Serie A: A outsider Juventus que joga noutro campeonato

José Nuno QueirósOutubro 18, 20185min0

Serie A: A outsider Juventus que joga noutro campeonato

José Nuno QueirósOutubro 18, 20185min0
Todos os anos a conversa se repete na Serie A. Existe a Juventus e depois os outros clubes que lutam para ver quem é o melhor a seguir ao clube estratosférico. Sem a rivalidade de outros tempos a Serie A parece ter sempre vencedor garantido. E este ano não deve ser excepção.

Praticamente ninguém duvidava que a Juventus ia repetir o feito dos últimos 7 anos e conseguir o inédito 8º título de forma consecutiva na Serie A.

É certo que ainda vamos em Outubro e no futebol tudo é possível, mas esta Juventus com a adição da dupla portuguesa Ronaldo/Cancelo parece imbatível, pelo menos a nível interno, onde soma por vitórias os 8 jogos realizados, incluindo uma vitória sobre o principal rival, o Nápoles (que já se encontra a 6 pontos do campeão).

Com o melhor ataque e a segunda melhor defesa da liga, as únicas dúvidas são saber até quando a Juventus será capaz de manter este registo 100% vitorioso e quais serão os números avassaladores com que a equipa vai terminar a época.

Com um plantel claramente acima dos restantes na liga italiana, a Juventus parece ter claramente todas as atenções viradas para a Liga dos Campeões, que tantas vezes escorregou no passado. Com jogadores, habitualmente suplentes, como Cuadrado, Can ou Bernardeschi, fica bem provada a teoria da super equipa que mora em Turim.

Bernardeschi não é titular, mas tem feito a diferença quando salta do banco! (Fonte: Juventus)

Numa análise mais detalhada a este plantel, há algumas notas a tirar. A começar pela baliza onde Perin não conseguiu mostrar mais que o colega polaco e permitiu a Szczesny ser o titular da equipa, e pelo que vimos não será fácil tirar-lhe o lugar.

Na defesa Allegri, manteve a solidez italiana da dupla Chiellini e Bonucci (regressado esta época), que tanto sucesso teve na última década, apoiados por dois laterais bastante ofensivos e que já passaram por Portugal. Falo pois de João Cancelo e Alex Sandro, sendo que o português é a novidade em relação à época passada e para já tem encantado os adeptos do futebol italiano e em particular os da Vecchia Signora.

Num meio campo a três, o destaque vai para Betancur que está a exibir-se a um nível extraordinário neste início de época e que já tinha demonstrado no último campeonato do Mundo, para prejuízo da nossa seleção. Fortíssimo na transição rápida e com cada vez mais capacidade física o médio uruguaio promete ser uma das sensações da liga italiana.

Betancur já tinha feito um grande jogo frente a Portugal na Rússia. (Fonte: Ecos)

Apoiado por dois velhos conhecidos, como Matuidi que atua como homem mais recuado e primeiro construtor de jogo da equipa na primeira fase, e por Pjanic, o bósnio que não sabe tratar mal a bola, obrigando todo o jogo a passar por si, e ainda tem uma apetência para lances de bola parada, onde chega mesmo a ser decisivo, como se viu na ausência de Ronaldo frente ao Valência na Champions League.

Na frente o nome de Dybala continua em grande destaque, mesmo tendo perdido algum protagonismo com a chegada de Ronaldo (viu-se uma grande diferença no jogo contra o Young Boys sem Ronaldo). Com o português em campo, Dybala é “obrigado” a recuar mais no terreno e a servir mais como o número 10 que carrega nas costas, perdendo a oportunidade de aparecer em zonas de finalização como aparecia no passado, mas mostrando cada vez mais maturidade na maneira como percebe o jogo desde trás. Acima de tudo é de destacar a classe que Dybala teve para aceitar a perda de algum protagonismo em prol do bem maior da equipa.

Os homens mais avançados são Mandzukic e Cristiano Ronaldo, e são eles os responsáveis por 8 dos dos 18 golos da equipa na liga italiana. Se juntarmos o tento de Dybala, os 3 homens da frente perfazem 50% da capacidade goleadora da equipa, bem ao estilo do que qualquer treinador pretende: Uma equipa que faz golo com qualquer dos jogadores da frente de ataque.

8 golos na liga levam já estes dois jogadores, que prometem muitos mais golos. (Fonte: Goal)

Ronaldo ainda não colocou em campo aquele jogador endiabrado que faz golos de todos os lados, mas temos vindo um Ronaldo em crescendo ao longo do início de época, e quando o tema é Ronaldo, só podemos esperar muitos e muitos golos.

Com o avanço que já levam e com a qualidade que o plantel possui o campeonato será uma certeza desde que os jogos sejam encarados com responsabilidade, pelo que o principal desafio de Allegri será preparar a equipa para a europa.

Com a passagem para os oitavos de final bem encaminhada com 6 pontos em 6 possíveis, a dupla jornada com o Manchester United será decisiva, não só na passagem, mas também na garantia do primeiro lugar, que pode ser importante no sorteio dos oitavos de final.

Resta saber se a Juventus vai mesmo conseguir a Champions League, e se Ronaldo se vai mostrar como a peça que falta para atingir esse mesmo objetivo.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter