O presente e o futuro estão garantidos nas terras de Sua Majestade

Pedro SousaDezembro 1, 20185min0

O presente e o futuro estão garantidos nas terras de Sua Majestade

Pedro SousaDezembro 1, 20185min0
A seleção inglesa tem muito potencial nas suas fileiras. Adrian Boothroyd é um homem sortudo por ter “boas dores de cabeça” quando faz uma convocatória!

Pedro Sousa é autor do projeto Bola na Relva e colaborador do Fair Play!


Jürgen Klopp, numa conferência de imprensa, destacou a quantidade e a qualidade que a seleção inglesa vai ter no futuro próximo. O treinador alemão mostrou-se entusiasmado com o potencial da seleção de sub-21 dos Três Leões. Klopp foi mais longe e afirmou que a seleção jovem britânica pode ser a “melhor de todos os tempos”. E tem razão.

A Inglaterra tem, no seu arsenal, jovens jogadores com qualidade para levar a seleção de sub-21 longe no próximo europeu da categoria. Qualificados para o campeonato da Europa com um percurso quase imaculado, a seleção inglesa não jogou com as fichas todas. Imaginem se, no próximo verão, o selecionador de sub-21 inglês convocar nomes como Dele Alli, Alexander Arnold, Joe Gomez, etc, etc. Não vai acontecer porque, nesse verão, a seleção principal de Inglaterra vai disputar a Liga das Nações e muitos desses jogadores são habituais de Gareth Southgate.

Klopp sabe da qualidade que existe em Inglaterra (Foto: The Irish Times)

A fornada de jovens jogadores está aí a rebentar e o Brexit veio na melhor altura

As camadas jovens, nomeadamente em 2017, apresentaram resultados muito para lá das expectativas. Aos títulos conquistados no Mundial sub-20, no Euro sub-19 e no Mundial sub-17 somam-se a presença na final do Euro sub-17, no qual perderam frente à seleção espanhola. Na categoria sub-21 chegaram até às meias finais, onde foram derrotados pela campeã Espanha. Já neste ano, no torneio de Toulon, a seleção de Sua Majestade conquistou o torneio.

Nesta fase de evolução dos jovens jogadores os títulos são importantes, mas o que mais importa é a fornada de jogadores que está aí. Vários são os craques ingleses que estão a despontar. Os emblemas têm em mão muito talento para usar. Será que são capazes de os colocar a jogar e de aumentar o seu valor? No panorama em que anda o futebol inglês, os clubes vão ter de olhar seriamente para a “prata da casa”.

Uma geração cheia de títulos (Foto: UEFA)

O Brexit vai limitar as vagas para estrangeiros nos plantéis. Nesta fase, poucos clubes cumprem os requisitos. São apenas 12 jogadores de nacionalidade não britânica que podem fazer parte do plantel. Isto leva a uma aposta em jogadores ingleses. E há qualidade. Há muita qualidade. Pegando nas seleções mais jovens, podemos ver que a seleção que se prepara para jogar no Euro 2019 de sub-21 tem potencial. Eu concordo com Jürgen Klopp. Se chamar toda a gente disponível e elegível, o selecionador inglês tem nas suas mãos muito talento e, talvez, a melhor seleção de sub-21 de todos os tempos.

De Alexander Arnold até Marcus Rashford: A qualidade atravessa o campo todo

Se pensarmos numa lista de 23 jogadores para disputar o Euro 2019 de sub-21, olhamos para a lista e ficamos de olhos a brilhar e só queremos ser o selecionador inglês, para poder treinar tanto jogador de qualidade. Vou começar a juntar os nomes.

Para defender as redes das balizas inglesas, temos dificuldade em encontrar jogadores de qualidade. Aqui é a principal brecha da seleção. Angus Gunn é o homem titular, mas só realizou três jogos pelo Southampton esta temporada. Depois, Freddie Woodman e Dean Henderson são os homens para completar as vagas. Agora, a qualidade sobe em flecha. Na lateral direita, temos o defesa do Liverpool. Trent Alexander Arnold já é de classe mundial. Aaron Bissaka é um bom suplente para Arnold. Ben Chilwell e Ryan Sessegnon competem pelo lugar à esquerda. Contudo, o jogador do Leicester parte na frente, pois já é internacional pela seleção principal. No centro da defesa temos outro jogador da formação de Liverpool. Joe Gomez é habitual escolha de Southgate. O central direito pode ter a seu lado Mason Holgate. Para serem suplentes destes dois jogadores, Dael Fry e Axel Tuanzebe são boas segundas escolhas.

Alexander Arnold é uma das caras desta nova fornada de talento (Foto: The Anfield Wrap)

Se na retaguarda o potencial já é enorme, o que podemos dizer das opções para o centro do terreno? Aqui, Dele Alli, Harry Winks, Loftus-Cheek, James Maddison, Tom Davies, Lewis Cook e Phil Foden são os homens que podiam jogar no próximo Euro de sub-21. Muitos já são internacionais pela seleção principal e marcarão presença na Liga das Nações. Mas, caso de não sigam para Portugal, podem fazer a viajem até Itália e São Marino para disputarem o Euro 2019 de sub-21.

Na frente de ataque, Jadon Sancho, Marcus Rashford, Dominic Solanke, Demarai Gray e Tammy Abraham são os homens que estão mais perto do golo. Uma constelação de estrelas que o selecionador de sub-21 pode ter no seu arsenal. Não vai ter todos, mas, mesmo assim, há qualidade que chegue para fazer mais um brilharete.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter