CFL Global Combine – Parte 4: Atletas Internacionais da NCAA

Miguel Veloso MartinsMarço 29, 202010min0

CFL Global Combine – Parte 4: Atletas Internacionais da NCAA

Miguel Veloso MartinsMarço 29, 202010min0
Apesar do adiamento do Combine em Toronto, a CFL continua à procura dos melhores talentos do Mundo. Depois de falarmos de todos os combines internacionais, está na hora de falar dos atletas selecionados diretamente do futebol americano universitário. Fica a saber mais sobre os jogadores graduados da NCAA.

 

Jan Phillip Bombek (Alemanha) – DE, Colorado State

Jan Phillip Bombek pode não ter jogado numa universidade de topo, mas não é possível negar o seu talento. O alemão jogou desde os seus 17 anos nos Hamburg Huskies, onde foi chamado para representar a seleção nacional júnior. Rapidamente Bombek decidiu que queria levar os seus talentos para os Estados Unidos, sendo que, conseguiu um lugar no Feather River Junior College. 

O objetivo de Bombek sempre foi jogar numa universidade da FBS e, após uma ótima temporada na Califórnia, o alemão recebeu uma bolsa dos Colorado State Rams. Nos seus dois anos em Colorado, Jan Phillip Bombek tornou-se, anualmente, líder de sacks. O europeu nunca faltou a um jogo na carreira pelos Rams, tendo gerado um total de 7 sacks e 44 placagens. O estilo de jogo de Bombek é caracterizado pela sua impressionante velocidade chegando ao backfield com explosividade. O alemão tem enorme potencial nas special teams, sendo esta a principal atração para grande parte das equipas da CFL.

 

Joseph Zema (Austrália) – P, Incarnate Word

Joseph Zema é o primeiro de quatro special teamers australianos nesta lista. Zema, como muitos outros australianos, tem um passado no futebol australiano, o fantástico desporto nacional do país com semelhanças ao rugby. A modalidade permite uma conversão perfeita para a posição de punter no futebol americano. Neste momento existem oito australianos na NFL, cinco destes são punters que iniciaram as suas carreiras no futebol australiano.

Joseph Zema teve imenso sucesso com os San Antonio Commanders na extinta Alliance of American Football. No seu último ano de futebol americano universitário, teve uma média de 46,7 jardas por punt. O australiano conseguiu ainda melhorar esta estatística na AAF com 47,6 jardas por pontapé.

 

Steven Nielsen (Dinamarca) – OL, Eastern Michigan

Steven Nielsen é um caso interessante. Nielsen recentemente esteve presente num dos Pro Days da NFL, havendo interesse no gigante dinamarquês por parte de algumas equipas da liga. Nielsen foi também convidado para estar presente no Combine da CFL em Toronto. O facto de estar a receber interesse por parte das duas ligas ao mesmo tempo pode ser vantajoso para Nielsen.

O Draft da NFL deverá decorrer no próximo mês de Abril através de um evento não-presencial devido à pandemia de coronavírus. No caso da CFL, o Combine foi adiado, assim como o Draft. Isto faz com que Nielsen tenha hipótese de confirmar se é selecionado no Draft da NFL ou contratado por alguma das equipas depois. Caso isto não ocorra, o dinamarquês pode participar no Combine da CFL e possivelmente ser selecionado para jogar na liga. Steven Nielsen é um atleta versátil com movimento de pés fenomenal e uma estatura enorme que lhe permite exercer qualquer papel na linha ofensiva.

 

Joel Whitford (Austrália) – P, Washington

Mais um punter australiano, desta vez de uma grande equipa. Joel Whitford teve uma carreira incrível pelos Washington Huskies e foi premiado com um lugar na All-PAC12, uma espécie de all-star team da conferência universitária PAC12. Durante a sua última e melhor época no estado de Washington, Whitford acumulou um total de 1979 jardas em punts e uma média de 45 jardas, tendo o seu pontapé mais longo da época (e carreira) acumulado 67 jardas.

À semelhança de Steven Nielsen, apesar de ser considerado um candidato no Draft da NFL deste ano, Whitford parece estar a dar uma hipótese à liga canadense. Quem sabe não terá mais oportunidades para construir uma carreira e chamar a atenção da NFL?

 

Misiona Aiolupotea-Pei (Nova Zelândia/Austrália) – DT, Washington State

Finalmente temos na lista um australiano (neste caso, com dupla nacionalidade) que não é um punter! Misiona Aiolupotea-Pei nasceu na Nova Zelândia, tendo se mudado para a Austrália em 2013. Quando chegou à Austrália decidiu abandonar o rugby e começar a jogar futebol americano nos Queensland Stingrays. 

Em 2017, Misiona Aiolupotea-Pei mudou-se para os Estados Unidos, indo jogar no Riverside City College, onde  chamou a atenção dos olheiros de Mike Leach. No grande rival dos Huskies (e berço do lendário Gardner Minshew), Aiolupotea-Pei tornou-se um num game-changer na rotação dos Cougars. Apesar de ter sido apenas titular em 6 jogos, o jogador mostrou imenso potencial como titular permanente num sistema mais semelhante ao do futebol canadense. Se Misiona Aiolupotea-Pei for escolhido no CFL Global Draft, podemos esperar que este se mude para um papel como pass rusher devido ao seu tamanho.

 

Ryan Meskell (Austrália) – K, Hawaii

Como é provado nesta lista, a oferta de punters australianos é grande, mas é raro ver um kicker australiano. Se Ryan Meskell conseguir jogar na CFL (ou na NFL) poderá tornar-se no primeiro kicker do seu país a competir na liga. Meskell apenas começou futebol americano quando se mudou para os Estados Unidos, sendo que também jogou futebol durante dois anos na América no Lewis & Clark Community College. 

Sem qualquer experiência prévia, Ryan Meskell decidiu dar uma oportunidade ao futebol americano na University of Hawaii como kicker, onde teve de lutar pelo seu lugar na equipa, o que não foi tarefa fácil. Na sua primeira temporada, o australiano marcou 1 field goal de 4 tentativas. Na época seguinte, Meskell melhorou e chutou com uma percentagem de 83.33% (15-18). Já na sua última última temporada, a sua percentagem piora (58.82% ou 10-17), mas chuta o field goal mais longo da sua carreira (50 jardas) e melhora como kickoff specialist.

 

Tyron Vrede (Holanda) – LB, North Dakota

Tyron Vrede começou a jogar futebol americano por causa do Madden NFL 2000. Como muitos jovens europeus, em vez de jogar a versão que todos conhecemos da modalidade, Vrede jogou flag football até aos 17 anos. O atleta jogou nos Amsterdam Crusaders até se mudar para os Estados Unidos, onde jogou durante um ano no West Hills College. 

No ano seguinte, muda-se para o Garden City Community College no Kansas e recebe uma bolsa para jogar University of North Dakota. Apesar de Vrede nunca ter jogado como titular nos Fighting Hawks, a sua versatilidade e ótimo nível de jogo contra a corrida tornam-no num fantástico candidato para as special teams de qualquer equipa. Tyron Vrede não seria o primeiro jogador holandês na CFL, juntando-se ao WR Geraldo Boldewijn na lista.

 

Jake Ford (Austrália) – PK, Ouchita Baptist

Sim, mais um australiano. Jake Ford jogava futebol australiano até se juntar ao Pro Kick Australia, um programa para ajudar atletas australianos a converter-se para o jogo americano. O australiano jogou nos Oregon Ducks, mas nunca teve muitas oportunidades para ver o campo.

Ford foi mais tarde transferido para os Ouchita Baptist Tigers, onde tem elevado o seu estatuto como um dos candidatos para o NFL Draft deste ano. Por jogar na segunda divisão do futebol americano universitário, o mais provável é que Jake Ford não seja escolhido no Draft, mas deverá ser considerado como uma contratação para o training camp da liga americana ou na CFL. O último punter australiano na liga canadense foi Josh Bartel em 2019, mas parece que vamos mais uma vez ver um aussie a chutar no Canadá.

 

Aaron Donkor (Alemanha) – DE, Arkansas State

Aaron Donkor não fez muito como DE no seu primeiro e único ano com os Arkansas State Red Wolves. Donkor começou a jogar futebol americano em 2016, depois de ser convidado pelos Düsseldorf Panthers para um treino. O alemão passou grande parte da sua juventude a jogar basquetebol, tendo jogado também mais tarde na segunda divisão alemã. 

Um ano depois do seu primeiro treino, Donkor recebeu uma bolsa para jogar no New Mexico Military Institute, atraindo a atenção da Arkansas State University. Apesar de não ter tido o ano mais produtivo, Donkor acumulou 25 placagens e mostrou que tem todas as características para se tornar num grande jogador. Aaron Donkor chegou muito tarde à modalidade, mas todas as intangíveis estão lá, só falta melhorar a sua técnica.

 

Jonas Schenderlein (Alemanha) – K, Concordia-St. Paul

Jonas Schenderlein é provavelmente um dos melhores kickers fora de um plantel da NFL. O alemão foi finalista duas vezes para o Fred Mitchell Award (o prémio para o melhor kicker das competições universitárias fora da FBS). Schenderlein esteve também presente num tryout com os Minnesota Vikings no ano passado, no entanto, não tendo sido contratado.

Schenderlein não tem estatísticas particularmente impressionantes, mas a força da sua perna é o suficiente para lhe considerarmos um dos principais candidatos na sua posição neste Combine. Jonas Schenderlein tem força suficiente para marcar a 58 jardas de distância e existem vídeos do jogador a marcar field goals com 70 jardas.

 

Quem são os teus candidatos favoritos para o CFL Global Draft de 2020?


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter