de não ter uma camisola para identificar o líder da juventude, terá a responsabilidade de manter o interesse dos espetadores numa competição que tanto espetáculo tem dado esta época.

As atenções estarão voltadas para a reedição do duelo do Giro d’Italia 2018, Miguel Angel Lopez vs Richard Carapaz. No entanto existem mais nomes para se juntar a esta luta e entrar na corrida pela presença no Top 10 final.

Reedição do duelo do Giro 2018. Fonte: Yotube/Audio.com

Fiquem então a conhecer os 4 jovens escolhidos pelo Fair Play para ameaçar o Top 10 final da La Vuelta 2018.

Miguel Angel Lopez (Astana Pro Team) –  Após se estrear no pódio de uma das grandes no Giro 2018, vencendo também a camisola da juventude, retorna à prova onde se revelou um voltista e impôs a sua liderança na Vuelta 2017. O colombiano foi eleito líder da Astana com a saída da equipa de Fabio Aru no final da época passada e até agora não tem desiludido. Dos mais jovens é o que tem mais experiência e traz consigo uma equipa muito forte e que encontrou uma “alma” vencedora esta época que há muito havia perdido. Tal como toda a equipa, Lopez corre um bocado à imagem do seu director, Alexander Vinoukurov, e espera-se que ataque bastante a corrida e tente ganhar vantagem aos seus adversários mais directos, principalmente em alta altitude. O seu é foco é a geral e a juventude deve ser vista como um resultado natural dos seus objectivos.

Emanuel Buchmann (Bora – Hansgrohe) – Uma grande aposta da Bora, que pode resultar sem dúvida em algo positivo para a equipa e para a este jovem ciclista que tem vindo a prometer boas prestações em provas de três semanas. Buchmann trás uma grande equipa em seu redor e embora seja espetável que ciclistas como Rafal Majka e Davide Formolo se dediquem mais à procura de vencer etapas do que a trabalhar incansávelmente para defender este jovem líder, uma boa posição à entrada da terceira semana pode ditar que ciclistas desta qualidade se dediquem a trabalhar para ele. É uma forma da equipa tirar também alguma pressão dos ciclistas mencionados e confirmar as qualidades de Buchmann. Será sem dúvida um dos jovens com maior potencial para entrar no Top 10.

O que conseguirá Buchmann alcançar como líder numa grande volta? Fonte: GettyImages/ Philippe Lopez

Richard Carapaz (Movistar Team) – Que pena têm os adeptos do ciclismo que este jovem talento equatoriano, não goze da mesma liberdade que gozou no Giro da presente época. Alguns já esperavam exibições daquele calibre, mas certamente a muitos surpreendeu a qualidade demonstrada por este ciclista. Na Vuelta tem Nairo Quintana e Alejandro Valverde como líderes e poderá ter as suas ações mais controladas. Só que com Mikel Landa de fora é possível que a equipa escolha Carapaz para assumir o seu lugar ou que lhe dê liberdade para fazer a sua corrida para o casa de os seus planos principais falharem. Estas tipo de táticas são normais na Movistar e afinal de contas este jovem foi 4º no Giro que contou com um pódio preenchido por nomes como, Chris Froome, Tom Dumoulin e M. A. Lopez.

Enric Mas (Quick-Step Floors) – Esteve apontado para o Giro mas acabou por ficar de fora. É uma das grandes esperanças do ciclismo espanhol para suceder a Alberto Contador, de quem é um grande admirador. A melhor maneira de testar o talento de um potencial voltista é “lançá-lo aos leões”. Neste caso, a Quick-step deve dar liberdade a Mas para atacar a geral. Com ele vai a restante alcateia e todos sabem que quando esta alcateia sai para caçar nunca volta para casa com fome. Excelente trepador e um competente contra-relogista resta saber como irá aguentar as três semanas.

Para além destes quatro nomes existe mais talento jovem neste pelotão de grande qualidade. Resta saber que estatuto gozaram dentro das equipas nomes como, Tao Geoghegan Hart (Team Sky), Jack Haig (Mitchelton-Scott), David Gaudu (Groupama – FDJ), que deveram ter de assumir o cargo de gregário de forma mais dedicada do que os restantes eleitos. Existe ainda a sensação da primavera Tiesj Benoot (Lotto Soudal), que ainda não afirmou se irá atacar as três semanas ou lutar por etapas.

 

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter