[TOP-10] 100 metros bruços masculinos

João BastosAgosto 21, 20172min0

[TOP-10] 100 metros bruços masculinos

João BastosAgosto 21, 20172min0
1:01.01 é a marca que dá a Carlos Almeida a liderança do ranking nacional de todos os tempos nos 100 bruços. Uma marca que parece estar para durar

Durante o mês de Agosto, o Fair Play lançará a série dos 10 melhores portugueses em cada prova de natação. Serão considerados apenas os tempos obtidos em piscina longa. Seguimos com os 10 melhores dos 100 bruços masculinos


Carlos Almeida é o recordista nacional absoluto de todas as distâncias de bruços, quer em piscina longa, quer em piscina curta (e também seria em piscina de 25 jardas, se os tempos fossem reconhecidos). Na prova de 100 metros bruços ficou muito próximo de nadar em 1’00 no Mundial de Barcelona, em 2013.

Fixou o record nacional da prova em 1:01.01, sendo, até à data, o único português a nadar abaixo de 1’02 – e fê-lo por 7 vezes na sua carreira.

O segundo lugar do top é para o recordista nacional anterior a Carlos Almeida, com uma marca que durou exactamente 10 anos e um dia: José Couto.

Algumas notas sobre o top-10 dos 100 metros bruços masculinos:

  • Para além de apenas um nadador ter nadado abaixo de 1’02, foram apenas três a nadar abaixo de 1’03. Do 4º ao 10º lugar, o top é bastante renhido com todos os nadadores a nadarem em 1’03;
  • Francisco Quintas e Alexis Santos foram as novas entradas do ano e Diogo Carvalho melhorou o seu tempo, repartindo agora o 6º lugar com Tomás Veloso;
  • O nadador mais velho do top é José Couto (39 anos);
  • O nadador mais novo do top é Tomás Veloso (21 anos);
  • André Silva e Ricardo Varela fizeram os seus melhores tempos nos Nacionais de Faro, em 2009. Nessa ocasião, André estabeleceu o record nacional de juniores que ainda persiste;
  • O Jamor foi a piscina onde foram estabelecidas mais melhores marcas deste top (três).

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter