“Cromos” com qualidades heroicas: Marco Reus e Danny Ings

Pedro PereiraNovembro 1, 20213min0

“Cromos” com qualidades heroicas: Marco Reus e Danny Ings

Pedro PereiraNovembro 1, 20213min0
Marco Reus e Danny Ings são dois jogadores que têm feito obra fora dos campos e a Caderneta dos Cromos conta as histórias de ambos

Vários são os jogadores que tomam as rédeas de participar em projectos humanitários e sociais, de ajudar quem precisa, e de procurar formas de garantir apoios e soluções a todos que precisam, como são os casos de Marco Reus e Danny Ings.

REUS, O CAVALEIRO E CAVALHEIRO DE DORTMUND

Reus é daqueles jogadores que sentiremos falta quando terminarem a carreira. Celebraremos uma espécie em vias de extinção, um dos últimos que baralhou e voltou a dar as cartas da pirâmide de Maslow dos jogadores contemporâneos. Marco Reus conseguiu manter-se leal a si, aos seus e ao clube que lhe catapultou para a ribalta. As tentações foram recorrentes. Os grandes clubes acenaram com belos sacos de dinheiro, ano após ano. Mas ele resistiu.

Uma geração de ouro do Borussia de Dormund abalou para o tubarão que se habituou a aniquilar os clubes mais próximos contratando sempre os jogadores mais fortes dos adversários: o Bayern de Munique. Só não levou Reus. Muitos dirão que as lesões arrefeceram a vontade dos clubes que o pretendiam mas não é 100% verdade. Este diamante que desde 2012 veste de amarelo e preto, jogou apenas 6 anos no início da sua carreira noutro clube que não o Dortmund. Desde então, sempre fiel. Disse numa entrevista que o que ele sempre imaginou era jogar no Dortmund

Fiel não só ao seu escudo mas às suas pessoas. Reus sempre disse que o seu clube era aquele que representa. Cresceu e viveu no clube e na cidade e não podia simplesmente virar as costas a quem lhe deu tanto. Dentro e fora de campo. Durante a pandemia, Reus e a sua mulher ofereceram meio milhão de euros para apoiar os micronegócios da cidade. Sempre foi um elemento ativo na vida do clube e da cidade. A isto chama-se vestir a camisola. No verdadeiro sentido da expressão.

Reus é único. Cada vez mais. Um dia, sentiremos falta de jogadores deste género. Apreciemos enquanto é tempo.

INGS, O PRINCÍPE DE BURNLEY

Narrei há pouco tempo o jogo entre o Aston Villa e o Wolves para a Premier League desta tempora, s e havia um jogador em particular que me enche as medidas. Dentro de campo, é evidente a sua qualidade e chegou a molhar a sopa. Fora de campo, é um craque. Em 2013, enquanto jogador do FC Burnley, ofereceu as suas chuteiras a um jovem adepto com deficiência, o Joseph Skinner. A criança disse mais tarde que tinha sido o melhor dia da sua vida.

Mas Danny Ings não queria que aquele gesto ficasse órfão. Decidiu criar em Burnley um programa desportivo destinado a pessoas com vários tipos de deficiências. De zero atividades na cidade, passaram a 35 sessões por semana dos mais variados desportos: futebol, escalada, dança, tênis de mesa.

Para além de criador e embaixador, sempre se manteve ligado ao projeto, mesmo depois de sair do clube. Passou ainda pelo Southampton, Liverpool e agora Aston Villa. Joseph Skinner, a criança sortuda naquela tarde no estádio que recebeu as chuteiras, é hoje funcionário do programa. Tudo certo nesta ideia e na missão. Craque da cabeça aos pés.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter