Gustavo Capdeville. “Penso que o andebol português está no caminho certo.”

João de MatosFevereiro 19, 20183min0

Gustavo Capdeville. “Penso que o andebol português está no caminho certo.”

João de MatosFevereiro 19, 20183min0
Gustavo Capdeville guarda-redes do Madeira SAD, emprestado pelo SL Benfica. A nova vida na Madeira, a adaptação e a simplicidade que o caracterizam.

NOME: Gustavo Capdeville
IDADE: 20
CLUBE: Madeira SAD (Empréstimo pelo SL Benfica)
JOGOS: 24
POSIÇÃO: Guarda-redes
INTERNACIONALIZAÇÕES “A”: Não tem

Quando é que o andebol começou a ser uma paixão para ti ?

GC. Surgiu a oportunidade de jogar andebol no inter-turmas da escola, onde já na altura joguei a guarda-redes, depois disso um colega convidou me para ir treinar no Benfica. A paixão foi aumentando gradualmente, mas começou desde aí.

O que significa o Benfica para ti, sabendo que fizeste lá toda a tua formação?

GC. O Benfica para mim é muito além de um clube , desde sempre me apoiou, valorizou e ajudou a atingir os meus objectivos. Foi o clube que acreditou em mim desde o início e me deu as melhores condições de trabalho a todos os níveis.

Como é que encaraste a noticia que ias ser emprestado ao Madeira Sad ?

GC. Encarei a notícia de uma forma bastante positiva porque eu tinha a perfeita noção de que nos primeiros anos de sénior é preciso jogar com regularidade. Sabia que no Benfica ia ser difícil ter os minutos de jogo pretendidos, e como tal fiquei bastante satisfeito visto ser o melhor para mim.

Onde é que te vês daqui a 5 anos ?

GC. Sinceramente não sei, não penso muito no futuro. Estou focado no presente e no trabalho que estou a fazer no Madeira SAD.

Fonte: Arquivo do Atleta
Como tem sido a tua experiência no Madeira SAD, adaptação, sair de casa etc ?

GC.  A experiência no Madeira SAD tem sido óptima, tenho tido bastantes minutos de jogo e tenho treinadores que me valorizam e me dão oportunidades. A adaptação também foi excelente, os meus colegas integraram-me desde o início. Sair de casa foi uma boa experiência visto que a minha namorada alinhou nesta aventura e veio viver comigo para a Madeira.

O que significa para ti, representar Portugal ?

GC. Para mim é um orgulho representar o meu país e ser considerado um dos melhores. Esforço me diariamente e o facto de ser chamado à selecção é o reconhecimento do meu trabalho.

Fonte: Arquivo do Atleta
Qual é a tua rotina de jogo, tens algum tipo de superstição?

GC. Não sou supersticioso, faço a minha vida normal antes dos jogos.

Achas que o andebol em Portugal ainda pode crescer?

GC. Penso que sim. Tem vindo a crescer ao longo dos anos e cada vez mais, os portugueses são valorizados no mundo do andebol. Todos os dias vemos portugueses em grandes clubes e em grandes competições. Penso que o andebol português está no caminho certo.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter