O Melhor adeus que um torcedor pode ter

Thiago MacielDezembro 12, 20204min0

O Melhor adeus que um torcedor pode ter

Thiago MacielDezembro 12, 20204min0
O amor a um clube muitas vezes está além de nossa compreensão. Neste artigo Thiago Maciel mostra que amar um time vai muito além da morte.

Amar um time é ter a certeza de que você é feliz por ele. Que ele vai te trazer muitas alegrias, muitas vitórias, muitos títulos. Amar um time é você se apaixonar pela história dele e ter orgulho em contar a mesma pra todos que perguntarem. Amar um time é se orgulhar desse time pelo que ele é, não pelo que dizem. Amar um time não é a mesma coisa que amar um ser humano. Porque quando você ama um time você tem a certeza de que ele nunca irá te abandonar, e você por amor, fará o mesmo, nunca irá abandoná-lo, esse é o papel do torcedor!

Quando você ama um time, você tem a certeza de que sorrirá quando não tiver motivos pra isso, você tem a certeza de que levantará a cabeça e seguir em frente apenas por ver uma vitória do seu amado time e ver que ele não desistiu e não desistirá de se tornar campeão. Amar um time de futebol, é simplesmente amar… Sem vergonha de ser questionado por esse seu tal amor.

Amor esse que muitas vezes supera a barreira da morte, duas histórias aqui relatadas mostram que o futebol é mais que um jogo para algumas pessoas.

Em estado terminal torcedor ganha homenagem de seus colegas e assiste um treino do Feyenoord pela última vez.

O torcedor fanático do clube de futebol holândes Feyenoord, Rooie Marck de 54 anos teve uma última homenagem ao ir assistir um treino do seu time de coração. Devido a um câncer de pulmão, Marck foi diagnosticado com alguns poucos dias de vida em junho passado e foi ao estádio do Feyenoord por uma última vez.

O que ele não esperava era que centenas de torcedores estivessem na arquibancada e prestassem uma homenagem a ele. Uma faixa com sua imagem e a frase ““You´ll never walk alone” (Você nunca caminhará sozinho) foi estendida e a torcida entoava seu nome com força. Ele se levantou e ficou diante da massa que sabia da sua história e cantou seu nome.

O que torna o momento tão emocionante é a reação de Rooie e o fato de que três dias depois da gravação deste vídeo, ele faleceu, mas não foi esquecido, pois os torcedores ainda fizeram mais homenagens póstumas para esse grande torcedor e mostraram que o futebol pode ser um grande palco para o amor e a solidariedade.

Homenagem torcida do Feyenoord

Num fórum do Feyenoord, Marck agradeceu pelo carinho e teve suas últimas palavras publicadas pelo site oficial do clube :

“Queridos camaradas, gostaria de agradecer a todos pelo grande carinho recebido, pelas amizades que tive e por toda a atenção que me foi dada. As homenagens nos últimos dias me deixaram muito impressionado, assim como a minha esposa Marion e meu filho Joey. Obrigado a todos os familiares, amigos e pessoas que conheci e também aos desconhecidos que estavam nas arquibancadas. Agora parto como uma pessoa feliz e abençoada para o novo mundo. Adeus e um grande beijo ”.

Companheiros levam o caixão de amigo morto a um jogo na Colômbia

Um torcedor do clube colombiano Cúcuta, um jovem de 17 anos, fora assassinado num final de semana e estava sendo velado na casa de seus familiares.

De acordo com policiais, os integrantes da torcida El Índio, à qual o jovem Christopher Jácome era um dos líderes, foram à casa da família, onde o corpo do rapaz estava sendo velado, e obtiveram a autorização dos parentes para levar o torcedor morto até o estádio.

O dia em questão era um domingo, e o Cúcuta enfrentaria o Envigado pelo Campeonato Colombiano. Assim, os “barrabravas” dos El Índio conseguiram entrar com o caixão com o corpo do torcedor morto, quando faltavam 15 minutos para o final do jogo.

O coronel da polícia colombiana confirmou, na época, que o grupo de torcedores conseguiram burlar a segurança do estádio General Santander e entraram com o cadáver do jovem, como forma de homenagem ao clube, que ele tanto amava, inclusive dizem que teria sido o último pedido feito pelo torcedor antes de morrer.

Impressionante também é o fato que o grupo de torcedores também estavam proibidos de entrar no estádio e ainda assim não foram barrados pela segurança.

Imagem do caixão no meio da torcida do Cucutá

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter