Momento Mundial 2018: Courtois nega a Bola de Ouro a Neymar

Francisco IsaacJulho 7, 20182min1

Momento Mundial 2018: Courtois nega a Bola de Ouro a Neymar

Francisco IsaacJulho 7, 20182min1
Uma palmada delicada mas estrondosa pôs fim ao sonho do Brasil em chegar às meias-finais e de Neymar conseguir o desejo de intervir na luta Messi e Ronaldo

Os artigos Momento Mundial 2018 são peças curtas e rápidas, mas com alguma análise e apontamentos para os vermos de outra forma! Da 1ª ronda até à final desta prova vamos ter sempre momentos para mais tarde recordar!

PUT YOUR HAND IN THE AIR, PUT YOUR HAND IN THE AIR COURTOIS!

Ponto final na “conversa”, Neymar Jr. não será nem o novo vencedor da Bola de Ouro (ou The Best) assim como não vai continuar a rebolar pelos relvados russos fora. Em abono da verdade, o criativo brasileiro foi alvo de faltas bastante duras e agressivas durante o Mundial mas os seus exageros nas queixas tiraram algum do impacto a essas malvadezas.

Voltando ao tema, Neymar Jr. não vai conseguir ombrear com Lionel Messi e Cristiano Ronaldo pelos prémios da FIFA e do L’Équipe e Thibault Courtois tem bastante culpa no “cartório”. Porquê? Um par de defesas monumentais do belga puseram um entrave aos desejos canarinhos de conseguirem dar volta a um resultado que desde cedo foi desfavorável.

O último remate de Neymar Jr. foi estrondoso, com um tiro bem projectado que tinha um único destino final: o fundo das redes da Bélgica. É um daqueles momentos em que o autor do golo rapidamente se eleva a herói e fica para sempre na História dos Mundiais. Porém, Courtois decidiu que ia ser ele a ficar nos pergaminhos desta prova que está a ser inesquecível pelos seus golos (e auto-golos), defesas, jogadas fenomenais (Kevin de Bruyne agigantou-se contra o Brasil, boa altura para aparecer) e outros detalhes deliciosos.

Aos 90+2 chega assim esse remate que Courtois ampara com um toque soberbo que deixou todo o público em suspenso. Mas como é que o guardião do Chelsea fez aquilo? De notar que o belga vai corrigindo o seu posicionamento a cada movimento que passa, recuando e, principalmente, sempre aos saltos como se estava a preparar para dar um salto final soberbo.

A postura e intensidade que Courtois se impôs naquele espaço de tempo foi fundamental para conseguir reagir a um remate violento que pôs um final aos sonhos canarinhos em chegar ao hexa. Por outro lado, a Bélgica chegava às meias-finais pela 2ª vez na sua História, melhorando o registo alcançado em 2014 (quartos-de-final) e com mais uma exibição confiante, apaixonada e intensa.

A mão-cheia de Thibault Courtois foi uma chapada de luva branca aos jogadores do Brasil, que só no final do encontro conseguiram marcar um golo… o próprio guardião deixou algumas farpas,

“Os brasileiros já pensavam que já estavam na final do Mundial…”

O que uma defesa vale? Tudo. Que o diga Courtois…


One comment

  • ricardonask

    Julho 10, 2018 at 7:00 pm

    Esse chute iria – com sorte – pegar a trave. No máximo…

    Reply

Responder a ricardonask Cancelar resposta


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter