Entrevista a Jéjé Vidal – O embaixador de Surf de São Tomé

Palex FerreiraFevereiro 6, 20227min0

Entrevista a Jéjé Vidal – O embaixador de Surf de São Tomé

Palex FerreiraFevereiro 6, 20227min0
Estivemos à conversa com Jéjé Vidal, o embaixador do surf em São Tome. Descobre o que o surfista tem para contar ao mundo!
Pronto para mais uma sessão. Fotografia Juliano Photo

Quem é o Jéjé Vidal ?

Eu chamo-me Edmilson da Cruz Camblé e sou conhecido por Jéjé Vidal.
Nasci dia 30 de Dezembro de 1998. Sou filho de Manuel Fernandes Camblé e de Leopoldina Antónia Cruz da Glória.
Sou surfista profissional natural de São Tomé e Príncipe, um país composto por duas ilhas, pela ilha do Príncipe e pela de São Tomé, onde eu nasci e cresci.
Como atleta, já conto com o apoio do Sporting clube de Portugal, Deeply_Europe, The Brusco, Semente Surfboards, Xen&co_surfshop, Xinoglass, Surfacademiajoãodemacedo e entre outros.

Como aprendeste a surfar?

Numa manhã ensolarada, estava sentado à beira mar, quando na água estava um Português, Pedro Almeida a surfar e na altura nem se quer sabia de que desporto se tratava e fiquei entusiasmado para experimentar. Fui para casa e tirei um pedaço de tábua de madeira da minha cama, fui aventurar-me no mar e foi daí que começou aquela paixão pelo surf.

Em que momento é que tu percebeste que o surf tinha um peso grande na tua vida?

Tudo começou quando me apercebi que não conseguia parar de pensar no surf, era algo que me fazia feliz inconscientemente. Sabia também, que me trazia energia positiva e que sempre que entrava no mar acalmava, esquecia todos os problemas.

Jéjé Vidal pela lente de IshootuSurfPhoto.com

Qual é a tua manobra preferida?

A manobra preferida é o aéreo 360, é uma manobra que faz com que a adrenalina suba, faz-me sentir radical. Também adoro os tubos, é uma sensação incrível.

Power Surfing – Foto Instagram @Jejevidal17

Inspiras-te em algum surfista?

Sim, John John Florence, é um surfista completo que tem uma diversidade de manobras muito grande e bastante modernas. A nível nacional gosto muito do Nic Von Rupp, sendo uma pessoa que neste momento me dá um grande suporte.

Quais são as melhores ondas em Portugal, São Tomé e quais gostarias de surfar no mundo?

Em Portugal gosto muito da Praia dos Coxos e Super Tubos.

Em São Tomé adoro a onda da Praia da Vila que fica na cidade de Santana, porque foi naquela praia que tudo começou, é uma praia onde me sinto bem e que carrego no meu coração. A onda lá é bastante longa o que permite executar diversos tipos de manobras, sendo um fundo em rocha todas as ondas partem do mesmo lugar o que faz com que sejam parecidas e com características perfeitas.

No mundo, quero realizar o sonho de surfar as ondas de Mentawai (Indonésia).

És embaixador em São Tomé, conta mais sobre esse assunto

Como embaixador de surf em São Tomé, tento motivar todos os surfistas a manterem-se focados nos seus objetivos, ajudar os mesmos a darem valor à escola, a escola tem de ser prioridade, porque é lá onde vamos buscar o conhecimento para saber lidar com a sociedade. Cada vez que visito o meu país, levo os materiais de surf para que eles possam apanhar as ondas, acima de tudo, tento dar o meu máximo em tudo aquilo que for do meu alcance por eles. O meu objetivo é fazer chegar a todos os cantos do mundo que São Tomé também tem surf.

O que faria para melhorar o mundo em termos gerais?

Faria uma mudança que eu gostaria de ver nas pessoas, isto é, tudo aquilo que eu não gosto na pessoa, vou tentar dar o meu máximo para mudar em mim.

Seja a mudança que você quer ver no mundo

Qual é o teu sonho e as metas como surfista profissional?

– Conquistar vários prémios no surf a nível mundial.

– Entrar na Liga Meo, tendo primeiro que conseguir a nacionalidade Portuguesa.

– Correr atrás de uma classificação para os jogos olímpicos.

– Focar-me nos Qualification Series Rankings.

– Criar meios para ajudar as crianças em São Tomé.

Jéjé Vidal pela lente de ishootusurfphoto.com/

O mar impõe respeito, dá medo, ou após alguns anos disto, já não?

O mar é uma obra de Deus, sendo assim, o respeito tem que lhe ser dado. É o mar que me dá a oportunidade de praticar um desporto que tanto gosto, o que acrescenta ainda mais valor, ainda mais respeito.
Todo o ser humano tem medo, não existe aquela pessoa que vai lá e diz: “eu não tenho medo”, todos nós temos medo, mas devemos saber controlar. Sempre que estou no mar, procuro o meu limite e obedecer ao mar.

Como vieste para Portugal?

Em 2017 o Paulo Pichel e o Miguel Ribeiro, dois portugueses que viviam em São Tomé, viram uma vaga numa escola na Ericeira e acharam interessante. O curso era ligado ao mar, e como o surf fazia parte da minha vida, eles sabiam que a Ericeira tem um potencial incrível de ondas. Decidiram conversar comigo e com a minha família para perceber se eu estava disposto a largar tudo em São Tomé e mudar-me para Portugal, eu aceitei e embarquei nessa aventura.

Portugal é um país perfeito para um surfista, achas que temos as condições ideais para termos mais surfistas a disputarem os principais
circuitos mundiais?

Aqui em Portugal os surfistas têm acesso aos melhores equipamentos do surf, os pais ajudam imenso. Têm altas ondas e é um país muito constante a nível do Swell. Nem sempre existe tanta vontade de correr atrás dos desafios, é impossível ter muitos no topo. Quanto mais temos, normalmente, damos menos valor ás coisas que a vida nos dá. Em São Tomé, cada oportunidade que nos é dada, agarramos e corremos atrás. “Esse é o meu ponto de vista“

Rasgadão fotografia de Tiago Lemos

Que conselho deixas para os futuros surfistas?

Mantenham sempre o foco, com trabalho e dedicação tudo virá.
O trabalho duro ganha do talento sempre que o talento não trabalha duro.
Tudo leva tempo, é uma questão de saber esperar.

O que faz do Jéjé Vidal uma pessoa a apostar?

Sou uma pessoa que traço diversos objetivos e que faço para concretiza-los, sou persistente mas ao mesmo tempo sou humilde ao ponto de saber que sozinho não terei a mesma conquista. Juntos somos mais fortes e capazes de chegar mais longe.

Um agradecimento especial a todas as pessoas que me acompanham e ajudam nesta caminhada.

Sigam o Jéjé Vidal nas redes sociais – @ jejevidal17/

Este artigo contou com o apoio de:

Lufisurf
AhoySurfandSnacks
Surfers Caparica
Nuno Fontinha Water Photos

 


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter