A história de um “pequeno” gigante esquecido: o Mallorca de 90-2000

João Ricardo PedroMarço 24, 20195min0

A história de um “pequeno” gigante esquecido: o Mallorca de 90-2000

João Ricardo PedroMarço 24, 20195min0
Em 1996 surgiu entre as fileiras do futebol espanhol uma equipa que assustou a Europa... falamos do Mallorca que atravessou Cúper, Aragonés e Manzano!

A sétima e última promoção à primeira divisão espanhola. (96-97)

Sob o comando do técnico Victor Muñoz o Mallorca conseguiu a promoção ao principal escalão após uma vitória caseira diante do Villarreal por 2-0. Jogadores como Carlitos, Jovan Stanković, Kike e Olaizola foram os destaque desta temporada de glória. Também devemos destacar o nome do avançado romeno, Constantin Gâlcă, autor de 14 golos e foi considerado o melhor jogador estrangeiro da segunda divisão espanhola.

O reinado de Héctor Cúper (97 a 99)

Na temporada 97/98, conseguiram realizar a melhor época da sua história até então e já com Héctor Cúper no comando da equipa, substituiu Victor Muñoz que havia rumado ao Logroñés. Nesta temporada o Mallorca chegou à final da Taça do Rei e foi derrotado pelo FC Barcelona de Rivaldo, Sonny Anderson, Giovanni e Luís Figo no desempate por grandes penalidades e jogaram grande parte dos 120 minutos reduzido a nove jogadores.

Os “Bermellones” terminaram o campeonato espanhol na quinta posição, um lugar que dava acesso direto ás competições europeias. Nesse mesmo ano a equipa B do Mallorca garantiu a promoção à segunda divisão espanhola, uma grande geração de jogadores estava a despontar no clube, entre eles estavam os nomes de Diego Tristan e Albert Luque.

No dia 22 de Agosto de 1998, conseguiram o primeiro título nacional da sua história. Venceram o Barcelona na Supertaça de Espanha, no primeiro jogo derrotaram o Barcelona no Lluís Sitjar por 2-1, golos de Dani Garcia e Jovan Stanković, no jogo de volta em Camp Nou a sorte voltou a sorrir à equipa de Cúper e Dani Garcia voltou a marcar e o resultado foi de 1-0 favorável aos visitantes.

No Campeonato Espanhol tudo correu de feição ao Mallorca que terminou no terceiro lugar – a melhor posição da história na liga espanhola, apenas foram superados pelo Barcelona e Real Madrid, conseguindo assim um lugar na pré eliminatória da Liga dos Campeões mas inesperadamente foram eliminados na qualificação pelo Molde da Noruega (esse feito foi conseguido mais tarde, na temporada 2001-02).

O momento alto acabou por ser a chegada à final da Taça das Taças na temporada 1998-99, na meia final haviam eliminado o Chelsea com um agregado de 2-1, um empate do Stamford Bridge e uma vitória em casa com golo do argentino Leonardo Biagini valeram o bilhete para à final da última edição da Taça das Taças no Villa Park na cidade de Birmingham.

Pela frente tinham a poderosa Lazio, que nessa temporada havia lutado com o Milão pelo título italiano até à última jornada (na temporada seguinte conquistaram o Scudetto). Apesar do ditado dizer que as finais não se jogam mas sim ganham-se, impôs-se a lei do mais forte e o título foi para os italianos que venceram com golos de Christian Vieri e Pavel Nedvěd. Nesta final participaram o duo de portugueses que jogava na Lazio, Fernando Couto e Sérgio Conceição, ambos foram suplentes utilizados por Sven-Göran Eriksson.

No final da temporada Héctor Cúper abandona o Mallorca e segue para a cidade de Valência e consegue levar os “Murciélagos” ás finais da Liga dos Campeões em 2000 e 2001, ambas perdidas para o Real Madrid e Bayern Munique.

O grande mestre Cúper! (Foto: Panini)

Sob o comando de Luis Aragonés (2000 – 2001)

Após uma temporada pouco conseguida onde o Mallorca falhou o acesso à Liga dos Campeões e terminou a temporada na décima posição e na Taça UEFA não foi além dos quartos de final. Entrou para o comando técnico, o experiente Luis Aragonés que já havia orientado o Atlético Madrid com sucesso e o FC Barcelona.

Com a “raposa velha” do futebol espanhol o Mallorca voltou a terminar no terceiro lugar e bateu todos os seus recordes. Recorde de pontos, no total foram 71 pontos, de vitórias (20) e o menor número de derrotas apenas sete jogos perdidos.

No final da temporada  Aragonés decidiu não renovar e regressou ao comando técnico do Atlético de Madrid. Na época seguinte conseguiu finalmente chegar à Liga dos Campeões, mas a época foi uma verdadeira catástrofe, pelo comando da equipa passaram três treinadores e quase foi despromovido à segunda divisão espanhola, terminou no 16ª posição.

A vitória da Taça do Rei (2002-03)

Os dias de glória não demoraram a regressar à cidade de Mallorca. Já com o técnico Gregorio Manzano, e uma dupla de ataque absolutamente temível composta por Samuel Eto’o e Walter Pandiani que arrasou o Real Madrid dos galácticos nos quartos de final da taça com uma vitória por 4-0 no Estádio de Son Moix.

Na final jogada na localidade de Elche, o Mallorca foi para cima do Recreativo de Huelva e passou por cima da equipa da Andaluzia com um rolo compressor e como à terceira é de vez desta vez o título foi para as Ilhas Baleares com uma vitória por 3-0, um bis de Eto’o e um golo de Pandiani.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter