CFL Global Combine – Parte 1: Conhece os primeiros europeus escolhidos

Miguel Veloso MartinsMarço 7, 202010min0

CFL Global Combine – Parte 1: Conhece os primeiros europeus escolhidos

Miguel Veloso MartinsMarço 7, 202010min0
Nos últimos meses, a CFL tem visitado países por todo o mundo à procura do futuro da liga canadense. Nesta série de artigos, vamos apresentar os atletas selecionados para estarem presentes no Combine de Toronto. Hoje é a vez dos jogadores escolhidos em Frankfurt, Bristol e Florença.

Depois de no ano passado, a CFL ter anunciado os seus planos para acolher atletas de todo o mundo, o novo conceito foi expandido para abranger mais países e mais atletas. Ao contrário de 2019, este ano a liga canadense decidiu organizar mais combines por todo o mundo em parceria com mais países e federações. 

Só em Janeiro, os responsáveis da CFL visitaram a Finlândia, Suécia, França, Itália, Inglaterra e Alemanha. No mês seguinte, visitaram o Japão e Dinamarca, e em Março, o Brasil e México. 

Isto garantiu que houvessem mais atletas a ser selecionados para participar no CFL Combine em Toronto de 26 a 28 de Março e, mais tarde, ser considerados para o CFL Global Draft no dia 16 de Abril. Com tantos talentos para descobrir, iremos apresentar cada atleta selecionado numa nova série de artigos divididos por regiões.

Esta semana iremos falar dos 11 jogadores europeus escolhidos nos combines regionais de Florença, Bristol e Frankfurt.

 

Frankfurt, Alemanha

Dustin Illetschko (Áustria) – LB, Frankfurt Universe

Dustin Illetschko é facilmente um dos melhores jogadores que algumas vez jogou na Europa. O linebacker austríaco, de 1 metro e 80 de altura e 104 quilos, tem sido um dos atletas mais produtivos do velho continente, seja na sua carreira na Áustria, Alemanha ou Finlândia. O lendário LB europeu começou a jogar futebol americano na equipa da sua cidade natal, os Dacia Vienna Vikings, e desde então tem vindo a dominar qualquer liga onde joga. Como um dos poucos atletas europeus pagos para jogar, Illetschko jogou nos Helsinki Roosters (Finlândia), Potsdam Royals (Alemanha) e Frankfurt Universe (Alemanha).

Dustin Illetschko é considerado um dos atletas europeus com melhor “football IQ”, sendo conhecido pela sua capacidade de leitura dos ataques oponentes e pela sua liderança. Na passada temporada, Illetschko acumulou 144 placagens em 14 jogos. O austríaco tem se provado fenomenal na defesa contra o jogo de corrida e com atleticismo suficiente para cobrir um TE. Espero ver Dustin Illetschko a ter bastante impacto na liga canadense.

 

Sven Breidenbach (Alemanha) – OL, Cologne Crocodiles

O primeiro jogador a ser selecionado no Combine de Frankfurt foi Sven Breidenbach. Breidenbach é a definição de um bom veterano, o OL tem sido elogiado pela sua liderança, maturidade e determinação. Isto não é de admirar vindo de um atleta de 30 anos que já joga a modalidade desde à quase uma década, simplesmente pelo amor ao jogo.

Sven Breidenbach tem jogado desde os seus 22 anos na equipa da sua cidade, os Cologne Crocodiles, passando pelos maus anos da equipa nas divisões mais baixas até ao sucesso dos últimos anos. O diretor da iniciativa global da CFL, Greg Quick, elogiou a forma como Breidenbach consegue aprender rápido com os seus próprios erros, sugerindo que o atleta deverá ter sucesso com os treinadores da liga canadense.

 

Aleksandr Posunko (Ucrânia) – DB, Rostock Griffins

O primeiro e único jogador ucraniano nesta lista, é o rei da zone coverage. Aleksandr Posunko joga nos Rostock Griffins na Alemanha, tendo jogado anteriormente nos Kyiv Capitals do seu país natal. Considero Posunko um caso comparável ao de Dustin Illetschko. Na minha opinião, o ucraniano tem um dos melhor “football IQs” da Europa, com um talento excepcional para ler jogadas e intervir.

Para além da sua inteligência em campo, Posunko é um atleta fenomenal que tem a velocidade e força necessária para ajudar em qualquer faceta do jogo defensivo. Por todas as capacidades mencionados, não ficaríamos surpreendidos se Aleksandr Posunko for escolhido no Draft (possivelmente até nas primeiras rondas), sendo um dos melhores jogadores de special teams do grupo.

 

Marius Kensy (Alemanha) – LB, Cologne Crocodiles

Marius Kensy foi um dos jogadores selecionados algum tempo após o combine em Frankfurt. A escolha do jovem linebacker alemão dos Cologne Crocodiles não é uma surpresa. Kensy é considerado por muitos como uma jovem promessa para o futuro do futebol americano europeu. 

O prodígio alemão jogou anteriormente nos Düsseldorf Panthers, já representou a sua seleção nacional de sub-19 e foi considerado pela liga alemã (GFL) como um dos melhores jogadores de 2019, sendo nomeado como All Star. Kensy foi o segundo jogador com mais placagens na sua equipa. 

 

Niklas Liesen (Alemanha) – LB, Cologne Crocodiles

Niklas Liesen foi um dos primeiros jogadores alemães deste ano a ser selecionado para o Combine em Toronto. Com apenas 21 anos, Liesen é o atleta mais jovem desta lista e é fácil perceber porque foi escolhido tão cedo. Niklas Liesen tem uma estatura incrível para um jogador tão jovem com um 1 metro e 82 e 108 quilos de peso.

Liesen é de certa forma um mistério para a maior parte dos olheiros canadenses que procuram atletas que se adequem fisicamente às exigências da CFL. O jovem LB dos Cologne Crocodiles tem a idade e o atleticismo que é necessário para ser moldado na estrela internacional da CFL pelos treinadores da liga.

 

Jean-Claude Madin Cerezo (Espanha) – WR, Hamburg Huskies

Jean-Claude Madin Cerezo é um daqueles casos estranhos do futebol americano internacional. Cerezo nasceu em Espanha, mas foi criado na Alemanha, onde jogou para as equipas juvenis dos Hamburg Huskies e dos Kiel Batic Hurricanes. Desde novo, Cerezo já era considerado um prodígio da modalidade, sendo selecionado para para representar a equipa do Mundo na IFAF International Bowl. Mais tarde é contactado pela Universidad de las Américas Puebla, mudando-se para o México para jogar futebol americano universitário, onde pouco tempo depois recebeu uma oferta para jogar numa universidade americana (University of Northern Colorado).

Poucos anos depois voltou para o México, onde joga mais uma vez na ULAP. Após o seu tempo no México, Cerezo decide voltar para a Alemanha, onde volta a jogar na equipa principal dos Kiel Baltic Hurricanes e, algum tempo depois, nos Hamburg Huskies. Jean-Claude Madin Cerezo agora tem os olhos no Canadá como o próximo destino da sua longa jornada. O espanhol tem todas as qualidades que se pedem para um WR confiável: é forte o suficiente para afastar oponentes e rápido e elusivo o suficiente para criar distância. Outra mais valia para Cerezo é a sua experiência e versatilidade nas special teams.

 

Justin Rodney (Alemanha) – RB, Frankfurt Universe

Justin Rodney é não só um dos atletas mais explosivos da liga alemã, mas também um dos mais famosos. Rodney venceu e participou várias vezes na versão alemã do programa de TV American Ninja Warrior. Apesar de ter apenas 1 metro e 70, Justin Rodney tem se revelado como um RB que exige respeito.

O RB dos Frankfurt Universe tem a força e velocidade para atropelar qualquer oponente, seja qual for o seu tamanho. Isto tornou Rodney no quarto RB da GFL com mais jardas acumuladas. Com tanto talento puro pronto para limar, Justin Rodney parece estar pronto para garantir um lugar na liga canadense.

 

Bristol, Reino Unido

David Izinyon (Reino Unido) – LB/DE, Rostock Griffins

David Izinyon é o segundo jogador da equipa alemã Rostock Griffins nesta lista. Izinyon é um bloqueador formidável e explosivo que consegue deitar qualquer oponente abaixo para chegar ao seu alvo. O britânico tem o tamanho para ser uma besta junto à linha ofensiva, mas tem mobilidade suficiente para chegar ao portador da bola.

Izinyon tem enorme potencial também como um defensive end na CFL, devido ao seu talento na pass rush, especialmente em situações de special teams.

 

Glen Mbleg-Toonga (Reino Unido) – RB, Dresden Monarchs

Glen Mbleg-Toonga é facilmente o melhor RB do Reino Unido (se não contarmos com o Jay Ajayi, claro). Toonga começou a sua carreira em 2014 na University of Southampton, onde jogou durante dois anos. Após os seus anos universitários, o RB mudou-se para os London Blitz. Em 2018, Glen Toonga é contratado pela equipa alemã Dresden Monarchs e tem se estabelecido como um jogador de referência na Europa desde então.

Toonga é aquilo que é chamado um bell-cow runningback, ou seja, um RB que tem como principal faceta a sua durabilidade e capacidade de jogar em todos os downs. Glen Toonga é um atleta que se define por desgastar os seus oponentes com a sua forma de corrida agressiva. A versatilidade de Toonga vai ser uma mais valia para garantir uma boa posição no Draft da CFL.

 

Florença, Itália

Lorenzo Dalle Piagge (Itália) – DE/LB, Milano Seamen

Lorenzo Dalle Piagge é um dos nomes lendários do futebol americano europeu. O veterano tricampeão dos Milano Seamen atraiu a atenção dos olheiros canadenses pela sua versatilidade. A sua capacidade de jogar nas special teams, assim como na defesa como pass rusher e OLB, deu-lhe vantagem acima dos seus compatriotas.

A altura e peso de Piagge podem ser vistos como um “problema” por parte de algumas equipas, mas o italiano tem mostrado na IFL que é capaz de deitar abaixo jogadores maiores que ele. Piagge jogou também anteriormente nos Parma Panthers e liderou a seleção italiana em campeonatos europeus.

 

Aleksandar Milanovic (Áustria) – OL, Helsinki Roosters

Aleksandar Milanovic é facilmente o jogador europeu mais preparado para os desafios da CFL. O OL com 2 metros de altura foi titular na universidade americana Sacramento State, onde jogou durante três anos. Milanovic é um atleta poderoso, capaz de controlar os seus oponentes de forma agressiva. 

Durante os seus anos universitários, o austríaco teve alguns problemas com o seu posicionamento de pés e mãos, algo que tem melhorado na Europa. Agora como veterano, Milanovic voltou para o velho continente, onde jogou com os Vienna Vikings, equipa onde iniciou a sua carreira, e, mais recentemente, nos Helsinki Roosters da Finlândia.

 

Na próxima parte, apresentaremos os escolhidos dos Combines franceses e escandinavos.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter