Chema Rodríguez e o SL Benfica: a última dança em busca de história

Bernardo GalanteJulho 28, 20227min0

Chema Rodríguez e o SL Benfica: a última dança em busca de história

Bernardo GalanteJulho 28, 20227min0
Conseguirá o SL Benfica chegar ao tão desejado título nacional em 2022/2023? A última oportunidade para Chema Rodríguez à frente das "águias"

O ano de 2022 é histórico para o andebol benfiquista, mas também será sinónimo de ataque ao tão desejado título nacional que foge há 14 anos. Com Chema Rodríguez a entrar para o último ano de contrato, o objetivo principal será, certamente, a conquista do Campeonato Placard Andebol 1.

A HISTÓRICA CONQUISTA EUROPEIA

Na época transata, o Sport Lisboa e Benfica adicionou mais um troféu ao Museu Cosme Damião, desta feita um título histórico: a EHF European League. O único troféu internacional do andebol do clube da Luz, que lhe valeu um wildcard para participar na IHF Super Globe 2022 – o mundial de clubes da modalidade – e que foi uma autêntica pedrada num lago germânico: 25 das 40 edições da prova foram conquistadas por equipas alemãs.

Numa caminhada que se iniciou na 1ª eliminatória de qualificação para a Fase de Grupos da competição perante os suíços do Kriens-Luzern e durou até à Altice Arena para levantar o troféu, após as àguias derrotarem o SC Magdeburg no prolongamento, sendo que dias depois os alemães se consumariam como campeões alemães.

Não foi só os alemães do SC Magdeburg que os benfiquistas derrubaram. Rhein-Neckar Löwen, HBC Nantes, TBV Lemgo, Fenix Toulouse, Gorenje Velenje e Wisla Plock foram outras das vítimas dos encarnados, sendo que os dinamarqueses (que também se sagrariam campeões da Dinamarca, batendo o Aalborg) do GOG foram a única equipa a não perder qualquer ponto, frente ao Benfica de Chema Rodríguez.

Apesar de uma conquista histórica, internamente os vermelhos e brancos não foram capazes de conquistar um único troféu.

INEXISTÊNCIA DE GLÓRIA “DENTRO DE PORTAS”

Internamente, a época não correu como planeado, sendo que a turma comandada por Chema Rodríguez não conquistou um único troféu dentro de portas.

O primeiro troféu da época a ser disputado foi a Supertaça, a ter lugar no Pavilhão Municipal da Nazaré no fim-de-semana de 11 e 12 de setembro, em formato de Final Four com as quatro melhores equipas da edição 20/21 do Campeonato Placard Andebol 1. O emparelhamento ditou que o 3º classificado (SL Benfica) defrontasse o campeão nacional, ou seja, o FC Porto. Os azuis e brancos derrotaram o Benfica nas meias-finais por 29-24, acabando por vencer o troféu no dia seguinte.

No campeonato nacional, uma semana de desastres com as águias a serem vítimas do Sporting Clube de Portugal e do Vitória Futebol Clube, acabaria por comprometer a luta pelo título de forma bastante séria, visto que o campeão FC Porto, apenas teve um desaire na prova e, precisamente, contra o Sport Lisboa e Benfica. A derrota em Setúbal revelou-se decisiva, visto que nem FC Porto nem Sporting CP perderam pontos com equipas de meio da tabela.

Na final four da Taça de Portugal, que se realizou no fim-de-semana de 11 e 12 de junho no Centro de Desportos e Congressos de Matosinhos, o Sport Lisboa e Benfica foi eliminado nas meias-finais frente ao Sporting, sendo derrotado por 33-30.

O atual técnico encarnado Chema Rodríguez, ainda não conquistou qualquer troféu interno, no entanto, as movimentações do mercado da época 22/23 apontam para uma aposta forte em aumentar o leque de opções do plantel das águias.

O DERRADEIRO ANO DE CHEMA RODRÍGUEZ E AS SAÍDAS DE PILARES DA EQUIPA

Recentemente, Chema Rodríguez assumiu o comando técnico da seleção húngara, da qual já fazia parte, mas sendo adjunto de István Gulyás (que foi despedido após o desaire no Europeu). Acontece que a Federação Húngara quer o técnico em exclusivo, apesar que o espanhol tem contrato até junho de 2023 – o que significa que esta é a última temporada de águia ao peito.

No entanto, o técnico natural de Autilla del Pino, província de Palência, viu partir duas peças chaves da conquista da EHF European League: Rogério Moraes e Lazar Kukic. O pivot brasileiro reforçou os alemães do MT Melsungen e o central sérvio rumou até ao Dínamo de Bucareste, que está a construir um projeto ambicioso sob o comando de Xavier Pascual, competindo na Liga dos Campeões.

Mahamadou Keita, normalmente a segunda opção da ponta-esquerda benfiquista atrás de Jonas Källman, rumou até ao BM Ciudad de Logroño, sendo que o jovem central Francisco Pereira assinou pelo Caen Handball, clube que milita na 2ª Divisão Francesa.

Contudo, a imprensa especializada dá conta de vários reforços de qualidade para alargar o leque de opções do técnico Chema Rodríguez.

REFORÇOS COM A MIRA NO TÍTULO QUE FOGE HÁ 14 ANOS

A última época de Chema Rodríguez ao leme do emblema da Luz significa um último ataque, por parte do espanhol, ao título de campeão nacional. Apesar do Sport Lisboa e Benfica até ao momento só ter oficializado a chegada de Leandro Semedo, antevê-se, pelo menos, mais quatro contratações para a armada benfiquista.

De forma oficial, Leandro Semedo foi a única contratação anunciada. O lateral-esquerdo cabo-verdiano regressa a Portugal, três anos depois, pela porta do clube da Luz, após seis épocas ligado ao Futebol Clube do Porto, tendo sido duas vezes emprestado: em 15/16 ao ADA Maia/ISMAI e em 19/20 ao Helvetia Anaitasuna. Em 2020, assinou pelo Ademar León, clube do qual se despede, tendo faturado por 189 vezes em 56 encontros pelo emblema espanhol.

Segundo a imprensa especializada, o guarda-redes espanhol Sergey Hernandez irá renovar contrato com o emblema da Luz, seguindo assim o mesmo caminho que o seu compatriota Gustavo Capdeville, que renovou até 2026. O capitão Paulo Moreno também renovou o seu vínculo contratual com os encarnados, mas, desta feita, até 2025.

Os meios especializados dão também como bastantes prováveis as chegadas de Ander Izquierdo, Ádam Juhász, Vladimir Vranjes e Andrei Yurynok. As contratações destes reforços viriam suprimir a perda de jogadores como Lazar Kukic (Dínamo Bucaresti), Rogério Moraes (MT Melsungen), Mahamadou Keita (BM Ciudad de Logroño) e Francisco Pereira (Caen Handball).

O pivô Vladimir Vranjes e o ponta-esquerda Andrei Yurynok representaram a época passada o Meshkov Brest, sendo que a contratação de Yurynok deverá ser tida como a mais difícil, devido ao atleta ter contrato até 2023. Contudo, o SL Benfica poderá valer-se da impossibilidade dos bielorrussos participarem em competições da EHF, devido à guerra.

Os casos de Ander Izquierdo e Ádam Juhász são diferentes e apenas aguardam a oficialização dos encarnados. O central espanhol de 22 anos é considerado um dos grandes jovens talentos do nosso país vizinho, sendo que já se despediu do seu anterior clube nas redes. Outro fator que leva a crer que o jogador está certo no SL Benfica foi a visita a Lisboa no mês de Junho.

Quanto a Ádam Juhász, o portal húngaro Handball Expert dá como praticamente garantida a saída do central do Tatabánya KC. O atleta de 26 anos tem 46 internacionalizações pela seleção principal do seu país, sendo que atualmente é comandada por… Chema Rodríguez.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter