Apontamentos a retirar de uma emocionante primeira metade do Tour!

Diogo PiscoJulho 18, 20198min0

Apontamentos a retirar de uma emocionante primeira metade do Tour!

Diogo PiscoJulho 18, 20198min0
Aqui ficam os apontamentos a retirar de uma emocionante primeira metade do Tour!

Jumbo Visma confirma ser uma das equipas mais fortes da atualidade

A equipa chegou ao Tour com um aumento de notoriedade e de resultados dentro dos últimos anos. A pouco e pouco tem construído uma equipa que vem dando garantias em vários tipos de provas e terrenos.

Depois de lutar pelo Giro até à última, muitos duvidavam se a equipa teria feito o correto em mandar Primoz Roglic “mal apoiado” para Itália e deixar os “ovos” todos no cesto do Tour. Pois em boa hora o fez. A equipa entrou a vencer ao sprint com Mike Teunissen, após queda do seu principal sprinter. Na etapa 2 volta a vencer, desta feita com toda a equipa no Contra-relógio por equipas. Dois dias de amarelo, duas etapas e Steven Kruijswijk bem colocado à geral já seria uma semana a roçar a perfeição para a Jumbo. Mas Dylan Groenewegen não quis deixar dúvida de quem era o chefe do sprint na equipa e venceu a etapa 7. Para fechar a semana como começou, o tri-campeão mundial de ciclocross Wout Van Aert, justificou a sua chamada ao Tour e deu mais uma vitória à formação holandesa.

Voltistas, contra-relogistas, trepadores e sprinters, há de tudo nesta equipa, que lidera por larga margem em etapas ganhas. Apesar do percalço de George Bennett, que está já afastado da luta pela geral, a equipa tem o seu líder Kruijswijk muito bem colocado. A juntar a isto, ter nomes como Tony Martin e Wout Van Aert abre boas perspetivas para uma vitória no CR individual.

Sendo a segunda equipa mais vencedora da temporada até agora, a sua capacidade de vencer em várias circunstâncias e com vários nomes, faz com que se assemelhe bastante à sua rival que está em primeiro lugar, a Deceuninck-Quick Step. Mas com uma grande diferença, a Jumbo tem homens para a geral e homens de qualidade para trabalhar na montanha durante 3 semanas.

Julian Alaphilippe é um dos melhores da sua geração

Longe vai o tempo em que Peter Sagan era o único homem espetáculo do Tour. Diferentes como ciclistas e como “personagem” no pelotão, Alaphilippe é cada vez mais declaradamente um dos melhores e mais populares ciclistas da atualidade.

No seguimento de uma excelente época de 2018, onde finalmente se afirmou como um ciclista vencedor, e a uma ainda melhor época de 2019, onde conquistou várias etapas, duas clássicas e um monumento, o francês chega ao Tour com um objetivo bem definido, vestir a Camisola Amarela. Dar essa alegria aos franceses parecia difícil após um grande contra-relógio da Jumbo Visma, mas na etapa 3 o irreverente ciclista da Deceuninck – Quick Step arrancou a 15 kms da meta para alcançar uma vitória fantástica que lhe daria a camisola desejada por toda a França.

Apesar dos seus esforços iria perder a liderança da prova na primeira e única etapa de alta montanha da primeira semana. Mas o homem espetáculo tinha um truque guardado na manga e na etapa 8 arrancou do pelotão e foi recuperar o manto amarelo. No total dos 10 dias, Alaphilippe acabou 6 de amarelo e é cada vez mais o ciclista francês mais adorado da atualidade.

(Foto: Wikipedia)

Peter Sagan de regresso

Apesar de ainda não estar no seu melhor, Peter Sagan parece cada vez mais perto do velho Sagan. Ainda só venceu uma etapa até agora, mas o homem da Bora hansgrohe tem estado sempre na discussão das chegadas ao sprint e lidera a luta pela camisola dos pontos.

Quanto mais avança na competição, mais confiante fica e com o desgaste da alta montanha a afetar mais os puros sprinters que o tri-campeão mundial, Sagan iria lutar para defender a camisola que já conquistou por 6 vezes na carreira.

Fugas com ordem de lutar pela vitória na etapa

No Tour cada vez mais tático, onde os homens que lutam pela geral procuram cada vez menos as vitórias em etapas, as fugas parecem ter o sucesso cada vez mais garantido. Desde que saibam perder o tempo necessário para ter autorização das equipas da geral para ir para a fuga, depois é só saber escolher a fuga certa e ser aceite nestas “andanças”. Ao que parece algo que se torna cada vez mais difícil, pois com o aumentar do sucesso da fuga aumenta também os critérios de seleção dos normais protagonistas destas demandas. Com 3 fugas a dar certo em 10 etapas, ninguém que levar ciclistas no grupo que não trabalhem e que ataquem no fim. Será essencial convencer os adversários que também vamos trabalhar par ao sucesso da fuga a partir de agora.

A Team Sunweb está a acusar muito a falta do seu líder

Tom Dumoulin é uma das grandes ausências desta edição do Tour, mas a ausência do holandês não justufica a forma com que a equipa se tem apresentado em terras francesas. O grande ojetivo da equipa é dar a Michael Matthews condições para discutir os sprints, objetivo esse que tem falhado, uma vez que o australiano tem perdido claramente para Peter Sagan, Elia Viviani e Dylan  Groenewegen. Já Wilco Kelderman tem sido uma grande desilusão, estando já a mais de 27 minutos do camisola amarela, inclusive está atrás do companheiro Nicolas Roche.

Romain Bardet vem confirmando o mau momento

O líder da AG2R La Mondiale já tinha dado sinais negativos no Criterium du Dauphiné, e as piores previsões confirmaram-se na primeira metade do Tour. Bardet, está já a uma distância considerável do grupo dos favoritos, e havendo ainda um CR individual pela frente, é seguro afirmar que o trepador de 28 anos está fora da luta pela vitória. A ausência de Pierre Latour e o desgaste que o Giro provocou em Tony Gallopin e Alexis Vuillermoz, poderão justificar de alguma forma um maior desgaste por parte de Bardet.

Ter dois líderes desgasta muito a equipa

A Movistar Team apresenta-se novamente com dois lideres neste Tour, Nairo Quintana e Mikel Landa. Mas apesar de parecer positivo, o facto dos restantes elementos terem de trabalhar para dois chefes torna o desgaste muito maior. Que o digam Nélson Oliveira, Marc Soler e Imanol Erviti, que parecem desgastados demais quando ainda faltam quase duas semanas de Tour.  Na última etapa vimos uma equipa dividida, enquanto uns protegiam Quintana no grupo da frente, outros tentavam levar Landa a perder o menor tempo possível. Com o tempo perdido por Landa, esta situação já não parece plausível.

A Bahrain Merida não está no Tour para lutar pela geral

Vincenzo Nibali está fora da luta pela geral, e a equipa parece bem com isso. Resta agora à equipa preparar-se para lutar por etapas, onde nomes como Sonny Colbrelli nos sprints e Matej Mohoric e Rohan Dennis no CR serão nomes a ter muito em conta.

Um Tour complicado para os Portugueses

Rui Costa (UAE Team-Emirates) é um dos nomes do momento, apesar de não ser pelas melhores razões. Pelo que se viu na etapa 9, o ex-campeão do mundo só ganhará uma etapa se tiver um dia transcendente, tendo em conta que não há muita gente que queira partir numa fuga com o homem da Emirates. Nélson Oliveira (Movistar Team) e José Gonçalves (Team Katusha Alpecin) seriam nomes a ter em conta para o contra-relógio individual caso se consigam poupar nos dias complicados da alta montanha. No entanto, Nélson está obrigado a trabalhar para Quintana e Landa, já Gonçalves parece um pouco desligado com tudo o que afeta a sua equipa, após vir a público que está para fechar portas no final de 2019.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter