Mundial da Rússia 2018: Kevin De Bruyne, o maestro Belga

João NegreiraMaio 13, 20183min0

Mundial da Rússia 2018: Kevin De Bruyne, o maestro Belga

João NegreiraMaio 13, 20183min0
Na luta com a Inglaterra, pela liderança do grupo G está a Bélgica, que conta com o mago, Kevin De Bruyne para comandar o meio-campo e, iniciar com bastante qualidade as ações ofensivas.

KEVIN DE BRUYNE (MANCHESTER CITY)

Idade: 26
Clube: Manchester City (Inglaterra)
Posição: Médio-centro
Internacionalizações/golos: 59/14
Conquista mais importante na carreira: Campeonato inglês em 2017/2018
Avaliação de qualidade: 4,5 em 5 estrelas

Kevin De Bruyne foi um dos destaques esta temporada no Manchester City. Foi peça fundamental no meio-campo de Guardiola, conseguindo controlá-lo e ao mesmo tempo fazer os outros jogar. Numa miscelânea de visão de jogo e qualidade de passe, o belga consegue encher os olhos de qualquer espectador.

Numa seleção cheia de estrelas como Eden Hazard, Romelu Lukaku, Vicent Kompany, Thibaut Courtois, Mousa Dembelé, Yannick Carrasco, Michy Batshuayi ou Dries Mertens, a Bélgica é uma força em crescimento e que pode muito bem chegar longe. De referir, que por entre todos estes nomes, optámos por De Bruyne pela fantástica época que fez.

Em boa verdade, a Bélgica, apesar de todos estes nomes de referência, não tem conseguido concretizar e o máximo que conseguiu em Mundiais foi mesmo uma meia-final, em 1986, quando alguns destes jogadores nem eram nascidos.

O que é relevante dizer, é que por muitas individualidades que uma equipa tenha, sem entrosamento e união, de nada vale as primeiras valências. Contudo, estaremos nós a poder ver um renascimento da Bélgica agora que esta fornada já está mais experiente e madura?

De mencionar que seleção dos Diabos Vermelhos esteve ausente de 3 Mundiais seguidos, entre 2002 e 2014, o 1º torneio de De Bruyne. E parece que é aí que esta seleção renasce. Estes jogadores começam a nascer no futebol europeu e a Bélgica começa a aparecer nos grandes palcos e com grandes nomes em campo.

E a grande expectativa para este Campeonato do Mundo, advém, principalmente, pela fantástica campanha que fizeram na qualificação. De Bruyne esteve presente em 7 encontros e marcou apenas 1 golo e talvez no início ainda não fosse uma peça tão importante na equipa, ou simplesmente, outros jogadores estavam em melhor forma. Mas no final, ou seja nesta temporada, o médio já teve mais presente e é aí que se destaca.

Referir também que a Bélgica somou 9 vitórias e 1 empate nos 10 jogos de qualificação, dizimando os adversários, alcançando uma fantástica marca de 43 golos; qualquer coisa como 4,3 golos por jogo.

Aliás, as estatísticas do jogador do Manchester City são fenomenais, ora vejamos: 52 jogos, 12 golos e 15 assistências e mais de 4000 minutos. Não está ao alcance de todos conseguir manter estes números, numa carga de jogos e minutos impressionantes. Dizer até que uma das grandes valências do médio é a sua capacidade de resistência, onde muitas vezes, nesta época, com 80 minutos nas pernas, ainda conseguia mexer com o jogo ou pressionar intensivamente.

Na Rússia, os belgas poderão contar com De Bruyne na sua melhor forma depois da incrível temporada que fez. Seja com belíssimas assistências ou mesmo com passes de nos deixar boquiabertos, ou até numa ajuda fenomenal a ligar a defesa e o ataque, o jogador será crucial nesta equipa que pode surpreender.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter