Onde é que anda o flop: Capdevila, um Campeão do Mundo em Portugal

João NegreiraFevereiro 23, 20194min0

Onde é que anda o flop: Capdevila, um Campeão do Mundo em Portugal

João NegreiraFevereiro 23, 20194min0
A rubrica Onde é que anda o flop volta com mais um grande jogador que muito prometia, mas que pouco ou nada fez! Lembras-te de Joan Capdevila, Campeão do Mundo e da Europa que representou o Benfica?

“O 1º Campeão do Mundo e da Europa e jogar em Portugal”

No verão de 2011, chegava ao plantel do SL Benfica, Joan Capdevila, proveniente do Villarreal. Chega a custo zero, mas com o rótulo de Campeão do Mundo, na África do Sul, em 2010 e Campeão da Europa, na Áustria e Suiça, em 2008.

É Rui Costa, quem o apresenta, dizendo que “depositamos grande esperança, até pela sua vasta experiência futebolística.” Afirmando depois que o espanhol seria o 1º Campeão do Mundo e da Europa a representar um clube português.

Ao responder às perguntas, Capdevila dizia que vinha com “muchas ganas (muita vontade) de poder jogar num estádio tão bonito e maravilhoso.”.

Apesar dos seus 33 anos, Capdevila mostrava-se poder ser o defesa-esquerdo que as águias tanto desejavam depois da saída de Fábio Coentrão, no mesmo defeso.

Joan Capdevila foi campeão do Mundo e da Europa com Espanha. (Foto: Blog – Rafael Reis)

Concorrência com outro flop?

A história de Joan Capdevila no Benfica é muito diferente daquela que se pensava. Depois de uma apresentação muito concorrida pela imprensa, muita tinta correu em todos os jornais portugueses (e espanhóis) sobre o lateral esquerdo.

Com esta reputação, seria titular de caras e conseguiria mostrar porque é que fez todos os minutos no Mundial2010, correto? Não foi o que pensou Jorge Jesus…

Na única época em que representou os encarnados, fez apenas 12 aparições. Não convenceu Jesus de modo algum, nem ao ser um dos titulares de uma das melhores seleções de sempre.

Porém, o pior nem foi não ter jogado tão regularmente. O pior foi mesmo para quem não conseguiu conquistar o lugar.

Na temporada 2011/2012 o SL Benfica tinha 2 laterais esquerdos no plantel: Joan Capdevila e Émerson. Fica a promessa de que o brasileiro aparecerá nesta rubrica, mas é unânime de que não se esperava que as coisas fossem assim.

Capdevila passou toda a temporada a ver o brasileiro jogar (para espanto de todos), sem se perceber bem porquê.

Com a saída de Coentrão, urgia um lateral esquerdo de qualidade para as águias, mas não foi Capdevila o tal.

Não obstante, quando em janeiro de 2012 quis sair para ter mais minutos, Jorge Jesus fechou-lhe as portas da saída.

Na 1ª metade da época contava 5 presenças em jogos oficiais e tinha até tudo acertado para ser emprestado ao Espanyol, mas o negócio não se concretizou.

Depois disso, conta o pai do lateral esquerdo, o timoneiro português fechou toda a gente no balneário e pediu desculpa a Capdevila. Por não poder sair e por não poder jogar mais vezes. Elogiou-lhe ainda o carácter e o comportamento por ser um elemento exemplar, mesmo jogando poucas vezes.

Émerson e Capdevila lutaram por um lugar no onze do Benfica. (Foto: MaisFutebol)

De mal a pior?

Depois de ter tido uma bela carreira por Espanha e por ter sido um elemento importante na seleção espanhola, Capdevila teve, de facto, uma má passagem por terras lusas.

No final da época, já sai para o Espanyol, dando ao Benfica 350 mil euros. As temporadas 12/13 e 13/14 são as últimas em terras de nuestros hermanos, já que se muda para a Índia no verão de 2014.

Tem uma passagem fugaz pelo North East United, dado que 6 meses depois já estava no Lierse SK, da Bélgica.

Nesta altura, com 37 anos, já pouco poderia oferecer, querendo talvez experimentar outros campeonatos, visto que jogou praticamente sempre em Espanha.

O seu último clube é o FC Santa Coloma da Andorra, onde, em 2 anos faz apenas 6 jogos, mas ainda consegue ganhar 1 campeonato.

Depois da sua passagem pelo Benfica, acaba por “desaparecer” dos grandes palcos e não voltar a mostrar aquilo que mostrou quando foi Campeão do Mundo e da Europa por Espanha.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter