O futuro próximo de José Peseiro já está traçado

José DuarteOutubro 9, 20185min0

O futuro próximo de José Peseiro já está traçado

José DuarteOutubro 9, 20185min0
Uma derrota em Portimão pode ou não comprometer o treinador? E quando se deve proceder a uma suposta troca? O futuro próximo de José Peseiro sob análise

A continuar o actual nível de futebol praticado pelo Sporting afigura-se penoso o percurso até à paragem de inverno. Esse seria o momento pressentido por todos como o objectivo a atingir ainda com as ambições incólumes, no sentido de resolver os problemas de escassez de qualidade no plantel fora do âmbito dos que se entendem ser os titulares naturais.

Esses problemas foram rapidamente inflacionados pelas lesões prolongadas de Mathieu e Bas Dost. O francês estava a ser o mais esclarecido dos elementos do último reduto não apenas a defender, mas também no momento de sair a jogar. Bas Dost é “só” o jogador mais concretizador do Sporting dos últimos anos e cujo acerto foi responsável pela conquista de muitos pontos. Percebeu-se no momento da sua saída o quanto o jogo da equipa estava montado em função da sua presença e a dificuldade desta em ajustar para fazer face à sua ausência.

A exibição na remota Ucrânia, ante um rudimentar Poltava, foi de tal forma comprometedora que nem o resultado feliz foi suficiente para a afastar da retina e das preocupações dos adeptos e seguramente dos responsáveis. O descalabro estava assim anunciado para Portimão, o que acabou por ser confirmado por um Nakajima à solta e sem medo de leões.

A exibição de Portimão abaixo de frágil ou modesta teria inevitavelmente que colocar o trabalho do treinador em causa. A bagagem recheada de insucessos, o historial muito particular no clube que não recomendava a concessão de nova oportunidade e o momento de particular instabilidade e divisão que em que vive, tornaram-se num pavio muito curto e altamente inflamável. Daí à cabeça a prémio foi um ápice para Peseiro.

Uma crise de resultados que se anuncia e cujas exibições ameaçam eternizar seria sempre indesejável. Para quem se viu recentemente investido e com as sirenes de urgência a apitar estridentemente sobre inúmeros dossiers em aberto, ou a carecer de atenção e revisão pode mesmo ser considerado um pesadelo. Especialmente se entre a investidura e a primeira crise de resultados dista apenas um mês.

A ponderação é muito mais complexa do que apenas despedir o treinador. A direcção recém-empossada está desresponsabilizada da escolha feita, e isso vai servindo de para-raios para a tempestade de opiniões de desagrado que ecoam cada vez mais insistentes.

Mas a persistência de resultados comprometedores acabará por obrigar à tomada de uma decisão que obviamente pretende evitar a todo o custo no momento tão precoce do seu mandato e até mesmo do campeonato. A escolha de um treinador é tão ou mais difícil de tomar nestas circunstâncias que, por comparação, o despedimento se afigura uma brincadeira de meninos no recreio.

No que diz respeito à escolha de treinadores nunca há certificados de garantia. Sendo um activo determinante para o sucesso de um clube, a decisão da sua contratação equipara-se à escolha de um CEO de uma empresa. É uma decisão de carácter estratégico, uma vez que aquele se deve reconhecer nos objetivos e ambições do clube, bem como no espirito onde se funda a sua identidade. Numa fase de grande turbulência e instabilidade, forçar uma escolha pode produzir efeitos contrários ao pretendido e ao adiar de medidas estruturantes tendentes em revitalizar o clube. Temas como a aposta na formação, o modelo de jogo, scouting e recrutamento não podem estar desligados da escolha do treinador e respectivo perfil.

Ao não avançar imediatamente para substituição de Peseiro, a direcção de Frederico Varandas pode entender que não estão esgotadas as possibilidades da equipa se encontrar com os melhores princípios que a ponham na rota desejada. Ou ter preparada uma outra opção, mas reservada para momento mais oportuno, reconhecendo que a sua entrada seria extemporânea e por isso tendente ao insucesso, queimando assim um cartucho. Tal como no xadrez, há peças que, pela sua importância, têm que ser movimentadas de forma criteriosa, sob pena de fazer perigar todo jogo.

Ao fazer avançar Beto, um dos pesos pesados da sua estrutura, a actual direcção pretendeu simultaneamente demonstrar que está atenta, mas também esvaziar de importância o assunto junto da opinião pública.

Muito diferente seria se a comunicação fosse feita por Frederico Varandas, que dessa forma evita também o desgaste e a sobre-exposição. É também uma mensagem categórica de que, sob o seu comando, o Sporting perfilhará uma comunicação claramente diferente do seu antecessor.

Algo que também foi notório no recente “caso Rafael Barbosa” que opôs a SAD leonina à congénere algarvia. Sem espavento, mas com descrição e eficácia o problema foi resolvido. Ganharam ambos os clubes, perderam os jornais.

O futuro próximo de José Peseiro continuará a ser o Sporting. Melhor que ninguém ele sabe que num ápice as portas se vão fechando atrás de si. As cerca de duas semanas que o separam do próximo embate é tempo de vida comprado e nem mesmo o facto de as selecções amputarem o plantel de uma parte substancial do valor à sua disposição servirá de atenuante em futuros desaires semelhantes ao ocorrido em Portimão.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter