Stranger Rules: A jogar com mais um jogador qualquer equipa ganha

Rui MesquitaJaneiro 12, 20205min0

Stranger Rules: A jogar com mais um jogador qualquer equipa ganha

Rui MesquitaJaneiro 12, 20205min0
Jogar com mais um jogador é sempre uma vantagem, mas e fazer de forma clandestina? Será que resultaria numa liga como a NBA? Descobre aqui!

Como em Hawkings de Stranger Things, coisas e regras estranhas existem em todos os desportos e aqui vamos abordar as mais estranhas, confusas e surpreendentes de todas! Não percas nenhuma e diz-nos qual a mais estranha (o verdadeiro Demogorgon) de todas!


É certo que, seja qual for o desporto, jogar com mais um jogador é vantajoso. Uma expulsão facilita a vida ao adversário porque ofensivamente terão alguém sempre livre e defensivamente terão mais um defensor extra. Mas e no basquetebol, nomeadamente na NBA, onde não há expulsões? Há alguma forma de jogar com mais um jogador? A resposta é não, um jogo na NBA acontece sempre com 5 contra 5. Então que artigo é este?

Bem, legalmente é impossível ter mais um jogador em campo, mas às vezes acontece. A NBA permite infinitas substituições e tem várias paragens, por isso é normal uma equipa ou um jogador ficar confuso e entrar em campo quando não deve. O que normalmente acontece é: os árbitros apercebem-se da situação, informam a equipa e um dos jogadores sai do campo. Este processo é facilitado na NBA já que há 3 árbitros no campo para apenas 10 (ou 11 neste caso) jogadores. Os árbitros podem até dar uma falta técnica por isso mas normalmente não acontece.

Kevin Garnett é um dos jogadores envolvidos nesta história (Foto: MassLive)

Então porque estamos aqui a falar de Stranger Rules? Afinal a NBA não lida muito bem com o facto de haver mais um jogador do que o normal? Sim e não. Sim, caso os árbitros se apercebam, não se os árbitros não se aperceberem.

O caso e a (ausência de) regra

O jogo que nos faz falar nisto ocorreu em 2008 entre os Boston Celtics e os Portland Trail Blazers, em Portland. A 10 segundos do fim da primeira parte, os Blazers pediram desconto de tempo para aplicar uma jogada ensaiada. Até aqui tudo bem, não fossem os Blazers entrar em campo com mais um jogador do que os Celtics. Durante 7 segundos que durou a jogada, a equipa da casa jogou com 6 jogadores e os Celtics tentaram defender enquanto alertava os árbitros para esse facto.

Como se pode ver no vídeo abaixo, durante toda a jogada havia um jogador dos Blazers sozinho e Travis Outlaw acaba por marcar um cesto. De todas as pessoas que podiam estar do outro lado, calhou Kevin Garnett e os seus Celtics. Um dos jogadores mais explosivos da história da NBA e uma das equipas mais agressivas de sempre dão de caras com uma situação destas. Claro que Garnett caiu logo em cima dos árbitros da partida e eles fizeram o que tinham a fazer.

O que eles tinham a fazer era: nada. Para além da falta técnica já mencionada, os árbitros não puderam fazer nada. Não havia, em 2008, uma regra sobre o que fazer caso uma equipa marcasse com mais um jogador em campo. O cesto marcado teve que contar e os Celtics passaram o resto do jogo furiosos.

De recordar que estes Boston Celtics eram os atuais campeões da NBA e uma das equipas mais temidas e respeitadas. Isto só torna a situação mais embaraçosa para os árbitros e para a própria NBA.

Como isto aconteceu e o que (e quando) mudou?

Importa perceber como isto aconteceu. Ninguém sabe ao certo, mas olhando para o vídeo duas coisas podem ter acontecido. Nate McMillan, treinador dos Blazers pode ter desenhado uma jogada esquecendo-se que alguém tinha que marcar a reposição de bola ou um jogador ficou confuso se jogava ou não e acabou por entrar. Nesta segunda hipótese, a aposta mais forte é Jerryd Bayless. Bayless era um rookie neste ano e pela linguagem corporal (é o jogador 6 no vídeo acima) parece estar ali a mais.

Os Blazers fizeram a sua jogada e devem ter pensado: “isto foi muito fácil, sozinho aqui debaixo do cesto?”, isto contra uma equipa famosa pela sua defesa agressiva e competente. Os Celtics não queriam acreditar e tentaram correr atrás do jogador extra, sem sucesso.

Nate McMillan esteve no centro do caso polémico (Foto: Indy Cornrows)

A ausência de regra não podia continuar e por isso em março do ano seguinte (3 meses depois do incidente) a NBA criou uma nova regra. A partir daí, se uma equipa marcar um cesto com mais um jogador do que o adversário, o cesto é anulado, o relógio volta atrás e uma falta técnica é marcada. Este é um dos raros casos em que o relógio pode andar para trás num jogo da NBA.

A rapidez com que a NBA atuou mostra o quão escandaloso o caso foi, principalmente por envolver os campeões em título e jogadores tão influentes na Liga. Casos destes com um jogador a mais em campo nunca mais foi um problema na NBA. A questão que fica é: em que desportos terá havido casos destes que nem sequer saibamos?

O futebol é o caso mais próximo de nós e todos vemos como é possível isto acontecer. O número de árbitros é semelhante ao da NBA, mas o campo é maior e o número de jogadores também. Será que terá alguma vez acontecido? E qual o procedimento oficial a seguir? Isso fica para outro artigo, para outra Stranger Rule.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter