MLS – História e origens

Thiago MacielFevereiro 29, 20205min0

MLS – História e origens

Thiago MacielFevereiro 29, 20205min0
Começa nesta semana a nova temporada da MLS. E aqui um breve histórico desta liga que vem ganhando em popularidade a cada ano.

Em 1975 o melhor jogador do mundo, Pelé, chegava aos Estados Unidos para jogar pelo New York Cosmos, equipe que jogava pela NASL. Antes de encerrar sua carreira o Rei ainda jogou com dois ícones do futebol mundial, o alemão Franz Beckenbauer e o brasileiro Carlos Alberto, contratados pelo Cosmos na temporada de 77. Parecia o início de uma era de ouro para o futebol norte americano, com mais jogos televisionados e boas médias de público nos estádios. Os jogos dos NY Cosmos eram os mais procurados e sempre estavam lotados, por conta principalmente do Rei Pelé. Já no início dos anos 80 somado a recessão econômica e a pouca experiência em futebol dos donos das equipes a liga entrou em declínio e encerrou suas atividades em 1984. Foram mais de 10 anos sem futebol profissional nos Estados Unidos.

Criação MLS

Após doze anos a primeira temporada da Major League Soccer(MLS) ocorreu. Tudo começou quando em 1988 os Estados Unidos receberam o direito de sediar a Copa do Mundo de 1994 e por uma exigência da FIFA a federação de futebol dos Estados Unidos se comprometeu a criar uma liga de futebol profissional. E em dezembro de 1993 a MLS foi oficialmente anunciada. A partida de inauguração entre San Jose Clash e DC United ocorreu em 06 de abril de 1996. A primeira temporada contou com 10 times divididos em duas conferencias e teve a presença de alguns jogadores de renome mundial como o colombiano Valderrama, os mexicanos Jorge Campos e Hugo Sanchez, o italiano Roberto Donadoni e os norte-americanos Tony Meola e Eric Wynalda, que marcou o primeiro gol da MLS. Ao final da temporada o DC United foi consagrado como o primeiro campeão.

Apesar da euforia inicial a MLS foi perdendo apelo do público ao longo dos primeiros anos e apresentando prejuízos financeiros, com declínio de público nos estádios e audiência de TV. A liga tentou implementar algumas mudanças nas regras para tentar atrair o público norte-americano, como contagem regressiva no relógio, como acontece na NBA. A outra mudança era a definição por Shoot-out, para resolver jogos empatados, que consistia em um jogador receber a bola a 35 metros do gol e ter 5 segundos para marcar. As alterações nas regras não surtiu o efeito desejado, principalmente a do Shoot-out, não atraindo novos fãs e ainda por cima ganhando antipatia de fãs mais tradicionais. O Shoot-out foi abandonado em 1999. A MLS adotou a regra do gol de ouro, para dá mais “emoção” aos jogos, entre 2000 e 2003, mas logo foi encerrada a experiência.

Novos Rumos

Em meados dos anos 2000 a MLS começou a dá sinais de crescimento, muitas equipes construíram estádios menores concebidos para o futebol, deixando assim de alugar os enormes estádios de futebol americano e começaram a reter novas fontes de rendas como acordos de naming rigths e concessão dos serviços nos novos estádios. Esse crescimento ainda foi impulsionado com a boa campanha dos Estados Unidos na Copa do Mundo de 2002, quando a seleção norte-americana chegou as quartas de final, que fez o futebol voltar a ganhar mais popularidade no país. E ainda contou com novos e populares jogadores como o goleiro Tim Howard, que se destacava na Europa, e o atacante Landon Donovan, que ajudavam no crescimento do esporte em território estadunidense.

Com mais investimentos a MLS conseguiu atrair grandes estrelas do futebol mundial. A contratação de David Beckham em 2007 pelo Los Angeles Galaxy representou um marco na história da liga. O crescimento de audiência de TV,  juntamente com boas médias de públicos fez com que a MLS conseguisse atrair mais estrelas nas temporadas seguintes como Kaká, Steven Gerrard, David Villa, Wayne Rooney e Zlatan Ibrahimovic.

Ibrahimović foi um dos destaques na temporada passada (Foto: ESPN)

Hoje a MLS é uma liga consolidada e bastante rentável para os donos das franquias, tendo torcedores em boa parte do mundo e com cada vez mais jogos transmitidos, inclusive para outros países.

Regras atuais

A Major League Soccer é disputada, atualmente, por 24 equipes divididas entre as conferências Leste e Oeste. Até 2021, mais 3 times entrarão na MLS, com a expectativa de que a estratégia de expansão seja mantida nos anos seguintes, chegando a 30 equipes. A MLS é disputada em duas fases. Na primeira, cada equipe disputa 34 partidas. Além de enfrentar os 11 times da mesma conferência em jogos de ida e volta e cada equipe joga uma vez contra os 12 times da outra conferência. A equipe que tiver melhor campanha nessa primeira fase recebe o troféu Supporters’ Shields.

Para a segunda fase, avançam 7 equipes de melhor campanha de cada conferência. Os dois primeiros de cada conferência vão direto para as semifinais de conferência, enquanto os classificados entre a terceira e a sexta colocações disputam uma fase extra com dois confrontos: 3º x 6º e 4º x 5º. Os jogos dessa fase, das semifinais e finais de conferência são disputados em partida única.

Na final, os campeões de cada conferência também se enfrentam em um jogo único, que recebe o nome de MLS Cup, disputado na casa da equipe de melhor campanha na primeira fase.

Todos os Campeões

  • 1996 – DC United
  • 1997 – DC United
  • 1998 – Chicago Fire
  • 1999 – DC United
  • 2000 – Kansas City Wizards
  • 2001 – San Jose Earthquakes
  • 2002 – Los Angeles Galaxy
  • 2003 – San Jose Earthquakes
  • 2004 – DC United
  • 2005 – Los Angeles Galaxy
  • 2006 – Houston Dynamo
  • 2007 – Houston Dynamo
  • 2008 – Columbus Crew
  • 2009 – Real Salt Lake
  • 2010 – Colorado Rapids
  • 2011 – Los Angeles Galaxy
  • 2012 – Los Angeles Galaxy
  • 2013 – Sporting Kansas City
  • 2014 – Los Angeles Galaxy
  • 2015 – Portland Timbers
  • 2016 – Seattle Sounders
  • 2017 – Toronto FC
  • 2018 – Atlanta United
  • 2019 – Seattle Sounders
LA Galaxy os maiores campeões da MLS Cup (Foto: Getty Images )

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter