Dimitri Ostorero. “Tive a sorte do Qingdao Jonoon ter uma boa tradição de guarda-redes”

Romário IvoAbril 6, 201816min0

Dimitri Ostorero. “Tive a sorte do Qingdao Jonoon ter uma boa tradição de guarda-redes”

Romário IvoAbril 6, 201816min0
Dimitri Ostorero, ex-futebolista italiano, e atual técnico de guarda-redes do Qingdao Jonoon, é o mais recente convidado do Fair Play. Não percas!

Se pudéssemos citar apenas uma cidade que mais respira o futebol chinês, falaríamos de Qingdao, a casa do futebol mundial. Onde se possui equipes do primeiro ao quinto escalão local e aonde há dois anos se tornou a segunda casa do jovem treinador de guarda-redes italiano Dimitri Ostorero, a serviço das categorias de formações do campeoníssimo Qingdao Jonoon. Nesta entrevista exclusiva ao Fair Play, o antigo guarda-redes da seleção italiana e do Torino, nos dá a verdadeira dimensão sobre a qualidade dos guarda-redes chineses, fala sobre a evolução do futebol no país e o seu grande trabalho desenvolvido no clube que mais forma e trabalha com os próprios jogadores na China League Two.

Dimitri, começo por perguntar o que te fez aceitar esse grande desafio no futebol chinês e como surgiu a oportunidade para trabalhar na China?

DO. Foi um desafio, você está certo. Mas precisamos de desafios em nossas vidas, especialmente se quisermos trabalhar no mundo do futebol e gerar resultados. Minha motivação era tão grande, que eu queria conhecer melhor este mundo do futebol chinês e experimentar uma nova experiência descobrindo uma cultura tão interessante. Eu era jogador na Itália, guarda-redes e ao mesmo tempo eu comecei a treinar crianças e jovens guarda-redes. Quando parei para jogar, concentrei-me na minha futura carreira de treinador e tive a oportunidade de trabalhar com grandes treinadores como Rita Guarino (na verdade treinador das mulheres da Juventus), e com um grupo de treinadores croatas e depois tive uma experiência nos EUA. Graças a este grupo de treinadores croatas, tive a oportunidade de vir participar de um importante projeto aqui na China, na academia do Qingdao Jonoon. Naquele momento, parecia uma grande oportunidade para o meu futuro trabalhar em um bom clube na China, com grande tradição e história, e uma boa oportunidade para experimentar uma nova experiência de vida. Aceitei e, depois de mais de dois anos, posso dizer que estou feliz com essa decisão.

Quais foram as primeiras impressões do futebol e da forma de preparação do guarda-redes?

DO. No começo eu estava desorientado, para ser honesto. Organização, treinamentos e vida de jovens jogadores tão diferentes do padrão europeu. Você precisa de tempo para entender o futebol chinês e a cultura esportiva. Quando você chega em um novo ambiente, é estúpido julgar ou tentar ter impressões rápidas, especialmente na China. As primeiras impressões foram uma mistura de coisas boas e coisas para melhorar. Boa energia, muitas equipes, jogadores (Qingdao Jonoon tem quase todas as gerações na academia de juniores, grande coisa na China), organização de treinamentos e periodização para melhorar. Tive sorte de Qingdao Jonoon ter uma boa tradição de guara-redes fortes durante os anos. Eu cresci na Itália, em uma das melhores escolas de guarda-redes de todo o mundo e estamos muito focados em técnicas básicas, tão importantes desde tenra idade. A parte mais difícil aqui na China com jovens guarda-redes é misturar essas habilidades técnicas/físicas com exercícios situacionais, porque muitas vezes as crianças não jogam tantos jogos, torneios ou campeonatos. Então eles não estão tão confiantes sobre posicionamento e tomada de decisões em diferentes situações de jogo. Mais uma vez a periodização a curto e longo prazo sobre os treinamentos de guarda-redes foi para melhorar.

 

Dimitri Ostorero ao lado das grandes conquistas do tradicional Qingdao Jonoon. Foto: (Arquivo pessoal)

Como é sua rotina de trabalho em Qingdao e quais são os principais treinamentos que você realiza com os jovens guarda-redes do clube?

DO. Em Qingdao eu sigo principalmente três gerações de guarda-redes com mais atenção (sub-19/17/16). Eu também sou orientador para sub-15 e sub-12/13 (com alguns treinamentos e suporte/formação para treinadores de guarda-redes locais chineses). De acordo com treinadores, eu planejo meu trabalho semanalmente focando nos principais aspectos do jogo e do papel. A partir desta temporada, vamos jogar campeonato nacional com equipes de jovens, assim nossos treinamentos vão mudar. Nas últimas duas temporadas jogamos apenas torneios nacionais, não jogávamos todos os fins de semana. Nesta temporada todos serão diferentes com os jogos todos aos domingos. Após a recuperação, serão treinamentos de fitness/força no início da semana, assim nos concentraremos mais nos aspectos do jogo e situações que poderemos encontrar nas partidas. Sempre conectado com bons aspectos técnicos para melhorar (somos uma grande academia). Trabalho no campo e fora do campo usando análise de vídeo de jogos e treinamentos. Eu gosto de mostrar vídeo de treinamentos para meus guarda-redes, às vezes a comunicação é difícil aqui, então eu acho que assistir e explicar erros e coisas boas em imagens é mais facilitador para eles.

Como é a vida em Qingdao?

DO. Eu tenho muita sorte porque Qingdao é uma cidade amigável. Quando você chega e também depois de dois anos, a comunicação é o principal problema aqui. A cidade é realmente agradável e limpa entre o oceano e a montanha com tempo bom. Você tem que mudar alguns hábitos, a comida é diferente e a cidade é enorme. Qingdao pode oferecer muitas coisas diferentes e o padrão de vida é bom.

Quais são as maiores dificuldades para a realização do seu trabalho?

DO. Primeiro em tudo a linguagem e comunicação. Temos intérprete no campo, mas você sabe que não é a mesma coisa quem fala diretamente ou através de outras pessoas. A educação chinesa é diferente da educação ocidental e, por vezes, o caminho para a relação com jogadores ou outras pessoas é diferente. Você precisa de tempo para entender sua maneira de pensar e você tem que mostrar que sabe o que faz, dia após dia. A cooperação no começo não é fácil, isso é até normal. Mas se você fizer um bom trabalho, se você se esforçar, eles vão confiar em você e apoiá-lo.

Também sobre a vida fora do campo, você precisa de tempo e ser paciente! Você não pode entender a China em uma semana ou um mês.

Dimitri em sua convocação como guarda-redes da seleção italiana de juniores em 2005. (Foto: Arquivo pessoal)

Antes de se tornar treinador de guarda-redes tentastes seguir a carreira no futebol?

DO. Sim. Eu joguei desde quando eu tinha 6 anos de idade no clube da minha cidade. Depois cheguei a jogar pela seleção italiana e pelos sub-19 do Torino FC. Parei de jogar aos 26 anos, quando era semi-profissional, então como guarda-redes da 4ª divisão italiana que treinava ao mesmo tempo jovens guarda-redes. Um pequeno clube da cidade me perguntou se eu podia jogar e antes dos meus treinos começar, fazer um projeto com crianças e jovens. Eu pensei, porque não? Eu gostava e minha paixão era treinar jovens. Mesmo estando na 4ª divisão, eu encontrei meu equilíbrio treinando e jogando, então eu fiz minha escolha. Não me arrependo ter retirado, poderia ter indo mais, mas o futebol me ensinou muitas coisas e agora, de uma maneira diferente, é o meu trabalho.

O que te fez desistir do sonho de seguir como um atleta?

DO. Eu nunca desisti.. Eu tentei sempre o meu melhor, tive ótimas experiências e conheci muitas pessoas com a mesma paixão por este esporte. Quando eu entendi que coaching poderia ser uma coisa boa para o meu futuro em longo período, decidi parar e estudar este belo jogo. E agora estou tentando dar a minha paixão aos jovens jogadores, ajudando-os a amar este belo jogo e ajudando-os a realizar seus sonhos.

Dimitri Ostorero em um dia de trabalho com jovens guarda-redes do Qingdao Jonoon. (Foto: Arquivo pessoal)

Qual a importância do preparador de guarda-redes nas categorias de formação?

DO. O treinador de guarda-redes é muito importante.. em primeiro lugar, porque o papel do ‘GK’ é uma posição única, diferente de todas as outras. Na verdade, um guarda-redes deve saber não apenas como salvar um gol, mas ele tem que saber como apoiar sua defesa, como jogar e passar, como a equipe se move, como se comunicar e motivar… e isso não é fácil!! Uma mistura de aspectos técnicos, táticos, físicos e psicológicos, tudo isso sendo importante ao mesmo tempo. Não se esquecendo que nas ligas profissionais chinesas os guarda-redes estrangeiros não podem jogar, então é extremamente importante construir bons guarda-redes de base e academias, se a China quiser ter um alto padrão de jogadores em suas principais ligas e em suas seleções nacionais.

Como corrigir as principais deficiências técnicas dos guarda-redes chineses?

DO. Como eu disse, a posição do guarda-redes é provavelmente o papel mais difícil no futebol, pois tem uma mistura de diferentes habilidades técnicas, táticas e físicas apoiadas por fortes habilidades psicológicas e de liderança. Se o guarda-redes é fraco, apenas uma dessas áreas de sua fraqueza influenciará em todas as outras áreas. Eu acho que não é certo falar apenas sobre aspectos técnicos. Por todas estas razões, precisamos de anos para construir um bom guarda-rede tecnicamente e pronto para gerenciar a pressão. Sobretudo, o segredo é sempre criar um bom ambiente nas academias, projeto de longo prazo, com a mentalidade de paciência. Um projeto sério de guarda-redes em formação nas academias é a chave para ter os melhores guarda-redes profissionais. Assim no futuro podendo ter alto padrão de performances de diversos guarda-redes chineses nas melhores ligas.

Dimitri ao lado dos jovens guarda-redes chineses. (Foto: Arquivo pessoal)

Você também participa da preparação de guarda-redes da equipe profissional?

DO. Eu não participo mais dos treinamentos de equipes de cima. Mas com os treinadores, tanto o chinês e o guarda-redes estrangeiro é interessante e útil cooperar, apoiar e compartilhar idéias. Quando é possível, é bom compartilhar diferentes pontos de vista e tirar algo de sua grande experiência. A conexão entre a nossa academia de formação e a primeira equipe é importante para os resultados.

Diferente de outras equipes chinesas, o Qingdao Jonoon é um clube que há muito tempo mantém as formações de jovens jogadores. Creio eu que alguns dos atletas do clube se destacaram recentemente ou estou errado?

DO. Sim, um bom exemplo disso é o meia Zhong Yihao, nosso jovem jogador que se juntou à primeira equipe do Jonoon durante as últimas temporadas e teve grande oportunidade de se mudar para o Guangzhou Evergrande nesta temporada, um dos melhores clubes da Ásia. Mas as três principais divisões nacionais estão cheias de jogadores que jogaram e foram formados pelo Jonoon. Nós não somos o clube da Super Liga da China com o poder do Shandong Luneng ou Evergrande, mas a nossa administração cuida de jogadores jovens e seu desenvolvimento com uma mistura de treinadores estrangeiros e bons treinadores locais. Nós somos um ‘pequeno’ clube, mas temos quase todas as gerações em nossa academia, coisa não tão usual na China.

O meia Zhong Yihao (hoje no Guangzhou Evergrande) formado no Qingdao Jonoon recebe a premiação de melhor jogador jovem da China League Two 2017. (Foto: Terceira Divisão Chinesa).

Como você avalia o trabalho das categorias de formações de Qingdao Jonoon?

DO. Estamos satisfeitos com o nosso trabalho durante as últimas temporadas na academia. O nível cresce e achamos que estamos no caminho certo. Apenas um exemplo: ano passado o guarda-redes sub-15, Wang Bodong, se juntou várias vezes à seleção nacional durante a temporada e no dia 6 estará novamente convocado. Nossas equipes sub-15 chegaram nos primeiros 6 lugares nacionais, os u17 nos 20 primeiros e imediatamente atrás de todos os grandes clubes vencendo Guangzhou Evergrande. Um dos nossos Guarda-redes e três outros jogadores do nosso sub-18/19 estão com o primeiro time para esta temporada. Acho que essas são boas coisas para uma academia de um clube da segunda liga. A nossa boa cooperação entre treinadores estrangeiros e locais é liderada pela experiência de Aleksandar Borojevic (Diretor da Academia de jovens de jovens do Qingdao Jonoon, que trabalhou por vários anos para Federação Croata) que está trazendo bons resultados e mantendo a boa tradição dos jovens jogadores do clube.

A  província de Shandong é considerada por muitos como a casa do futebol mundial. Hoje essa região realmente respira o futebol e a China estará no top mundial no futuro?

DO. Há alguns anos atrás, por exemplo, quando o futebol na China não era popular como agora, Shandong e Qingdao eram sempre exceções. Com certeza a paixão pelo futebol na Europa em países como Itália, Espanha na Inglaterra ou na América do Sul é diferente, porque para nós o futebol é como religião. Mas eu posso dizer que a paixão pelo futebol está crescendo muito rapidamente, dos programas escolares ao futebol na TV, das escolas de futebol a academias de futebol profissional.

Sim. O governo está ajudando e impulsionando o futebol com grandes investimentos e a paixão está crescendo. Mas tudo precisa de tempo. A China tem que manter e melhorar o futebol juvenil se quiser melhores resultados, jogadores e melhor nível em suas ligas profissionais. Se você tiver boas academias em 10/15 anos, terá bons jogadores e o nível até da liga um e dois também crescerá. Basta ter paciência, nada pode acontecer do dia para a noite.

O que dizer sobre os recentes resultados do seu compatriota Marcello Lippi à frente da seleção chinesa?

DO. A Copa da China foi um pesadelo para o futebol chinês e seus torcedores. Mas, novamente, quem pode ser duvidoso sobre o trabalho de Lippi e sua equipe? Ele ganhou tudo com a Itália e Juventus, seu profissionalismo é bem conhecido. Ele só precisa de tempo. Ele pegou a seleção chinesa em um mau estado e quase conseguiu levar a Copa do Mundo. Eu realmente espero que ele possa melhorar a situação e ter bons resultados para o futebol chinês.

Marcello Lippi e Ryan Giggs durante a goleada sofrida por sua seleção na China Cup. (Foto: BBC)

Na sua opinião, os guarda-redes chineses têm capacidade para jogar no futebol europeu ou isso ainda não é possível?

DO. Porque não? No momento há um par de guarda-redes interessantes na Super Liga Chinesa (Yan Junling, Wang Dalei, Zeng Cheng) aproximando do nível das principais ligas europeias. Há também guarda-redes interessantes e experientes na segunda e na terceira liga. Eu quero mencionar apenas o nosso guarda-redes Wang Qi da equipe profissional, que no ano passado venceu o prêmio ‘Luva de Ouro’ da China League Two.

Ele mereceu esse prêmio depois de jogar uma ótima temporada. Ele tem futuro brilhante na minha opinião e estamos em boas mãos novamente nesta temporada em nossa primeira equipe.

Qual é a sua expectativa individual e coletiva (clube) para a temporada 2018?

DO. Com certeza continuar com nosso trabalho na academia, tentando ajudar os jovens jogadores a estarem prontos para o próximo passo. Você sabe, o objetivo principal de uma academia, na minha opinião, não é ganhar jogos agora, mas construir jogadores prontos para as ligas profissionais em 2,3,4,10 anos. Um projeto de longo prazo. Com certeza queremos mostrar nosso potencial em ligas jovens e tentar ganhar muitos jogos possíveis. Mas, em primeiro lugar, é importante criar jogadores do dia a dia para as primeiras equipes. Eu tinha guarda-redes muito interessantes nas equipes sub-17 e sub-16, além de outros jovens com bom potencial, meu objetivo agora é ajudá-los a alcançar o máximo, sentir-se bem como guarda-redes.

E nós vamos apoiar o nosso primeiro time. A liga dois não é fácil, mas acho que o Jonoon merece estar acima da liga dois. A equipe e nós funcionários vamos lutar até o final da temporada.

Por último, agradecemos a sua disponibilidade Dimitri e pergunto quais são seus planos para o futuro: ficar por mais tempo em solo chinês ou em breve um retorno à Europa?

DO. Depois de mais de dois anos na China, posso dizer que Qingdao é minha segunda casa. Às vezes não é fácil ficar tão longe de casa, mas tenho sentimentos muito bons por esta cidade, este clube e pessoas. Vamos fazer o nosso melhor para esta temporada, então vamos ver.

Eu gostaria de continuar trabalhando na China, a paixão está crescendo e há muito interesse em torno do futebol. Depois desta temporada, vou ver o que será melhor para mim. Mas no momento estou satisfeito e feliz com a minha experiência aqui em Qingdao. Muito obrigado a vocês.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter