De Evenepoel a Gavíria – o Guia Fair Play das Transferências do Ciclismo

Davide NevesOutubro 27, 20186min0

De Evenepoel a Gavíria – o Guia Fair Play das Transferências do Ciclismo

Davide NevesOutubro 27, 20186min0
Findado mais um ano frenético no ciclismo, o Fair Play foi à procura das transferências mais sonantes do mercado de 2018/2019. Desde grandes mexidas no formato das equipas à aposta em jovens com muito talento, o Guia Fair Play das transferências do ciclismo World Tour mostra-lhe tudo!

Depois de um ano recheado de surpresas e grandes desilusões, o mercado do ciclismo está… normal, sem grandes surpresas de maior, mas com muitas mexidas que irão dar que falar ao longo do ano de 2019.

Começamos por um assunto recorrente nos últimos meses: a anexação da BMC pela CCC. O nome provisório não-oficial da nova equipa é, para já, algo que vai ser difícil de pronunciar ao longo do ano: BMCCCC. Amaro Antunes é um dos membros desta junção, naquele que vai ser o ano de estreia no principal escalão do ciclismo. Alguns dos nomes já confirmados para esta equipa são Simon Geschke e Laurens Ten Dam (ex-Team Sunweb), Victor de la Parte (ex-Movistar), o jovem sprinter Jakub Mareczko (ex- Willier Triestina) ou Serge Pauwels (ex-Dimension Data). Com as perdas de Rohan Dennis, Tejay van Garderen, Damiano Caruso ou Stefan Kung, avizinham-se tempos difíceis para esta nova equipa.

Mexidas cirúrgicas mas recheadas de qualidade

Os irmãos saem da Bahrain-Merida e assinam pela Astana.
(Foto: Ride Media)

A Astana entra em 2019 refrescada no ataque às montanhas. Para o apoio ao “Superman” Miguel Angel López, a equipa cazaque contratou os irmão Izagirre, Ion e Gorka (campeão espanhol de estrada) à Bahrain-Merida. Juntam-se também o colombiano Rodrigo Contreras (ex-EPM), os italianos Manuele Boaro (igualmente ex-Bahrain) e Davide Ballerini (ex-Androni-Giocattoli) e o jovem eritreu ex-Dimension Data Merwawi Kudus.

Sem os irmão Izagirre, a Bahrain-Merida procurou alternativas de luxo, ao aproveitar (e de que maneira!) a extinção da BMC. Dylan Teuns, Damiano Caruso e Rohan Dennis integram agora a equipa de Vincenzo Nibali.  Já a Bora-Hansgrohe manteve todo o núcleo duro (Michael Kolar retirou-se) e contratou Maximilian Schachmann (ex-Quick-Step), Oscar Gatto (ex-Astana) e Jempy Drucker (ex-BMC).

A LottoNL-Jumbo reforçou a equipa da forma mais cirúrgica possível: assegurou a contratação à Katusha de Tony Martin, Mike Teunissen (ex-Sunweb) bem como a jovem sensação belga Lauren de Plus (ex-Quick-Step). Já a Lotto-Soudal, que perdeu André Greipel para a Fortuneo, assegurou Caleb Ewan e Roger Kluge (ex-Mitchelton-Scott).

A Dimension-Data faz 4 contratações de puro luxo: quatro ciclistas diferentes, mas que serão bastante importantes para o plano e objetivos da equipa sul-africana. Enrico Gasparotto (ex-Bahrain-Merida), Roman Kreuziger (ex-Michtelton-Scott), Giacomo Nizzolo (ex-Trek) e Michael Valgren (ex-Astana). A juntar a estes 4, ainda a entrada dos muito experientes Lars Bak e Danilo Wyss.

A Direct Energie protagoniza uma das grandes surpresas do ano. A equipa Pro Continental conta para 2019 com o vencedor de um dos monumentos de 2018, a Ronde van Vlaanderen- o holandês Niki Terpstra (ex-Quick-Step), bem como a entrada do muito promissor sprinter Nicolo Bonifazio (ex-Bahrain-Merida).

Continuar com o mesmo plano

O duplo campeão do mundo de júniores (ITT e Estrada) assinou pela Quick-Step.

A Groupama-FDJ contratou apenas (até à data de hoje) o prodígio do contrarrelógio Stefan Kung. O suíço deixou a BMC. A Deceuninck-Quick-Step (a Floors saiu do nome da equipa) conta apenas com duas contratações até ao momento: os jovens Mikkel Honoré (ex-Team Virtu) e o campeão do mundo de júniores em ambas as provas Remco Evenepoel.

Para a Michtelton-Scott entraram apenas dois ciclistas: Brent Bookwalter (ex-BMC) e Tsgabu Grmay (ex-Trek). A Education First-Drapac-Cannondale reforçou-se bem para as provas de altitude, com a entrada de Tejay van Garderen e Alberto Bettiol (ex-BMC) e de Tanel Kangert (ex-Astana), bem como a do sprinter Moreno Hofland (ex-Lotto Soudal).

A Sunweb reforça também o núcleo de gregários disponíveis para Tom Dumoulin. Entram para a equipa o belga Jan Bakelants (ex-AG2R), o jovem suíço campeão do mundo sub-23 Marc Hirschi (sobe da equipa de desenvolvimento), Robert Power (ex-Michtelton-Scott) e o irlandês Nicolas Roche (ex-BMC). A Katusha contrata também maioritariamente para as provas de altitude, com as entradas do versátil Enrico Battaglin (ex-LottoNL-Jumbo), de Jens Debusschere (ex-Lotto Soudal), do português Ruben Guerreiro (ex-Trek) e de Daniel Navarro (ex-Cofidis).

A super Sky continua com o comboio a alta velocidade. Juntam-se em 2019 à equipa britânica o regressado Ben Swift, que se muda da UAE-Emirates, tal como o italiano Filippo Ganna. A jovem promessa Jhonatan Narvaez é também reforço da Sky. Mais um jovem para juntar a Sivakov e, claro, a Egan Bernal. Já a Movistar reforçou o contingente espanhol da equipa, com as entradas de Lluis Mas (ex-Caja Rural), Carlos Verona (ex-Michtelton-Scott) e Eduard Prades (ex-Euskadi), aos quais se junta também o belga Jurgen Roelandts (ex-BMC).

O all-in da UAE-Emirates e o renascer da Trek pós-Contador?

O colombiano está de saída da Quick-Step. Assinou pela Emirates.
(Foto: Marca)

A UAE-Emirates volta a ser, em teoria, a equipa que melhor se reforça para o ano seguinte. Depois de no ano passado ter contratado Dan Martin, Fabio Aru e Alex Kristoff para 2018, junta este pelo menos mais dois grandes nomes para 2019, e dois colombianos: Sergio Henao e Fernando Gavíria. O ex-Sky procura revitalizar a carreira nos Emirados, depois de muitos anos na sombra de Froome. Foi completamente ultrapassado na hierarquia da Sky por Kwiatkowski, pelo vencedor do Tour Geraint Thomas e pelo jovem prodígio Egan Bernal – no entanto, a mudança para a UAE-Emirates não parece ser, de modo nenhum, a mais correta para o colombiano, visto que deve continuar na sombra quer para provas de três semanas (Aru e Martin), quer para clássicas (Martin e Ulissi, ao mesmo nível de Rui Costa).

Fernando Gavíria é a mudança que chocou o mundo do ciclismo. Apareceu do nada, e vai disputar o lugar de líder dos sprints da equipa com Alexander Kristoff (entrou ainda o também colombiano Juan Sebastian Molano, da Manzana Postobon para as contas). Tem tudo para retirar de uma vez por todos o domínio de Peter Sagan no Tour, mas aqui a mudança é também um pouco duvidosa-será a Emirates a melhor equipa para o colombiano?

A juntar aos três colombianos, a equipa dos Emirados anunciou, para além da renovação de Rui Costa, a contratação dos gémeos portugueses Rui e Ivo Oliveira, que saem da Axeon-Hagen Bermans e dão o salto para o escalão World Tour.

A Trek-Segafredo assegura um líder absoluto da equipa, um ano depois de Alberto Contador ter anunciado a reforma. Richie Porte deixou a BMC e assinou por dois anos com a Trek. Para além do australiano, que pode revitalizar a carreira, se as lesões o permitirem (ou a falta delas!), a equipa norte-americana anunciou também as contratações de Giulio Ciccone (ex-Bardiani), de Will Clarke (ex-EF-Drapac), de Tom Bohli  (ex-BMC) e o regresso de Edward Teuns (ex-Sunweb).

 

Aqui está o guia do Fair Play sobre as principais transferências do ciclismo para 2019. O mercado ainda está aberto, muitos ciclistas estão ainda sem equipa, mas as grandes mexidas de mercado estão já aqui!

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter