25ª Volta ao Algarve – Venceu a maturidade de um jovem

Diogo PiscoFevereiro 26, 20195min0

25ª Volta ao Algarve – Venceu a maturidade de um jovem

Diogo PiscoFevereiro 26, 20195min0
No Algarve imperou a maturidade mostrada por um jovem de 20 anos, que acabou de chegar ao World Tour e já vence entre os grandes. O sue nome, Tadej Pogacar.

A Volta ao Algarve voltou a não decepcionar os seus adeptos e as estradas do sul do país voltaram a ser palco do espectáculo do ciclismo. Durante cinco dias as atenções do ciclismo internacional estiveram centradas nos resultados da prova algarvia, que acabariam por revelar um novo campeão no world tour.

Tadej Pogacar ( UAE-Team Emirates), foi o menino de 20 anos que fez frentes aos crescidos e levou para casa a camisola da geral e da juventude, assim como a vitória no Alto da Foia.

Foi realmente surpreendente a prestação deste jovem esloveno que no ano passado venceu a Volta a França do futuro, até porque tinha como chefe de fila Fabio Aru, que mais uma vez andou um pouco abaixo do que era expectável.

Na ascensão à Foia, Pogacar, manteve-se no grupo dos favoritos aguentando não só os ataques do inconformado Amaro Antunes (CCC Team), mas também, um ritmo duro imposto pela equipa Sky. Atacou só uma vez e sentenciou a jornada, fazendo lembrar Alejandro Valverde naqueles seus ataques cirúrgicos.

Iria para o contra-relógio, na terceira etapa, como líder, na expetativa de fazer uma boa etapa tentando não perder tempo para os competentes contra-relogistas que lutavam pela geral. Entre eles estavam nomes como Wout Poels (Team Sky) e Enric Mas (Deceuninck – Quick Step).

Foi com a grande exibição no contra-relógio que a vitória de Pogacar atingiu outros contornos. Andar bem na montanha era um dado adquirido, ganhar tempo a ciclistas do world tour foi uma surpresa. Fonte: ojogo.pt (EPA/LUIS FORRA)

Acabou por surpreender com um grande 5º lugar na etapa, ganhando tempo a quase todo o top10 da geral. Foi aí que consolidou a sua liderança. Com chegada prevista ao sprint para a 4ª etapa, faltava-lhe aguentar a sua liderança na dupla passagem no Alto do Malhão, no último dia, para se tornar o novo vencedor da prova de maior categoria UCI de Portugal.

No último dia, o ambiente era de grande expectativa à partida. O público esperava a vitória de Amaro Antunes, enquanto o algarvio queria retribuir o apoio e carinho que lhe estava a ser dado na estrada. O homem da CCC teve uma prova azarada. Ficou na grande queda que marcou os últimos quilómetros do primeiro dia e voltou a cair na etapa 4.

Havia também alguma apreensão quanto à capacidade de Pogacar aguentar as investidas das equipas que procuravam a vitória na geral. Não só os já referido Poels e Mas, mas também Søren Kragh Andersen (Team Sunweb) que estava em segundo lugar, procuravam a vitória. O top 4 estava separado por mais ou menos 30 segundos, com o quarto a ser Davide de la Cruz, ficando a Sky com dois homens neste top.

No fim do dia e no fim de todos tentarem, alguns, como Amaro Antunes, mais que uma vez, foi mesmo o jovem Pogacar a sair vencedor. Mostrou a calma e maturidade de um veterano. Não indo ao choque, deixou que os elementos da sua equipa e os ataques dos restantes favoritos anulassem as diferenças para a frente da corrida.

Amaro nunca baixou os braços e tentou várias vezes fazer a diferença. Fonte: Tim de Waele/Getty Images

À entrada do Malhão, o jovem esloveno, tinha a volta perdida para o segundo lugar. Kragh Andersen levava cerca de 1 min de vantagem sobre ele. Os adversários atacaram à vez, enquanto Pogacar aguentava o ritmo forte e  apenas respondeu ao ataque de Poels com prontidão, a pouco mais de 1 quilómetro para a meta. Encortou a distância para chegar à meta com o tempo necessário para vencer a sua primeira prova no circuito world tour.

Quanto aos vencedores das jornadas, Zdenek Stybar (Deceuninck – Quick Step) venceu finalmente no Malhão, depois de ter sido alcançado dentro da subida final no ano passado. A Deceuninck – Quick Step entrou e fechou a ganhar, sendo Fabio Jakobsen o justo vencedor do sprint da etapa nº 1. Na terceira etapa foi Stefan Küng (Groupama – FDJ) a vencer um contra-relógio muito bem disputado. Na 4ª etapa, Tavira voltaria a ser alvo de um míssil holandês, com Dylan Groenewegen (Jumbo – Visma) a entrar em vantagem na última curva e deixar toda a concorrência na sua roda.

O pódio da geral ficou composto por Pogacar (1º), Kragh Andersen (2º) e Poels (3º). A camisola dos pontos foi vencida por Pascal Ackermann (Bora – Hansgrohe) e a da montanha por Tim Declercq (Deceuninck – Quick Step).

A participação lusa foi bastante honrada pela a atitude atacante de Amaro Antunes, que tudo fez para dar a tão ambicionada vitória aos seus adeptos. Terminou em 8º da geral logo seguido de João Rodrigues da W52/ FC Porto, que teve um excelente desempenho também.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter