Giro d’Italia – 1ª semana

Diogo PiscoMaio 21, 20196min0

Giro d’Italia – 1ª semana

Diogo PiscoMaio 21, 20196min0
Vencedores, derrotados, azarados e desistentes. Uma 1ª semana como muita coisa para contar, no 102º Giro d'Italia.

Foram apenas 9 dias, mas foram 9 dias em que muito aconteceu e que com certeza muito vão pesar nas pernas dos ciclistas na 2ª e 3ª semana.

Não se pode dizer que foi a melhor das primeiras semanas das últimas edições do Giro. Pelo contrário, não fosse a chuva e os estragos por ela provocados e esta semana não teria muito para contar. Do ponto de vista do espetáculo e do entusiasmo que a Volta à Itália nos tem habituado, a 102ª mostrou um arranque um pouco aquém do que se esperava.

Vencedores

Com toda a justiça comecemos por identificar os vencedores da semana. O mais da semana, é sem dúvida Valerio Conti (UAE- Team Emirates).

O sorriso que representa a felicidade dos italianos no final desta 1ª semana. Conti vive um sonho tornado real e irá defender-se até conseguir. Fonte: Justin Setterfield/Getty Images

Conti entrou na fuga certa, na 6ª jornada. A fuga viria a ter “autorização” do pelotão para roubar a “Maglia Rosa” a Primoz Roglic (Team Jumbo – Visma), que assim libertava a sua equipa da responsabilidade da liderança da corrida. Os italianos viram o seu prodígio, Fausto Masnada (Androni Giocattoli – Sidermec), vencer a etapa e Conti vestir a camisola rosa. Um dia em grande para os da casa, onde para além da vitória, viram um inesperado Conti vestir o manto rosa e defendê-lo com toda honra que lhe é exigido.

Ao falar de vencedores com certeza a conversa acaba em Primoz Roglic. O esloveno abriu e fechou a semana da mesma forma, a vencer. Com a época que fez até ao Giro, era espectável que Roglic dominasse a 1ª semana. Venceu as 3 provas de uma semana em que participou. Logo com 9 etapas, onde 2 eram contra-relógio e a alta montanha não se fazia sentir na sua plenitude, esperar menos que isso seria de estranhar. 2 vitórias, 1º e 9º etapa, e mais de um minuto para os seus diretos adversários, um dos mais da semana.

Continuando a senda das vitórias e da boa forma, chega a vez de Pascal Ackermann (Bora hansgrohe). O alemão não esperou uma segunda oportunidade para justificar a sua presença no Giro na vez de Sam Bennet e venceu logo na 2º etapa. Um sprint dominador frente a grandes nomes do sprint mundial. Sobre condições atmosféricas bastante adversas, Ackermann, comprovou a sua boa forma, à 5ª etapa, e tem defendido com bastante qualidade a camisola da regularidade, a Maglia Ciclamino. O alemão perdeu apenas para Fernando Gaviria (UAE- Team Emirates), na etapa 3, e por excesso de confiança, para Caleb Ewan (Lotto Soudal), na etapa 8, que assim entram nos vencedores da semana.

Ackermann tem sido o dominador das chegadas ao sprint. Uma grande vitória num dia bastante difícil com condições atmosféricas muto duras. Fonte: Justin Setterfield/Getty Images

A semana premiou ainda Richard Carapaz (Movistar Team), na etapa 4, que bateu a concorrência num grupo reduzido devido a uma queda. E Pello Bilbao (Astana Pro Team), aproveitou uma pequena margem para o pelotão e deu aos adeptos uma excelente vitória.

Entre os mais da semana, destaque também para o tubarão de Messina. Vincenzo Nibali (Bahrain Merida) tem minimizado as percas para Roglic nos contra-relógios e vai agora entrar no seu terreno. Embora o Giro termine com mais uma luta contra o relógio, o italiano tem uma terceira semana muito forte e se encontrar a aquela capacidade trepadora que o levou a vencer o Giro por duas vezes, vai ser difícil para Roglic aguentar o tubarão.

Derrotados, azarados e desistentes

Poderiam ser 3 categorias diferentes, mas, neste caso umas dependeriam das outras.

Foi a noticia da semana. Tom Dumoulin (Team Sunweb) abandonou a prova após uma queda que o deixou afundado na classificação geral. O azar ditou a sua derrota e perante as dores e o tempo perdido, Dumoulin acabou por desistir. Uma pena pois com tanto contra-relógio seria um sério candidato à vitória.

Ensanguentado, cabisbaixo e protegido pela sua armada. Assim, chegou Dumoulin, após a queda que o faria abandonar o Giro 2019. fonte: Tim de Waele/Getty Images

O grande derrotado da semana é Elia Viviani (Deceuninck – Quick Step). O italiano, que foi o grande dominador das chegadas ao sprint no ano passado, chega ao fim da 1ª semana sem uma única vitória. Desclassificada na 3ª jornada por suposto sprint ilegal, a verdade é que Viviani nem tem dado ao seu público o melhor que sabe fazer. Será que ainda vai a tempo de se redimir?

Simon Yates (Mitchelton – Scott) e Miguel Angél Lopez (Astana Pro Team), saem da 1 semana também na classe dos derrotados, devido ao mau resultado que obtiveram na 9 etapa. Lopez furou e acabou por ter um contra-relógio abaixo do que se esperava. Yates teve um grande quebra na parte final e que agora terá de atacar na montanha para recuperar os mais de 3 minutos perdidos para Roglic.

Também Mikel Landa (Team Movistar) está entre os derrotados, afastando cada vez mais a ideia de poder vir a vencer uma grande volta. Sempre rodeado de alguns azares, Landa acaba por perder tempo em várias etapas, sendo que, no contra-relógio o descalabro é total. Com Carapaz a andar cada vez melhor, o caminho está complicado para Landa justificar a liderança da equipa.

Completando a classe dos azarados, surge o nome de Gaviria, que abandonou devido a uma lesão no joelho esquerdo. Yates e Nibali acabaram por perder tempo, na etapa 4, e até Roglic foi ao chão quando ainda estava vestido de rosa.

O Giro entra agora 2ª semana e veremos como tudo isto afectará as principais figuras do pelotão. As contas da geral estão um pouco confusas, uma vez que a grande fuga que deu a liderança a Conti, intrometeu muitos nomes secundários no Top 10. Entre eles está o português Amaro Antunes (CCC Team), estreante nas 3 semanas, com uma excelente prestação até agora.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter