Quando o incrível Dínamo Tbilisi “assombrou” a Europa em 1981


Quando o incrível Dínamo Tbilisi “assombrou” a Europa em 1981

A URSS teve a sua franca quantidade de grandes e espectaculares equipas e neste artigo contamos quem foi o Dínamo Tbilisi dos anos 80! Sabes do poderio desta formação georgiana?

Atualmente este Dinamo da Georgia tem pouca importância na competições europeias, é o 218ª classificado no Ranking da UEFA. Mas na realidade este clube da cidade de Tiblisi ostenta um título europeu, sim é verdade, foi o vencedor da Taça dos Vencedores das Taças em 1981.

Neste artigo vamos relembrar a equipa da região Cáucaso que no final da década de 70 ganhou lugar de destaque no futebol soviético quando conseguiu conquistar o Campeonato da União Soviética em 1979 e venceu a Taça Soviética também em 1976 e 1979, e mais tarde alcançou a glória europeia quando venceu uma competição europeia.

A primeira aventura dos georgianos nas provas europeias começou quando disputou a Taça UEFA 72/73, enfrentou o Twente da Holanda mas apesar de ter ganho o primeiro jogo em Tbilisi por 3-2, na Holanda o Twente conseguiu  anular a vantagem e venceu por 2-0.

Em 1973, o Dinamo mostrou-se pela primeira vez ao Mundo do futebol, venceu a Troféu Caravela. Na meia final derrotou o Atlético de Madrid nas grandes penalidades e depois na final surpreendeu os portugueses do Benfica e venceu a partida por três bolas a uma, neste torneio o mundo ficou a conhecer o talento de David Kipiani, médio centro de qualidade inegável e considerado por todos o maior talento da história do futebol na atual Geórgia. Foi eleito melhor jogador da liga nacional da União Soviética em 1977.

Nodar Akhalkatsi, o técnico responsável pelo sucesso do Dinamo Tbilisi chega ao clube em 1976 sob o seu comando o Dinamo construiu uma equipa de jogadores georgianos de grande talento que também representaram a seleção soviética como é o caso de David Kipiani, Ramaz Shengelia, Vitaly Daraselia, Tengiz Sulakvelidze e Alexander Chivadze. Esta equipa que brilhou entre 1976 e 1982 ficou conhecida pelo seu estilo de jogo técnico, rápido e móvel e valeu-lhes a alcunha da “Grande Equipa”.

Na primeira época sob o comando de Nodar Akhalkatsi, o clube venceu a Taça da União Soviética, na final derrotou os vizinhos do Cáucaso, os arménios do Ararat Yerevan por 3-0. Em 1978, o clube conquista o seu segundo título soviético, o primeiro havia sido conquistado em 1964. Torna-se vencedor com uma vantagem confortável sobre o Dinamo Kiev, o clube com o maior sucesso na história do futebol soviético.

No ataque brilhou Ramaz Shengelia, foi o melhor marcador da equipa com 15 golos marcados.

Na Taça dos Clubes Campeões Europeus, o Dinamo Tbilisi surpreendeu toda a Europa quando conseguiu reverter uma desvantagem de 2-1 que trazia de Anfield Road e em casa derrotou o Liverpool por 3-0, na época em que o clube inglês estava a iniciar a sua fase de domínio na Taça dos Campeões Europeus. Na fase seguinte o campeão soviético não conseguiu superar o Hamburgo, o campeão alemão, mas deixou uma boa muito boa imagem nesta edição da Taça dos Campeões Europeus.

Na época de 1979, os georgianos voltam a alcançar a glória nacional quando conseguiram vencer a Taça Soviética, na final derrotaram o Dínamo Moscovo nas grandes penalidades após um empate a zero. Esta conquistou permitiu a entrada na Taça dos Vencedores das Taças de 80/81, o principal momento de glória na história do clube da cidade Tbilisi.

No caminho até à final, o Dínamo eliminou o Kastoria da Grécia, Waterford United da Irlanda, o West Ham United com uma vitória por 1-4 em Inglaterra, na meia final derrotou o Feyenoord da Holanda com uma vitória categórica por 3-0 em Tbilisi.

Na final enfrentou o representante da República Democrática Alemã, o Carl Zeiss Jena, ironicamente esta final exclusiva do Bloco de Leste foi jogada na cidade de Dusseldorf na República Democrática Alemã, foi uma das finais europeias com pior assistência na história, pouco menos de 5 mil pessoas estiveram no estádio.

No relvado, os georgianos superiorizaram-se aos alemães orientais e recuperam de uma desvantagem de um golo e venceram por dois golos. Vladimir Gutsaev marcou o golo do empate e Vitaly Daraselia a três minutos do final marcou o golo da vitória soviética.

O Dínamo Tbilisi tornou-se a segundo clube soviético a vencer uma prova europeia, apenas o Dínamo Kiev havia ganho provas europeias, em 1975 venceu a Taça dos Vencedores também numa final entre clubes do Bloco de Leste, na final derrotou o Ferencvaros por 3-0, e voltou a vencer a mesma prova em 1986 novamente um 3-0 desta vez contra o Atlético de Madrid.

Em 1983, o clube entrou em crise e nunca mais voltou a vencer competições nacionais e apenas por mais uma vez desde então até a dissolução da União Soviética voltou a jogar nas competições europeias.

No dia 27 de Outubro de 1989, o Dínamo Tbilisi fez o último jogo no Campeonato da URSS, despediu-se da competição com um empate a dois golos contra o Dínamo Kiev.

No ano seguinte a Federação Georgiana de Futebol recusou-se a participar no futebol soviético e cria o seu próprio campeonato nacional. No dia 30 de Março o Dínamo Tbilisi estreia-se na competição nacional, mas desta vez com um novo nome, o Ibéria Tbilisi.

O clube mudou de nome numa tentativa de apagar o passado soviético mas como aconteceu em outros locais do Bloco de Leste, os adeptos ficaram descontentes com esta decisão e exigiram que o clube voltasse ao nome antigo, e em 1992 o clube volta ao seu nome origem de Dínamo Tbilisi.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter