A Bundesliga é do(s) Borussia(s)! A rivalidade amigável dos dois clubes alemães

Pedro SousaDezembro 9, 20185min0

A Bundesliga é do(s) Borussia(s)! A rivalidade amigável dos dois clubes alemães

Pedro SousaDezembro 9, 20185min0
O primeiro e segundo classificados do campeonato alemão partilham o mesmo primeiro nome e muitas histórias. Existe rivalidade, mas vivida de uma forma saudável!

Pedro Sousa é autor do projeto Bola na Relva e colaborador do Fair Play!


Borussia Dortmund e Borussia Mönchengladbach são os clubes que vão na frente da Bundesliga. O emblema amarelo e preto lidera a competição e a equipa de Mönchengladbach segue no segundo posto. Separados por 92 km, os dois clubes têm muita coisa em comum para lá do nome.

Marco Reus, Lucien Favre, Matthias Ginter e Mahmoud Dahoud são os exemplos mais recentes de trocas entre os emblemas germânicos. Para além disso, os Borussias são apologistas de um futebol ofensivo e de ataque. Por vezes, esta visão é arriscada. Contudo, é a forma mais bonita de ganhar.

Lucien Favre já treinou o Mönchengladbach e agora treina o Dortmund! (Foto: SkySports)

A década de 70 foi dos potros

Um jejum de 41 anos é significativo. Mas num campeonato competitivo como o alemão, por vezes, o fator sorte é importante. O Borussia Mönchengladbach vive esse jejum, mas, desde de 2010, está a renascer. Principal responsável? O homem que agora está sentado no banco do Borussia Dortmund. Lucien Favre foi o treinador que impulsionou o emblema preto e branco.

Quando assumiu o comando da formação germânica, Favre implementou o futebol ofensivo e atrativo que faz parte da história dos potros (passaram a ficar conhecidos por “potros” devido ao estilo rápido de jogo e pelo cavalo jovem que serve como mascote). Saiu para o Nice, mas voltou à Alemanha para comandar o outro Borussia.

Borussia Mönchengladbach campeão da Taça UEFA de 1979 (Foto: Getty Images)

Voltando aos princípios do emblema de Mönchengladbach verificamos a evolução de um clube que foi fundado em 1900, na extinta Prússia. Quando a região colapsou após a Primeira Guerra Mundial, o clube passou a jogar na Alemanha. Anos mais tarde, os prussos – alcunha conhecida em algumas partes do país germânico – viveram o seu auge na década de 70. Nas suas fileiras pertenceram jogadores como Jupp Heynckes, Gunter Netzer, Berti Vogts e Rainer Bonhof. Nesses anos conquistaram duas Taças UEFA, cinco Bundesligas e uma DFB Pokal (Taça da Alemanha).

Contudo, o emblema germânico perdeu fulgor e o título mais recente foi no ano 2007/2008 quando conquistaram a Bundesliga 2 (segundo escalão do futebol alemão). Desde 2011, o Borussia Mönchengladbach está em crescendo devido à influência de Lucien Favre. O treinador suíço conduziu o clube à Liga dos Campeões em 2014/2015. Agora, este ano, Dieter Hecking quer igualar o feito de Favre e levar os potros à liga milionária.

A ascensão de Hitler quase afundou o emblema que Klopp levou à glória

O emblema de Dortmund já passou por muitos sobressaltos, mas, mesmo assim, sobreviveu. Também situados na extinta Prússia, os pretos e amarelos nasceram em 1909. Inicialmente formado por jovens católicos que não aceitaram seguir as pisadas de um sacerdote, o BVB agigantou-se até aos dias de hoje. Mas o caminho não foi fácil. Durante o reinado de Adolf Hitler, o principal rival do Dortmund, o Schalke 04 venceu 12 títulos. O que levou ao emblema de Gelsenkirchen passar a ser conhecido como o clube do ditador. Com descendência e tendência judias, o Borussia de Dortmund passou por grandes dificuldades durante o reinado de Hitler. Ainda antes, no ano de 1929, um investimento desmedido, quase levou à falência do emblema. Aliás, já depois de conquistar a Liga dos Campeões em 1997, os auri-negros passaram por mais um período difícil, onde a saúde financeira esteve em estado muito grave.

Conquista da Champions pelo Borussia Dortmund (Foto: Dortmund.de)

Porém, mais uma vez, conseguiu sobreviver e voltar ao topo graças a Jürgen Klopp. O treinador alemão reconstruiu o clube quase do zero e levou-o a 2 títulos da Bundesliga e a uma final da prova milionária de clubes da UEFA. Durante os 108 anos de história (completam 109 no dia 19 de dezembro) passaram jogadores que deixaram marca no clube da Vestfália. Matthias Sammer, Paulo Sousa, Michael Zorc, Marco Reus, Robert Lewandowski, Stéphane Chapuisat, Alfred Preissler, Alfred Kelbassa e Alfred Niepieklo foram jogadores que contribuíram para a história do clube da “Yellow Wall”. No palmarés conta com oito ligas, cinco taças da Alemanha, uma Champions, uma Taça das Taças e uma Taça Intercontinental.

Agora com Lucien Favre ao poder, o Borussia Dortmund vive dias de rejubilo. Em primeiro lugar na Bundesliga e apurado para os oitavos da “Champions League”, o treinador suíço quer levar mais troféus para o museu do Signal Iduna Park.

Os dois Borussias têm uma missão difícil pela frente. Manter os respetivos lugares não será fácil. Contam com muito potencial nos seus planteis e com muita prata da casa, mas o Bayern Munique, apesar do início difícil de temporada, não baixará os braços. Será que este ano os Borussias assumem o reinado da Bundesliga?

Marco Reus é um dos históricos dos dois clubes (Foto: Dortmund.de)

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter