(Real) Madrid F.C. e a cidade na luta contra fascismo em 1936

João FreitasAbril 21, 20203min0

(Real) Madrid F.C. e a cidade na luta contra fascismo em 1936

João FreitasAbril 21, 20203min0
Madrid foi um dos palcos da Guerra Civil Espanhola e algumas personagens do Real Madrid estão profundamente ligadas a esta guerra. Fica a conhecer quem foram e o que lhes aconteceu no final

1936 marca o início do das hostilidades da Guerra Civil de Espanha, onde recém formada República Espanhola havia conseguido eleger democraticamente a Frente Popular, uma coligação de socialistas e comunistas. Porém, numa Europa onde os fascistas conquistavam o poder político (Alemanha, Itália, Portugal, etc.), a jovem república com cariz de esquerda sofreu desde muito cedo ataques à sua soberania.

A 17 de Julho de 1936, as forças conservadoras e fascistas arrancam a sua tentativa de golpe de Estado, que se tornaria numa Guerra Civil que duraria 3 anos. Esse golpe de Estado era dirigido pelo General Franco, que tomou a decisão de atacar Madrid logo em Novembro de 1936.

A deputada comunista basca, Dolores Ibárruri (conhecida como a “La Pasionaria”) proclama no parlamento espanhol as palavras de ordem que aglutinariam aos milhares comunistas, socialistas e anarquistas para a luta contra o fascismo: “Se é para viver de joelhos, prefiro morrer de pé! Não passarão!”.

O mote para a defesa da capital estava dado. O bairro operário de Vallecas – local do gigante Rayo Vallecano – foi o principal reduto dos milicianos antifascistas. Fizeram inclusivamente, questão de lá colocar uma faixa com as palavras da “Pasionaria”.

Mas o futebol participou ativamente na auto-organização da defesa da capital espanhola: Félix Quesada, defesa do Real Madrid F.C. – que na altura apenas se designava Madrid F.C. -, liderou com outros atletas a ocupação e expropriação das propriedades do clube, com o intuito de preparar a formação do “Batalhão Desportivo para Defesa de Madrid”. António Ortega, Presidente do Real Madrid era militante do Partido Comunista Espanhol e foi comandante do III Corpo do Exército republicano, tendo sido fuzilado no final do conflito.

Antonio Ortega (Foto: Wikipedia)

Os terrenos serviriam para aquartelar milicianos e fornecer preparação militar básica. Futebolistas, árbitros, boxeurs, ciclistas e outros atletas das mais diversas modalidades acorreram na luta heroica do povo espanhol. A sua ação foi decisiva para atrasar a entrada das forças fascistas na cidade, nomeadamente na defesa da zona de Chamartín.

A guerra civil espanhola, apesar do seu trágico desfecho, foi um dos mais belos momentos de internacionalismo pela defesa de um ideal democrático e inclusivo frente à barbárie, à opressão, ao racismo e à desigualdade. O nome de algumas brigadas milicianas o comprovam: Garibaldi, Thaelman, Louise Michel, Henri Barbusse, Comuna de Paris, etc. Onde grupos de pessoas com opções ideológicas diferenciadas, decidiram combater lado a lado, unidos pelo sentimento de solidariedade com o povo espanhol agredido pelo fascismo.

As proezas dos bravos atletas de Madrid e o seu esforço ecoa nos tempos que correm, com o Ultras Bukaneros do Rayo Vallecano a não permitirem que a sua bravura seja apagada da memória coletiva da sociedade espanhola.

Felix Quesada sobreviveu ao conflito, tendo abandonado momentaneamente o pais, mas regressado durante a segunda guerra mundial. Em 1951, foi selecionador espanhol. Atualmente, é recordado como um dos melhores defesas e “canteranos” (jogadores formados no clube), inclusivamente venceu uma bola de ouro da associação de jornalistas espanhóis no ano de 1926 – quando tinha apenas 24 anos de idade.

Uma tarja anti-fascismo da Guerra Civil Espanhola (Foto: Getty Images)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter