A nova vida do Monaco com Thierry Henry ao leme

José Nuno QueirósOutubro 22, 20184min0

A nova vida do Monaco com Thierry Henry ao leme

José Nuno QueirósOutubro 22, 20184min0
O Monaco contratou Henry para o lugar de Leonardo Jardim num momento conturbado para a equipa do principado. Conseguirá Henry virar este Monaco 180º na direcção das vitórias?

Depois do início desastroso do Monaco na Ligue 1, os dirigentes monegascos tomaram a decisão de despedir o treinador português do comando técnico, assim sendo, Leonardo Jardim saiu e entrou Thierry Henry para o seu lugar.

Já se previa que esta época podia ser a mais complicada da carreira de Leonardo Jardim no Monaco. As principais peças da equipa eram constantemente vendidas ano após ano, e esta época não pareciam haver substitutos à altura para manter a exigência de outros tempos.

O técnico madeirense sempre foi conhecido por potenciar muitos jogadores jovens, mas não se pode pedir que Leonardo Jardim crie qualidade nos seus jogadores, este apenas leva a qualidade já existente a níveis perto do 100% e não é todos os dias que se conseguem substituir jogadores como Mbappé ou Bernardo Silva.

A vida de Leonardo Jardim no principado chegava ao fim com a equipa em zona de descida (Fonte: Depor)

Apesar de tudo, a equipa do Monaco continuava a ser melhor que a maioria dos seus adversários, pelo que estar em zona de descida na 9ª jornada da liga com apenas 6 pontos não pode ser apenas justificado com a preparação de um plantel novo e que precisa de ser melhorado. Apenas 1 vitória é forte indicador da falta de qualidade da equipa e que Leonardo Jardim não podia continuar lá mais tempo.

O substituto apareceu rápido na equipa do principado, Thierry Henry, ex-jogador do clube e que fazia parte da equipa técnica que levou a Bélgica à melhor classificação de sempre em Mundiais.

Mas Henry trouxe com ele um técnico português, mantendo assim presente a alma lusitana no plantel. Falámos de João Tralhão que tão bom trabalho fez nas equipas jovens do Benfica, e que parece encaixar como uma luva nesta política do Monaco.

Henry regressa ao clube que lhe lançou para a alta roda do futebol mundial (Fonte: AS Monaco)

A vida do técnico francês também não começou de feição, e o Monaco voltou a perder, e para pior foi ultrapassado pelo Nantes e ocupa agora o penúltimo lugar da tabela. É certo que o técnico não podia fazer milagres em apenas alguns dias no clube, mas nem o tónico extra que por vezes a “chicotada psicológica” têm nos jogadores o técnico conseguiu explorar e arranca com o pé esquerdo a sua carreira nos bancos.

Agora, Henry vai ter pela frente o Club Brugge para a Champions League. É um bom adversário para iniciar uma nova vida no clube, visto ser, em teoria, a equipa mais débil do grupo e o Monaco precisar de fazer os primeiros pontos no grupo, para, pelo menos, conseguir um lugar na Liga Europa.

Ganhar na Bélgica significaria também a primeira vitória desde 11 de Agosto quando o Monaco, na já longínqua primeira jornada, foi a casa do Nantes bater a equipa, na altura, de Miguel Cardoso, num duelo de técnicos lusos que abandonaram ambas as equipas na zona de despromoção.

O técnico francês no banco de suplentes no seu primeiro jogo como treinador (Fonte: Fox Sports)

O Monaco ainda pode acabar a época num lugar europeu e conseguir fazer uma boa campanha na Liga Europa, pelo que nada está perdido para Henry, mas os milagres não vão acontecer e há um Monaco vs PSG já no dia 11 de Novembro, pelo que não ganhar nas próximas duas jornadas pode ser um golpe muito duro para a equipa à chegada para o jogo com o campeão francês.

Tem a palavra agora Thierry Henry para provar que não fazia a diferença apenas dentro do campo, mas que também pode ser uma figura de destaque no banco de suplentes e levar o clube onde já jogou a regressar aos lugares cimeiros do campeonato.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter