Europeu de Andebol 2018 – Uma Espanha Histórica

João de MatosFevereiro 10, 20184min0

Europeu de Andebol 2018 – Uma Espanha Histórica

João de MatosFevereiro 10, 20184min0
A selecção da Espanha sagrou-se campeã da Europa depois de ter batido a Suécia por 29-23. Este é o primeiro título europeu da equipa espanhola que já tinha sido, por duas vezes, campeã do Mundo.

A selecção da Espanha sagrou-se campeã da Europa depois de ter batido a Suécia por 29-23. Este é o primeiro título europeu da equipa espanhola que já tinha sido, por duas vezes, campeã do Mundo. Na final do torneio que se disputou na Croácia, a Suécia perdeu uma final histórica, uma vez que foi a primeira vez que a formação sueca perdeu uma final. No historial, os nórdicos contavam com quatro presenças na final e quatro triunfos em finais de Europeus.

Os espanhóis vinham a somar nos últimos anos grandes resultados na modalidade, incluindo dois títulos mundiais, mas ainda lhes faltava a taça continental, que finalmente conseguem, graças um arranque de segunda parte demolidor, que surpreendeu por completo a Suécia, selecção mais titulada na Europa, mas sem o brilho de outros tempos.

Foto: ehf.com

‘Cliente habitual’ dos quatro primeiros lugares, a Espanha tinha até agora como melhor quatro finais perdidas – em 1996 (para a Rússia), em 1998 (para a Suécia), em 2006 (para a França) e em 2016 (para a Alemanha).

Historial diferente tinha a Suécia, ainda a mais laureada no ‘velho continente’, com quatro títulos em quatro finais, em 1994, 1998, 2000 e 2002. Mas, desde esse histórico ‘tri’, não há sucessos, seja em mundiais ou europeus.

Dizem que a história se repete, mas a Espanha queria escrever a sua própria história na Arena de Zagreb. Após ter perdido as duas ultimas 4 finais do Europeu, nos primeiros 30 minutos, parecia que a maldição não se ia quebrar, e o treinador espanhol Jordi Ribera teve que utilizar outro estilo defensivo, unindo isso a uma pequena grande ajuda do central Rau Entrerrios. Os nuestros hermanos conquistaram assim o seu primeiro troféu europeu, 5 anos depois de terem ganho a medalha de ouro no Campeonato Mundial.

Foto: ehf.com

Um dia antes da final, Julen Aguinagalde, frisou que quem na final tivesse um guarda-redes em super forma iria decidir quem iria levar o troféu para casa.

A selecção espanhola foi determinada e fez o que de melhor sabe fazer, fechar os espaços e tirar partido dos erros do adversário, utilizando um novo sistema defensivo a partir dos segundos 30 minutos. O seu tradicional 6-0 deu lugar a um agressivo 4-2, obrigando a Suécia a jogar mais longe dos 6 metros, e a rematar com a sua primeira linha, de forma a parar a circulação de bola entre os pontas e os laterais. O resultado ao intervalo era de 14-12.

Com o primeiro ataque na segunda parte, a Suécia teve a hipótese de saltar para uma liderança de 3 golos, mas acabou por não conseguir concretizar em golo. Do outro lado a Espanha impôs um parcial de 9-1, e apenas aos 12 minutos os escandinavos conseguiram marcar golo.

O Guarda-redes espanhol de 38 anos, Arpad Sterbik, que apenas entrou em campo apenas na semifinal, devido à lesão de Gonzalo Perez Vargas, que durante a construção do parcial de 9-1, defendeu 8 remates.

Foto: ehf.com

A Suécia ia perdendo o seu ritmo e começava a apresentar falta de imaginação, tendo cometido 9 falhas técnicas na segunda parte, e em 22 minutos apenas concretizou os remates em golo apenas por 3 ocasiões. E no andebol, ainda para mais numa final, os erros pagam-se caros, e a Espanha passou para a frente do marcador, 23-16, com 50 minutos de jogo.

Nos últimos 10 minutos do jogo, a Suécia foi mais dominante, acabando por marcar mais 7 golos e a Espanha apenas 6, acabando o jogo com a vitória espanhola por 29-23.

A Espanha com a vitória está automaticamente qualificada para o Campeonato do Mundo de 2019, enquanto a Suécia terá que disputar o play-off contra a Holanda para se qualificar.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter