Gigante Adormecido ou Morto: Sunderland, um Gigante Perdido

João NegreiraAbril 27, 20193min0

Gigante Adormecido ou Morto: Sunderland, um Gigante Perdido

João NegreiraAbril 27, 20193min0
Em mais um episódio da rubrica, Gigante Adormecido ou Morto olhamos para o caso do Sunderland, um histórico inglês que desceu da ribalta da Premier League para o 3º escalão, em dois anos seguidos.

No nordeste de Inglaterra mora uma das mais carismáticas equipas do futebol britânico. Com um grande palmarés e uma massa adepta frenética, o Sunderland acabou por descer de divisão 2 épocas consecutivas e encontra-se agora no 3º escalão inglês.

“Sunderland ‘Til I Die”, uma forma de viver

O documentário da Netflix “Sunderland ‘Til I Die” mostra-nos que o Sunderland é um clube dos adeptos. É talvez uma das melhores demonstrações de associativismo que temos hoje no futebol moderno. A cidade, composta por uma grande classe trabalhadora, tem uma grande paixão pelo futebol, em que o principal tema de conversa é o Sunderland.

Acompanhados pela fé, os adeptos sentem que uma coisa leva à outra. Consideram que o Sunderland também é a sua religião e isso comprova-se quando o seu quotidiano é influenciado pelos resultados da equipa.

Com o grande amor pelo clube, os adeptos são também muito rígidos, colocando muita pressão à equipa. Algo natural, estando num restrito lote de clubes vencedores da Premier League. E os black cats conseguiram fazê-lo por 6 vezes!

6 Premier League’s, 2 FA Cup’s e mais alguns campeonatos de divisões secundárias, fazem do Sunderland um clube com história por Inglaterra. Juntando isso aos seus fervorosos adeptos, podemos julgá-los como um gigante.

Os adeptos consideram que a conquista da FA Cup em 1973 foi um dos melhores momentos da história do clube, vencendo o Leeds United por 1-0.

Habituados, assim, a estar na Premier League, a equipa do nordeste ficou de rastos, quando, após 10 épocas seguidas na Premier League, foram despromovidos em 2016/2017.

E é na temporada 2017/2018 que a série documental acompanha o clube, presenciando uma das suas piores épocas, ficando quase 1 ano sem vencer um jogo em casa, descendo outra vez de divisão.

O documentário retrata muito bem aquilo que é o Sunderland e quem vive o Sunderland. Mostra-nos um clube muito mal gerido, onde o dono estava muito longe, perdendo o interesse sobre o mesmo, quando começaram a cair.

Por outro lado, os sempre fiéis adeptos, são retratados assim mesmo, como fervorosos, devotos e autênticos. Como alguém que trabalha, para no fim de semana, ir ver o seu Sunderland. Com esta ideia, percebemos bem aquilo que é o Sunderland… um histórico que anda perdido.

A série documental que acompanhou a temporada 2017/2018 do Sunderland. (Foto: Medium.com)

Que futuro para este grande clube?

Nesta temporada estão, então no 3º escalão inglês, a League One, onde comandados por Jack Ross, encontram-se em 4º lugar.

A grande parte da equipa saiu, mas o núcleo duro ficou. Bryan Oviedo, Lee Cattermole, Aiden McGeady e George Honeyman são algumas das peças fundamentais para os black cats, que estão à beira de conseguir voltar à 2ª divisão inglesa.

Josh Maja, que foi vendido em janeiro ao Bordéus por 1,7M€ era um jovem da formação do Sunderland, que esta temporada era o melhor marcador da equipa. Terá sido esta mais uma prova de má gestão?

Agora com um novo dono e uma nova gestão, questiona-se se o Sunderland vai conseguir renascer e voltar aos grandes palcos. Por agora, espera-se que consigam a subida para o Championship, mas conseguirão voltar à Premier?

Será Jack Ross, o homem certo para levar o Sunderland de volta aos grandes palcos? (Foto: The Mirror)

A pergunta que fazemos, é a mesma de sempre: estará o Gigante Adormecido ou Morto?


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter