Liverpool FC despede-se de Melwood após 70 anos de muitas histórias

Pedro SousaNovembro 20, 20204min0

Liverpool FC despede-se de Melwood após 70 anos de muitas histórias

Pedro SousaNovembro 20, 20204min0
O Liverpool deixa o mítico Melwood depois de 70 e muitos craques lá "criados". O Pedro Sousa do Bola na Relva conta-nos algumas dessas histórias e dessas personalidades! Vê tudo aqui!

Pedro Sousa é autor do projeto Bola na Relva e colaborador do Fair Play!


Chegou ao fim 70 anos de história. O Liverpool FC abandonou o centro de treinos em Melwood e mudou-se para Kirkby. O AXA Training Centre vai ser a nova casa dos jogadores dos Reds. Moderno e com mais capacidade para acompanhar a evolução do clube e do futebol, as novas instalações já estão a ser usadas pelos atletas do emblema de Merseyside. Contudo, Melwood deixou um legado pesado.

Bill Shankly fez de Melwood um “Mini Wembley”

Melwood foi a casa do Liverpool durante 70 anos. Gerações de jogadores passaram por lá e há um sentimento de tristeza por abandonar um lugar mítico. Porém, foi preciso ser Bill Shankly a dar o passo em frente. Antes da construção, os treinos do clube inglês eram realizados em Anfield. Depois houve a mudança para Melwood para preservar o relvado do estádio para as partidas oficiais.

Bill Shankly foi um dos principais impulsionadores de Melwood (Foto: Liverpool FC)

O antigo centro de treinos dos Reds foi construído no ano de 1950, mas foi a chegada do treinador inglês, em 1959, que impulsionou o local de treinos do Liverpool FC para outro nível. A primeira impressão de Bill Shankly não foi a melhor. Segundo o mítico técnico, um dos campos do centro de treinos estava tão esburacado, que parecia que tinham explodido bombas no relvado.

Por isso, Shankly colocou mãos à obra. Ordenou a reconstrução de um pavilhão, equipando-o com um banho de sauna e outras acomodações mais adequadas. Para além disso, transformou o campo principal, que estava em condições apenas no centro do terreno, num campo de futebol cinco. Com isso, Bill Shankly queria melhorar o toque de bola e receção dos seus atletas.

No entanto, essa não foi a sua melhor invenção. A implementação de tabuleiros de madeira, com números pintados de 1 a 6, serviram para os jogadores afinarem a pontaria e foi visto como uma das principais razões para o sucesso da equipa durante a sua vigência. Mudanças que levaram a adjetivar Melwood como sendo o “Mini Wembley”. O espírito ganhador de Shankly e as mudanças que implementou em Melwood tornaram o local mítico.

Melwood vai deixar saudades

Após o legado de Bill Shankly e Bob Paisley, houve várias gerações de jogadores e treinadores que passaram por Melwood. A última a passar pelo complexo de treinos é a geração de Jurgen Klopp. As estrelas como Salah, Mané, Firmino, Henderson, Alexander Arnold, entre outros, foram as últimas a passar pelos terrenos de Melwood. Kenny Dalglish, Jonh Barnes, Steven Gerrard e Jordan Henderson são outras joias da coroa que passaram por Melwood e fizeram questão de deixar uma mensagem de despedida.

Sir Kenny Dalglish, num post na sua conta de Twitter, mostrou-se “triste” pelo facto de o Liverpool nunca mais treinar em Melwood, mas frisou que “as memórias do antigo centro de treinos estarão sempre presentes”. A lenda do clube, no entanto, garantiu que as instalações em Kirkby são “fenomenais”, esperando que “tragam o mesmo sucesso que Melwood trouxe”.

Já Jurgen Klopp, último treinador a liderar uma equipa em Melwood, falou numa “mistura de emoções”. “Estou contente por ir para Kirkby, mas triste por deixar Melwood”, frisou o técnico.

Uma das principais figuras de sempre de Melwood (Foto: Football Talk)

A mudança para o AXA Training Centre acontece porque Melwood não podia crescer mais. O antigo centro de treinos foi comprado por uma empresa de construção, sendo que o novo complexo de treinos custou cerca de 66 milhões de euros.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter