No Brasil, o futebol nordestino serve de exemplo para todos

João Pedro SundfeldSetembro 6, 20205min0

No Brasil, o futebol nordestino serve de exemplo para todos

João Pedro SundfeldSetembro 6, 20205min0
Em tempos de crise, nota-se ainda mais a disparidade entre boas e más administrações nas equipas brasileiras. O destaque do Fair Play vai para os nordestinos do Brasil, que mostra equipas investindo cada vez mais e melhor para ter o destaque que merece no cenário nacional.

O nordeste é, talvez, a zona mais bela do Brasil, devido às suas praias paradisíacas e lindas paisagens naturais. Esta região, porém, tem diversas outras atrações, como o futebol, que deixa milhões de torcedores aficionados, mesmo suas equipas não estando entre as melhores do país. Por mais que lidem com grandes limitações orçamentárias, alguns desses clubes nordestinos são tidos como exemplos de gestão, pois, eles conseguiram conter as suas dívidas e buscam aumentar as suas receitas.

No estado do Ceará, o Fortaleza é o time que se destaca nesse quesito e cujas ações administrativas são refletidas, de maneira positiva, no futebol apresentado pela equipa. O Leão passou a entender o futebol como um negócio e, portanto, o clube como uma empresa. Por isso, a diretoria optou por contratar uma empresa de consultoria para profissionalizar, cada vez mais, a sua gestão e, com isso, tornar o Fortaleza um clube autossustentável e com possibilidade de crescimento.

Empresa de consultoria ajuda o clube a se profissionalizar (Foto: JL Rosa)

A diretoria do Tricolor do Pici buscou melhorar a infraestrutura da sede do clube, reformando o gramado, fazendo uma nova academia, concluindo as obras do hotel, entre outras. Com a melhor estrutura, o rendimento dos atletas tende a aumentar e, com isso, as receitas vindas do futebol também. Além disso, aumentar as fontes de renda e nunca gastar mais que o arrecadado são considerados objetivos fundamentais.

No futebol é possível identificar os resultados dessa inovadora gestão. Em 2018, com a contratação de Rogério Ceni para o comando técnico, o Fortaleza iniciou o seu trabalho visando a primeira divisão. Com o treinador, o clube conquistou a Série B, a Copa do Nordeste (também conhecida como Lampions League) e conseguiu voltar à Série A, depois de doze anos. No ano seguinte, com o treinador, o clube também conseguiu a desejada permanência da elite nacional e, para coroar a boa época de 2019, a classificação para a Copa Sul-Americana pela primeira vez na história.

Outro clube que têm se destacado no quesito administração é o Bahia. Atual tricampeão baiano e vice da Lampions League, o time é muito elogiado pela maneira com a qual ele gerencia suas receitas – pois o clube, mesmo entendendo que precisa investir para se manter na primeira divisão, não gasta mais do que arrecada e não contrata jogadores com salários milionários – e pela transparência de seu presidente, que explica diversas questões acerca do clube no Twitter e, principalmente, responde diferentes dúvidas dos adeptos.

O Bahia foi campeão estadual em 2020 (Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia)

Assim, como no Fortaleza, os resultados da boa gestão são refletidos no futebol, pois o Bahia venceu a Copa do Nordeste em 2017, conquistou os últimos três estaduais que disputou e terminou na 11ª posição no Brasileirão 2019. Seguindo, também, o rival cearense, o time optou, em 2019, pela construção de um trabalho sólido no futebol, com a contratação de Roger Machado. Com isso, o treinador pôde propor um estilo de jogo fixo aos jogadores e, num futuro próximo, deverá entrar na briga por vagas na Libertadores (Roger infelizmente foi demitido após maus resultados no Brasileirão).

Na cidade de Maceió, está sediado o CSA, clube mais modesto que os citados anteriormente, mas que seu presidente conseguiu um feito incrível: quitou as dívidas trabalhistas. O atual presidente, Rafael Tenório, afirmou que este era um objetivo de sua administração e, em quatro anos, ele foi atingido. Como o CSA é um clube mais modesto, as suas conquistas esportivas também são. Hoje, ele disputa a Série B (foi rebaixado da primeira divisão no ano passado) e é o atual bicampeão alagoano.

Mesmo na Série B e com problemas de Covid-19 no plantel, CSA vem crescendo (Foto: Ailton Cruz/Gazeta de Alagoas)

Esses feitos podem não parecer grande coisa, mas a trajetória da equipa para aqui chegar mostra que são glórias grandiosas. Em 2010, o clube disputou a 2ª divisão estadual e, em 2015, não disputava nenhuma divisão nacional. A partir de 2016, porém, o CSA conseguiu acessos consecutivos até chegar na Série A, em 2019, sendo o primeiro time na história a conseguir tal feito. Sendo assim, estar na segunda divisão já é uma importante vitória para o Azulão.

Deste modo, é possível perceber que mesmo com orçamentos modestos e pouca visibilidade, se um clube tem uma boa diretoria ele consegue os resultados almejados. Fortaleza, Bahia e CSA são apenas alguns exemplos de times que tiveram conhecimento de suas limitações e tentaram crescer de maneira responsável, quitando dívidas e aumentando as receitas. Com isso, eles foram capazes de vencer em suas regiões e conseguiram importantes feitos para times nordestinos, no cenário nacional.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter