Arquivo de Corrida - Fair Play

XPB_866911_HiRes.jpg?fit=1024%2C683&ssl=1
Luís PereiraMarço 26, 20173min0

Vettel e Ferrari voltam às vitórias, batendo Hamilton e a Mercedes; Hamilton não comete erros, mas fica em 2º; Vettel e Ferrari genuinamente rápidos; duelo Mercedes vs. Ferrari para a restante época?

Sebastian Vettel venceu a primeira corrida de 2017, que não teve muito em espetáculo, mas trouxe uma nova vida à Fórmula 1.

Os novos carros, mais rápidos, mais agressivos trouxeram uma corrida que teve poucas ultrapassagens em pista, mas que trouxe um vencedor que não se via no topo do pódio desde 2015.

Sebastian Vettel conseguiu derrotar os favoritos Mercedes e provar que 2017 pode vir a ser uma luta renhida entre a Mercedes e a Ferrari. A vitória na Austrália foi uma alívio para a Scuderia. Lewis Hamilton, que partiu da pole, arrancou bem e liderou o início da corrida, mas a Mercedes perdeu a corrida na estratégia e na velocidade.

Apesar de Lewis Hamilton não ter cometido qualquer erro durante todo o fim de semana, a vitória foi para os lados da Ferrari. Sebastian Vettel conseguiu estar sempre a acompanhar o ritmo de Hamilton. Depois, aproveitou as paragens nas boxes para passar à frente, de onde não voltou a sair.

Depois Vettel só teve de controlar o ritmo, já que Hamilton não se conseguiu chegar perto e nem tentou disputar a liderança com o alemão da Ferrari. Os papeis de 2016 ficaram invertidos, no ano passado a Ferrari estragou a estratégia e entregou a vitória à Mercedes.

Não muito longe, em 3º, ficou Bottas, na sua estreia pela Mercedes. Bottas bateu facilmente o compatriota Raikkonen, em 4º, numa corrida apagada. Em 5º ficou o Red Bull resistente, de Max Verstappen, sem andamento para chegar ao pódio.

Em 6º lugar ficou o só Felipe Massa, que mostrou que a Williams está à frente do restante pelotão. Pelotão esse que este ano parece estar bastante afastado dos lugares cimeiros, já que Massa foi o último a não ser dobrado e ficar uma volta atrás.

O top 10 foi completado por Sergio Perez, ambos os Toro Rosso, com Carlos Sainz na frente de Kvyat, e o último lugar a ir para o estreante Ocon, no segundo Force India.

O azarado do dia até foi Fernando Alonso, que depois de uma fantástica qualificação, onde ficou em 13º. Na corrida rodou sempre nos pontos, mas teve de retirar perto do fim, com uma falha na suspensão. Um verdadeiro milagre, já que Alonso alertou que a McLaren é capaz de ser a equipa mais lenta do pelotão, por causa do motor Honda estar sem potência a ser cerca de 30 km/h mais lento que o Mercedes.

Apesar de ser apenas a primeira corrida do ano, é seguro afirmar que este ano vai ser mais disputado do que nos anos anteriores. A Ferrari parece ser uma ameaça real para o domínio da Mercedes, que vai ter de lutar para se manter no topo.

O que se segue?

Um duelo entre Hamilton e Vettel com maquinas de valor semelhante é algo pelo qual os fãs de F1 sempre ansiaram. Pode ser que 2017 nos traga isso mesmo. Teremos de esperar pela próxima corrida, na China, no dia 9 do próximo mês. Shangai tem uma pista mais tradicional, onde dará para entender melhor as forças das respetivas equipas e se irá materializar-se um duelo Hamilton vs. Vettel.

GRANDE PRÉMIO DA AUSTRÁLIA

(Foto: F1.com)

MUNDIAL DE PILOTOS

(Foto: f1.com)

MUNDIAL DE CONSTRUTORES

(Foto: f1.com)
15253521_707381212752197_5600857752967527832_n.jpg?fit=960%2C540&ssl=1
Luís PereiraNovembro 27, 20163min0

Nico Rosberg campeão do mundo; 34 anos depois do pai, Keke Rosberg; Lewis Hamilton vence o GP, mas não chega para defender o título; Vettel em 3º, depois de uma excelente corrida.

Nico Rosberg é o campeão do mundo de Fórmula 1! Depois de muitas lutas e emoções, chegou ao fim mais uma temporada de F1. Nico Rosberg venceu o Campeonato, depois de terminar a corrida final, em Abu Dhabi, em 2º lugar, atrás de Lewis Hamilton.

Lewis Hamilton venceu o Grande Prémio, mas precisava que Rosberg não terminasse no pódio. Hamilton controlou a corrida e tentou, no final, atrasar Rosberg, mas não foi o suficiente.

O britânico, perde assim o título para o colega de equipa, apesar de ter vencido 10 corridas durante toda a temporada. Hamilton tem agora 53 vitórias na F1, atrás apenas de Schumacher, com 91.

Hamilton, apesar de ter vencido quase sempre o colega de equipa em pista, teve muitos problemas mecânico e maus arranques, com culpa própria, que o tiraram da luta. Rosberg soube sempre aproveitar esses momentos, aliando isso a uma nova motivação e capacidade de lutar contra o estatuto de Hamilton.

Rosberg é agora um campeão do mundo, 34 anos depois do pai, Keke Rosberg. Esta é segunda vez que algo do género acontece, já que Damon Hill foi campeão em 1996, depois do seu pai Graham Hill também o ter feito em 1962 e 1968. É também a primeira vez que um piloto alemão é campeão numa equipa alemã.

Sobre a corrida em si, Hamilton dominou do início ao fim e de tudo fez para conseguir que Rosberg ficasse à mercê dos pilotos da Red Bull e da Ferrari. Apesar destes esforços, Rosberg manteve a cabeça fria e inclusive chegou a ultrapassar Verstappen a meio da corrida, apesar de este ser sempre agressivo a disputar posições.

(foto: f1.com)
(foto: f1.com)

Vettel fez uma grande corrida e acabou em 3º, depois de uma mudança estratégica da Ferrari, na frente de Verstappen e Ricciardo, que nunca conseguiram ameaçar verdadeiramente os Mercedes. Raikkonen ficou em 5º, em frente ao duo da Force India, e de Felipe Massa. Fernando Alonso terminou em 10º, no último lugar pontuável.

Palavras de apreço para Felipe Masse e Jenson Button. Ambos fizeram o último GP da carreira, com sortes distintas, já que Massa pontuou e Button abandonou com problemas mecânicos. É assim o final para duas ilustres carreiras, de dois pilotos que conduziram pelas melhores equipas do pelotão, como Ferrari, McLaren e Williams.

Chegou ao fim mais uma época, com um novo campeão e com novas regras por chegar. 2017 vai ser um ano de novas regras, novos carros, mais largos, agressivos e rápidos, com pneus mais largos e total liberdade de desenvolvimento das unidades motrizes.

Vamos ter uma folha em branco que pode trazer novidades e talvez um pelotão mais próximo e competitivo. 2017 vai ter um campeão que vai querer provar que 2016 não foi “sorte”, com um Hamilton ferido no orgulho que vai querer provar que este ano foi um acidente de percurso e com uma Ferrari, McLaren e Red Bull a querer voltar à luta, liderados por Vettel, Alonso, Ricciardo e Verstappen.

GRANDE PRÉMIO DE ABU DHABI

(foto: f1.com)
(Foto: f1.com)

CAMPEONATO DO MUNDO DE PILOTOS

(foto: f1.com)
(Foto: f1.com)
15000873_699740806849571_7489857808595740499_o.jpg?fit=1024%2C683&ssl=1
Luís PereiraNovembro 15, 20162min0

Lewis Hamilton vence o GP do Brasil, a sua 52ª vitória, e adia a decisão do título; Rosberg fica em 2º e basta um 3º lugar na última corrida para garantir o desejado título; Verstappen em 3º faz corrida sensacional e merecia mais do que o último lugar do pódio.

Lewis Hamilton venceu, finalmente, o Grande Prémio do Brasil. Depois de 9 tentativas, Lewis Hamilton finalmente conseguiu o objetivo de vencer o Grande Prémio do seu herói, Ayrton Senna. Para isso, Lewis Hamilton precisou de sobrevier a duas bandeiras vermelhas, muita chuva e vários incidentes e acidentes.

Lewis Hamilton liderou do início ao fim, uma corrida que teve o seu início adiado por causa do mau tempo, tanto que no começo Romain Grosjean bateu com o seu carro, no caminho para a grelha de partida.

O mau tempo obrigou a corrida a ser iniciada atrás do safety car, que por ali ficou durante 7 voltas, mas teve de voltar várias vezes à pista. Numa dessas vezes, foi na volta 20, por causa de um acidente de Raikkonen, que fez surgir a bandeira vermelha.

A corrida foi reatada 35 minutos depois, mas houve nova interrupção 8 voltas depois, com nova interrupção desta vez de 27 minutos. A corrida voltou com Verstappen a ultrapassar Rosberg pelo 2º lugar, mas a perdê-lo por causa de um erro de estratégia da Red Bull.

Esse erro levou Verstappen ao 16º posto, mas depois de uma corrida sensacional e algumas ultrapassagens, o miúdo maravilha conseguiu ainda chegar a um incrível 3º lugar. Apesar de um lugar no pódio ser sempre positivo, ficou a sensação de que Verstappen merecia mais.

Entretanto Felipe Massa teve um acidente, que fez o brasileiro acabar a sua última participação no GP do Brasil em lágrimas.

Rosberg ficou em 2º, fazendo assim o seu papel, já que um 3º lugar, na última corrida, serve para garantir o título mundial de pilotos.

Hamilton cumpriu o seu dever, venceu, adiou o a decisão do título para Abu Dhabi, mas sabe que as coisa não abonam a seu favor e só um grande azar será capaz de roubar o título ao alemão.

GRANDE PRÉMIO DO BRASIL

(foto: f1.com)
(foto: f1.com)

 

MUNDIAL DE PILOTOS

(foto: f1.com)
(foto: f1.com)
XPB_849404_HiRes.jpg?fit=1024%2C683&ssl=1
Luís PereiraOutubro 25, 20163min0

Lewis Hamilton vence o GP dos EUA; 50ª vitória do britânico; Rosberg em 2º limita danos; Ricciardo em 3º; excelente corrida de Alonso em 5º; campeonato ainda em aberto, mas Rosberg tem uma mão na taça.

Lewis Hamilton mantem viva a esperança de voltar a ser Campeão do Mundo, depois de vencer o Grande Prémio dos EUA. Depois de ter dominado a qualificação, Lewis Hamilton dominou de ponta a ponta a corrida.

Hamilton livrou-se dos “gremlins” que têm afetado os seus arranques e largou na frente, para uma vitória segura. Esta foi a 50ª vitória do britânico, que está apenas a uma das 51 de Alain Prost, mas ainda distante das imensas 91 de Michael Schumacher.

Quem não venceu, mas conseguiu “não perder”, foi Nico Rosberg, que terminou em 2º, mas poderia ter sido pior. No arranque ficou atrás de Ricciardo e só graças a um Safety Car virtual é que o líder do campeonato mundial é que conseguiu passar o piloto da Red Bull.

Ricciardo, que acabou por terminar no último lugar do pódio, estava a conseguir manter o seu Red Bull no 2º lugar com relativa facilidade. Um pódio é sempre um pódio, mas Ricciardo começa a querer voar mais alto.

Em 4º ficou Sebastian Vettel, sem ter hipótese de lutar para chegar ao pódio. Os Ferrari simplesmente parecem ter perdido o andamento de 2016 e desejam que 2017 chegue depressa.

Com uma excelente corrida de recuperação, em 5º lugar ficou Fernando Alonso. Alonso e a McLaren andam a mostrar que estão a evoluir e se em 2017 derem um carro competitivo ao espanhol ele irá lutar novamente por vitórias.

Para chegar ao 5º lugar Alonso teve de lutar muito com Carlos Sainz, que foi 6º, igualando o seu melhor resultado do ano conseguido em Espanha, e com Felipe Massa, em 7º. Sergio Pérez ficou logo atrás, em 8º, à frente de Button, a completar uma boa corrida da McLaren.

Romain Grosjean completou o top10 e deu uma prenda a Gene Haas ao pontuar nos ‘States’, a sua corrida “caseira”.

Lewis Hamilton cumpriu aquilo que se lhe pedia para continuar a lutar pelo título, mas a sorte não tem sido sua amiga este ano. Hamilton sente-se melhor quando está a atacar e pode conseguir fazer Rosberg quebrar, mas o alemão este ano tem cometido poucos erros.

Será interessante perceber qual dos dois vai quebrar primeiro. Apesar de Rosberg estar claramente mais confortável, uma corrida menos boa pode por parte do alemão pode pôr Hamilton de novo bem perto de renovar o título.

Com apenas três corridas pela frente, uma coisa é certa, vamos saber quem será o campeão do mundo de F1 em pouco mais de um mês.

 GRANDE PRÉMIO DOS EUA

(foto: f1.com)
(foto: f1.com)

CAMPEONATO MUNDIAL DE PILOTOS

(foto: f1.com)
(foto: f1.com)
M44328_D326858.jpg?fit=1024%2C683&ssl=1
Luís PereiraOutubro 12, 20162min0

Nico Rosberg vence GP do Japão; alemão lidera por 33 pontos; Hamilton, em 3º, já não depende só de si para ser campeão; Verstappen fica em 2º, em mais um pódio; Mercedes volta a ganhar o Campeonato do Mundo de Construtores.

Nico Rosberg deu um passo de gigante para chegar ao título mundial. Rosberg venceu o Grande Prémio do Japão, alargando ainda mais a sua vantagem pontual. Hamilton voltou a comprometer, arrancou mal, a 4ª vez esta temporada, e comprometeu a suas hipóteses logo na partida.

Rosberg largou bem da pole e controlou do início ao fim, principalmente sem a pressão de ter de defender posição. Quem ficou em 2º, sem nunca lutar pela vitória foi Max Verstappen, que conseguiu mais um pódio e aguentar-se dos ataques de Lewis Hamilton.

O grande derrotado da corrida no Japão foi Hamilton. O ainda campeão do mundo precisava de dar uma resposta sólida depois do azar na Malásia, mas nunca esteve nos seus dias, ao ser batido por Rosberg durante todo o fim de semana.

Hamilton nem conseguiu limitar os danos, ficando em 3º lugar, e agora está a uns “enormes” 33 pontos de Rosberg. O inglês bem tentou passar Verstappen, mas sem sucesso. A partir de agora, para revalidar o título, Hamilton precisa de um azar de Rosberg, porque mesmo vencendo todas as corridas, isso não garante o título.

Atrás de Hamilton ficou Vettel, o melhor da Ferrari, que esperava mais nesta corrida, em frente do colega de equipa, Raikkonen. Ricciardo ficou-se pelo 6º lugar, com queixas de perda de potência, à frente da dupla da Force India e da Williams, que completaram o top 10.

Esta também foi a corrida de coroação do 3º título de construtores da Mercedes. Já era esperado, mas com imenso mérito. Da mesma forma que a Red Bull dominou a era 2009-2013, a Mercedes também o fez nesta era hibrida, entre 2014-2016. Por isso se aguarda com tanta expectativa a grande mudança de 2017, para ver e vai aproximar mais o pelotão. Mas enquanto 2017 não acontece só há que dar os parabéns à Mercedes, pelo excelente trabalho que realizou durante estas três temporadas.

 GRANDE PRÉMIO DO JAPÃO

(foto: f1.com)
(foto: f1.com)

MUNDIAL DE PILOTOS

(foto: f1.com)
(foto: f1.com)
P-20161002-01403_HiRes-JPEG-24bit-RGB-News.jpg?fit=1024%2C683&ssl=1
Luís PereiraOutubro 5, 20163min0

Ricciardo vence corrida depois de azar de Hamilton; dobradinha para a Red Bull, a primeira desde 2013, com Verstappen em 2º; Rosberg recupera de mau início e termina em 3º; Hamilton, depois de dominar, abandona e tem agora 23 pontos a separá-lo de Rosberg.

Ricciardo venceu a corrida do Grande Prémio da Malásia, voltando às vitórias, que já lhe fugiam desde Spa em 2014. Esta vitória veio às custas do azar de Lewis Hamilton, que tinha controlado todo o Grande Prémio, parecia estar com a corrida na mão, mas sem qualquer previsão, na volta 40, o motor do Mercedes de Hamilton explode e tira Hamilton da corrida. Foi um golpe duríssimo para o ainda Campeão do Mundo, que tem agora uma grande desvantagem pontual para Rosberg, com apenas 5 corridas por disputar.

Um desesperado Hamilton mostrava, através da sua linguagem não verbal, que isto tinha sido um enorme golpe, um de muitos que já aconteceram este ano. Aliás, no final da corrida, Hamilton questionava-se de porque seria ele o único afetado por tantos problemas mecânicos.

(foto: f1fanatic.co.uk)
(foto: f1fanatic.co.uk)

Pouco preocupado com isso deviam de estar os três homens no pódio, principalmente Ricciardo e Rosberg. Ricciardo finalmente pôde fazer o “shooey” para celebrar uma vitória. A Red Bull está cada vez mais competitiva, e apesar de ainda não conseguir lutar de igual para igual com a Mercedes, já consegue ter condições para estar lá pronta a aproveitar os erros da equipa germânica.

Verstappen, em 2º, completou a dobradinha da Red Bull e ainda tentou lutar pela vitória, mas não teve andamento para o colega de equipa, por isso teve de se contentar com um ótimo 2º lugar no pódio.

Apesar de não ter sido o vencedor da corrida, o homem mais feliz do dia deveria ter sido Nico Rosberg. Rosberg recuperou de um incidente no início da corrida, que o atirou para o fundo do pelotão, recuperou até ao 4º lugar, lutou e embateu em Raikkonen pelo 3º, onde acabou, apear de uma penalização de 10 segundos por esse toque no finlandês. Tudo isso, aliado à desistência de Hamilton fez com que o alemão aumentasse a sua vantagem pontual para 23 pontos. O alemão sabe que conseguirá chegar ao titulo a não ser que a “lady luck” se mude para a garagem ao lado.

Quem merece destaque também é Fernando Alonso, que fez uma prova de enorme nível, onde passou de último lugar para 7º. Alonso já tinha demonstrado nos treinos que estava em boa forma, mas muito disso era atribuído à evolução do novo motor Honda, que não foi utilizado na corrida, mas que nem assim foi suficiente para impedir Alonso de realizar uma enorme corrida de recuperação.

Na próxima corrida, no Japão, a realizar-se no próximo fim de semana, se Hamilton vai conseguir recuperar emocionalmente e a nível pontual desta enorme desvantagem, ou se Rosberg vai conseguir aproveitar o momento para criar um fosso pontual ainda maior.

O Campeonato do Mundo de Construtores está quase decidido, mas o de pilotos ainda tem muita emoção por chegar.

GRANDE PRÉMIO DA MALÁSIA

(foto: formula1.com)
(foto: formula1.com)

CLASSIFICAÇÃO MUNDIAL DE PILOTOS

(foto: formula1.com)
(foto: formula1.com)
14361295_664573430366309_4557226647536850710_o.png?fit=1024%2C576&ssl=1
Luís PereiraSetembro 18, 20163min0

Nico Rosberg volta à liderança do campeonato com a vitória no GP de Singapura; alemão dominou do início ao fim, mas ainda esteve sobre pressão no final; Ricciardo fica em 2º, mas ainda sonhou com a vitória; Hamilton, num fim de semana para esquecer, fica em 3º; Vettel recupera de último para 5º Mercedes apenas a 8 pontos do Campeonato de Construtores.

Nico Rosberg venceu e dominou o GP de Singapura e voltou ao topo à liderança do Mundial de Pilotos. Nico Rosberg arrancou bem, foi gerindo e aumentando o ritmo a seu belo prazer, mas no fim, quando Ricciardo puxou e pressionou bastante, foi capaz de ter ritmo suficiente para conseguir a vitória. Uma vitória tornada ainda mais saborosa por Rosberg saber que Hamilton, apesar de não ter tido qualquer problema mecânico, nunca chegou a ser uma ameaça, ficando-se pelo 3º lugar, longe de lutar pela vitória. Hamilton vai ter muito para repensar, já que foi claramente batido a nível de andamento.

Daniel Ricciardo, que tinha uma estratégia de pneus diferente, bem puxou pelo seu Red Bull, mas não foi o suficiente para o fazer chegar em 1º à bandeira de xadrez. Apesar de ainda ter assustado Rosberg no final, Ricciardo não teve voltas suficientes para ultrapassar o piloto da Mercedes.

A corrida começou com uma presença habitual em Singapura, com a entrada do safety car, porque houve um choque logo no arranque, que afetou destruiu o Force India de Hulkenberg. Este safety car acabou por ajudar muito Vettel, que partiu de último, já que lhe permitiu trocar a sua estratégia. Vettel teve um andamento fabuloso que o levou ao 5º lugar, logo atrás do colega de equipa, Kimi Raikkonen, em 4º.

Em 6º ficou Max Verstapen, que teve de lutar bastante para chegar a esse lugar, já que foi um dos prejudicados pela entrada do safety car, que ficou à frente de Fernando Alonso, numa excelente prestação do espanhol, numa pista onde a McLaren-Honda sentiu dificuldades.

O top10 ficou completo com a presença de Sergio Perez, o Force India sobrevivente, por Kvyat, a voltar aos pontos depois de 3 corridas “a seco” e por Magnunssen, que deu um pontinho e uma razão para a Renault sorrir.

Com esta vitória Rosberg chega às 22 vitórias no total, que o tornam no 13º piloto com mais vitórias, igualando Damon Hil. Já a Mercedes só precisa de 8 pontos para voltar a garantir o já esperado Campeonato de Construtores.

A F1 regressa dia 30 para o Grande Prémio da Malásia, em Sepang.

GRANDE PRÉMIO DE SINGAPURA

22248290-4664-4f93-b671-1a172eab89a4_800
(Foto: formula1.com)

 

CAMPEONATO DO MUNDO DE PILOTOS

a4e98e75-3ac7-46cc-88c8-e261eeebe84c_800
(Foto: formula1.com)
XPB_838709_HiRes.jpg?fit=1024%2C683&ssl=1
Luís PereiraSetembro 6, 20162min0

Rosberg vence em Itália e pode agradecer a Hamilton; o alemão dominou do início ao fim; Hamilton arrancou mal e teve de lutar para chegar ao 2º lugar; Vettel em 3º com a Ferrari de volta aos pódios; Mercedes num mundo à parte.

Nico Rosberg ganhou o Grande Prémio de Itália calmamente, muito por culpa do erro de Lewis Hamilton, logo na partida, com um péssimo arranque. Lewis Hamilton, que dominou a qualificação, não aproveitou a enorme vantagem competitiva com que conquistou a pole. O britânico deixou o carro patinar no arranque e caiu para 6º logo na primeira curva. Esse erro obrigou Hamilton a lutar por posições, em busca do prejuízo. Apesar de o Mercedes ser rápido o suficiente para deixar Hamilton em 2º apesar desse erro, não era o suficiente para chegar perto de Rosberg, que teve uma corrida calma, sossegada e controlada. Hamilton ainda tentou lutar para se chegar perto de Rosberg, mas sem sucesso, a vantagem e andamento do alemão eram demasiado fortes.

EM 3º ficou Vettel, com a Ferrari de volta aos pódios, mas com poucos motivos para celebrar, porque um circuito que os favorecia, a Scuderia não conseguiu chegar nem perto dos Mercedes, a mais de 20 segundos dos Flechas de Prata. Raikkonen ficou num distante 4º lugar, mas que não deixa de ser um bom resultado conjunto para a equipa italiana. Daniel Ricciardo ficou em 5º, longe de conseguir lutar com os Ferrari, mas melhor do que colega de equipa, em brasa por causa dos acontecimentos na Bélgica, Max Verstappen, em 7º. O restante top10 foi ocupado com carros de motor Mercedes, com ambos os Force India e Williams, como seria de esperar.

Com esta vitória, Rosberg está apenas a 2 pontos de Hamilton no campeonato mundial de pilotos. A luta entre os pilotos da Mercedes começa a ser cada vez mais apertada e cada erro poderá custar caro, tal como Hamilton sentiu em Itália.

Com o GP de Itália, termina o calendário europeu, a F1 agora vai para Singapura, durante os dias 16 e 18 de setembro, onde vai começar o pressing final do campeonato mundial.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS