O Ressurgimento do Inter nas mãos de Antonio Conte

José Nuno QueirósOutubro 22, 20195min0

O Ressurgimento do Inter nas mãos de Antonio Conte

José Nuno QueirósOutubro 22, 20195min0
Depois de ter estado afastado da luta pelo título durante largos anos, o Inter parece ter voltado à elite do futebol italiano sob o controlo de Antonio Conte. Mas afinal o que mudou o treinador italiano?

O Inter de Milão parece estar de volta ao convívio a sério entre os grandes da Serie A, sendo nesta altura, o grande rival e principal ameaça a uma nova revalidação do título pela Juventus.

Mas no entanto qual foi a mudança feita no clube para passar de apenas um clube de topo da Serie A a candidato ao título em apenas uma temporada?

Antonio Conte e a sua mudança tática no Inter

A principal mudança nesta temporada foi a contratação de Antonio Conte, um técnico italiano e com experiência ganhadora ao ter sido campeão pela Juventus e pelo Chelsea.

Esta mudança de mentalidade e aposta num treinador vencedor e com provas dadas é um grande passo para o ressurgimento do Inter na luta pelo título.

A juntar a isto tudo Conte trouxe consigo a sua formação de 3 defesas, num 3x5x2 que se desdobra num 3x4x3. Desta forma Conte ganhou presença na frente ao apostar em laterais subidos que desempenham ao mesmo tempo a função de extremos, tudo isto sem perder consistência defensiva, uma vez que monta um 5x3x2 em transição defensiva.

Conte parece ter reformulado o futebol do Inter (Fonte: Superesportes)

O reforço da zona central do terreno traz também uma solução interessante do ponto de vista da posse de bola, uma vez que consegue facilmente criar superioridade em qualquer posição do terreno tendo sempre três ou mais jogadores ao redor da bola a dar soluções de passe, ao mesmo tempo que garante sempre a presença de, pelo menos, os dois avançados em zonas de finalização, algo que dificulta extremamente a marcação.

A importância dos reforços ajustados ao modelo da equipa

O Inter foi uma das equipas mais inteligentes na movimentação no mercado de transferências. Conte desde a sua chegada que tinha bem definido o modelo de jogo que queria implementar e mostrou um conhecimento profundo do plantel.

Começando pelas peças que saíram do clube de Milão há que destacar a “limpeza” feita em jogadores que não contavam para o plantel do Inter, mas que conseguiram rechear os cofres e permitir a entrada de verdadeiros reforços. Foram praticamente 45M ganhos com jogadores que estavam a mais no clube.

Das principais peças do clube, apenas duas saíram, falo pois de Icardi e Perisic. Se no primeiro a sua saída era óbvia e necessária para “limpar” o balneário de más influências, a segunda assenta numa estratégia clara de renovação do plantel, realizando ainda dinheiro com um bom jogador, mas que leva já 30 anos.

No que a entradas diz respeito, Conte teve como grande reforço no Inter, a estrela belga, Romelu Lukaku. O internacional belga estava desaproveitado no Manchester United e a sua qualidade já era posta em causa. No entanto, era facilmente perceptível que a qualidade continuava toda lá.

Lukaku parece disposto a provar todo o seu valor em Milão (Fonte: Sky Sports)

Lukaku e Lautaro parecem entender-se às mil maravilhas com o atacante móvel argentino a beneficiar de maior liberdade, ao passo que o possante belga “engana” os defesas parecendo um avançado mais fixo, quando na realidade é também ele um jogador rapidíssimo e com enorme capacidade de drible, apesar da sua estrutura mais possante.

Como se não fosse suficiente, o Inter de Antonio Conte quis também fazer renascer outro talento escondido em Old Trafford e trouxe Alexis Sanchez por empréstimo para ter uma nova vida em Milão, sendo neste momento a alternativa número um à dupla atacante, tendo correspondido de forma exemplar quase sempre que foi chamado.

Para finalizar o 11 titular, Conte precisava de um terceiro central e de dois médios. Tendo aproveitou da melhor maneira a “dispensa” de Godin do Atlético de Madrid para colocar em campo a experiência de um dos melhores centrais dos últimos anos no mundo do futebol, o técnico resolveu um problema. Ao mesmo tempo que não deixou escapar o jovem talento do Sassuolo Sensi e Barella do Cagliari, resolvendo a questão com dois empréstimos e juntado a juventude à experiência de Brozovic.

A partir daqui foi só compensar as perdas para compor o plantel de modo a deixá-lo competitivo e equilibrado, como provam os dois reforços para a ala direita deixada em aberto por Perisic, Lazaro e Politano.

Alexis Sanchez parece disposto a vingar em Milão. (Fonte: The Sun)

Este Inter tornou-se assim um alvo a ser levado mais a sério pela Juventus que percebe que a concorrência esta novamente a acordar e que já não é apenas o Nápoles que tenta opor-se e quebrar a sequência imparável de títulos na Serie A.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter