Gigante adormecido ou morto: Marselha, do topo ao fundo em momentos

João NegreiraNovembro 15, 20193min0

Gigante adormecido ou morto: Marselha, do topo ao fundo em momentos

João NegreiraNovembro 15, 20193min0
O Marselha é o único clube francês a vencer uma Champions League. No entanto o título ficou manchado com denúncias de corrupção e o clube nunca mais conseguiu voltar ao topo.

A rubrica Gigante Adormecido ou Morto está de volta! Passamos para França, onde vamos recordar os melhores e os piores momentos do Olympique de Marseille!

Um passado glorioso que acabou por ficar muito manchado…

O Marselha, é naturalmente um dos maiores clubes franceses. Com um palmarés precioso e uma massa adepta muito leal, são sempre uma evidência na Ligue 1.

Os Olympiens viveram o seu tempo áureo entre o final dos anos 1980 e o início dos anos 1990, tendo um dos melhores plantéis do futebol europeu, da altura.

A equipa do Vélodrome ganhou grande relevância quando conseguiu o tetracampeonato – seria na altura a maior sequência de títulos da história do futebol francês – e a conquista da Liga dos Campeões.

Com grandes nomes nos plantéis, a comunicação social afirmava que os treinadores tinham mais dificuldade em escolher o “11” do que vencer as partidas.

Gunnar Andersson nos anos 50 é o maior marcador da história do clube com 194 golos, mas foi Jean-Pierre Papin quem ganhou mais notoriedade neste capítulo, naquelas que foram as melhores épocas dos Les Phocéens.

Como já foi referido acima, os nomes que representaram o Marselha foram sempre de topo europeu, com grande destaque para La Dream Team, elegendo os jogadores que melhor representaram a equipa, contendo jogadores dos anos 70 ou dos anos 90.

O onze é composto por: Fabian Barthez, Amoros, Basile Boli, Mozer, Éric Di Meco, Joseph Bonnel, Didier Deschamps, Stojkovic, Chris Waddle, Josip Skoblar e Jean-Pierre Papin.

No entanto, há ainda que realçar mais alguns nomes como: Laurent Blanc, Éric Cantona, Djibril Cissé, Marcel Desailly, André-Pierre Gignac, Bafétimbi Gomis, Steve Mandanda, Samir Nasri, Dimitri Payet, Robert Pires, Loic Remy, Frank Ribery, Mathieu Valbuena, Rudi Voller, Klaus Allofs, Karlheinze Forster, Lucho Gonzalez, Gabriel Heinze, Didier Drogba, André Ayew ou Mamadou Niang.

Os muitos nomes falam por si e muito ajudaram para que o Marselha tivesse sucesso, não só nos anos do “tetra”, como também já neste século.

Não obstante, o Marselha acabou por ter uma grande queda depois do sucesso interno e externo.

A equipa do sul de França conquista assim o tetracampeonato e vai a caminho do penta na mesma temporada que vence a Champions League. Mas é nessa mesma temporada que o mundo dos marselheses desaba.

O clube foi acusado de corrupção, tendo oferecido subornos a jogadores do Valenciennes e acabou por ser despromovido à 2º liga e foi-lhe retirado o campeonato desse ano.

Uma história trágica que acabou por terminar da pior maneira, para alguns dos melhores jogadores que atuavam na altura.

Uma das melhores equipas do Marselha. (Foto: Imortais do Futebol)

O presente escreve-se em português…

Depois da despromoção, o Marselha só conseguiu ser campeão mais uma vez, conseguindo festejar na temporada 2009/2010.

Conseguiu mais 2 vice-campeonatos, mas nunca mais voltou à glória dos anos 90, nem tendo os grandes jogadores e o sucesso europeu.

Nesta temporada são orientados pelo português André Vilas-Boas, que é coadjuvado por Ricardo Carvalho.

Liderados pelo veterano Steve Mandanda e guiados pela criatividade de Payet e Thauvin, vão ter que lutar para conseguir discutir os lugares cimeiros.

Tendo um começo um pouco instável, a equipa do sul de França, estabeleceu-se agora no 2º lugar, apenas atrás do poderosíssimo Paris Saint Germain.

Vai conseguir o timoneiro português relançar o Marselha para o sucesso?

A pergunta, é a mesma de sempre: estará o Gigante, Morto ou Adormecido?


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter