Johnny Reef (João Lopes). “Adoro os meus patrocinados e claro sem eles nada disto era possível!”

Palex FerreiraJunho 6, 20186min0

Johnny Reef (João Lopes). “Adoro os meus patrocinados e claro sem eles nada disto era possível!”

Palex FerreiraJunho 6, 20186min0
João Lopes, ou como é mais conhecido no Mundo do surf português, Johnny Reef, falou connosco sobre a sua vida nas "ondas" e o desenvolvimento da modalidade em Portugal

João Lopes, na Caparica conhecido desde sempre como o Johnny, e desde que começou a trabalhar com a marca de surfwear Reef, passou então a ser o Johnny da REEF, é uma das principais figuras do surf caparicano, era um surfista bastante activo nos anos 80/90 na “sua” Praia Nova. Conhecido por ser brincalhão, e uma das caras mais conhecidas do mercado de surf na área, actualmente já não surfa com a intensidade que pretendia, mas a vontade em regressar é elevada.

Décadas a trabalhar com marcas ícones como a MCD (More Core Division), a GOTCHA, actualmente a REEF, Creatures of Leisure, SEXWAX entre tantas outras que são comercializadas pela empresa AURA.

Iremos, num futuro próximo, tentar falar com outras figuras do surf português, mas alguns são complicados de encontrar.

Fomos até ele perceber o que se passa hoje em dia, do lado mais comercial do surf em Portugal.

Johnny a destruir as ondas, na “sua” Praia Nova, nos anos 80/90. Foto: Arquivo Pessoal
Quem é o Johnny REEF, e como tudo começou para ele:

JR. Comecei a fazer surf com 14 anos nas praias da Caparica mais precisamente na praia Nova ,dois anos mais tarde comecei a trabalhar na primeira surf shop do país (MIRAMAR SURF SHOP) onde com 18 anos cheguei ao cargo de gerente uns meses depois fui trabalhar para a SAMADI SURF SHOP.”

Há quantos anos ligados à Aura do Rico Moser?

JR. Estou ligado ao grupo Samadi à mais de 28 anos comecei na loja onde mais tarde passei para vendedor da distribuição que ainda me encontro até hoje.

Que marcas gostaste mais de representar?

JR. Bem como o meu nome já indica a Reef sem duvida é um amor grande mas nada é para toda vida, adorei trabalhar no principio com a minha primeira marca MCD (More Core Division) e Gotcha mais recentemente com Creatures, Surfears, Sexwax e Salt & Stone.

Com os fundadores da REEF, os irmãos Fernando e Santiago Aguerre. Foto Arquivo Pessoal
Qual o estado do surf em portugal do ponto de vista das marcas, no teu caso, da Reef e todas as outras que comercializas?

JR. Bem o mercado do surf não está fácil, tanto nacional como internacional, varia muito com as modas e tendências. Mas o nosso mercado em si tem vindo a acertar, pois continuam a abrir novas Surf shops, Retro shops, Longboard shops, Lifestyle shops e Image store estas mais recentes, e estão com grande imagem e bem cuidadas.

Também devo dizer sem me excluir que fizemos muita porcaria, no principio de quando o mercado começou abrir, (também não havia outras lojas). Hoje o nosso caminho mudou, temos que nos reposicionar no mercado trabalhando com lojas premium e não com grandes lojas sem imagem e cuidado nenhum, que mais parecem umas feiras, e posso já dizer quem não mudar fica pelo caminho e acabam-se por matar grande marcas.

Sobre as marcas que comercializo as técnicas Creatures of Leisure, Surfears e Sexwax estão a correr muito bem, estou a trabalhar com grandes parceiros no nosso mercado e as marcas são de qualidade e com grande cuidado com a imagem.

Com a REEF de há uns anos para cá temos vindo a subir, não muito, mas sempre é uma subida. Sendo que é uma das marcas que reposicionamos no nosso mercado trabalhando com boas lojas porque a própria marca preocupa-se com qualidade, conforto, imagem e com o bem-estar do nosso planeta.

A nossa mais recente aquisição Salt & Stone, já está a surpreender pela positiva pelas compras dos nossos parceiros e já com grande feedback positivo do nosso consumidor final.

A Ligação com a REEF já tem alguns anos. Foto: Arquivo Pessoal
Tens algum papel na escolha de futuros patrocinados e apoios, para as marcas?

JR. Qualquer atleta e apoiado tem sempre que passar por mim e claro pelo Rico (Moser- CEO da AURA). Sendo que é uma escolha tomada em conjunto, em geral os nossos embaixadores das marcas, são pessoas com boa imagem na vida e principalmente, a ideia é estarem identificados com os valores da própria a marca.

Com o Campeão Mundial WSL Mick Fanning Foto: Arquivo Pessoal
Ainda existe muito quem compre as coisas e coloque autocolantes para se parecer patrocinado ou nem por isso?

JR. Tens e não são poucos, e vai continuar haver. Existem pessoas querem mostrar uma coisa que não são e com autocolantes a mais ou a menos não há milagres, para quem não tem talento, ou nem trabalha para atingir os níveis de performance definidos.

Quem gostas de patrocinar?

JR. Adoro os meus patrocinados e claro sem eles nada disto era possível e desde já um grande obrigado para os atuais e os do passado que nunca são esquecidos.

Actualmente são estes:

Reef – Francisco Alves, Guilherme Ribeiro, João de Macedo, João Moreira, Martim Nunes e Gonçalo Vieira

Creatures of Leisure  –  Afonso Antunes, Guilherme Ribeiro, Martim Nunes, Santiago Graça, Gabriel Ribeiro , Gonçalo Vieira e a nossa menina Camilla Kemp.

Sexwax – Camilla Kemp, Guilherme Ribeiro, Martim Nunes, Santiago Graça, Gabriel Ribeiro e Gonçalo Vieira.

Quem gostarias de ver na REEF (Portugal e Mundial)?

JR. Sem duvida o nosso português Frederico Morais (Kikas) adoro a sua humildade e a pessoa em si, lá fora adoro atletas como Mick Fanning, Kelly Slater, Ítalo Ferreira, Griffin Colapinto, John John Florence , Joan Duru e por último a irreverência de Mikey Wright.

Mensagem para os surfistas em geral?

JR. A minha mensagem é a mesma a algum tempo para cá “POR FAVOR MANTENHAM AS PRAIAS LIMPAS” ajudem a divulgar às pessoas que nada fazem planeta, porque devemos ser nós, a dar esse exemplo, surfistas, amantes de praia, empresas de surf, escolas de surf, bodyboard, longboard, retroboard e sup etc.

Boas ondas para todos relaxem com o surf pois é uma dádiva da natureza .

#Aloha

Foto: Arquivo Pessoal

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter