9ª etapa do HSBC World Rugby Sevens Series – Londres

João DuarteMaio 28, 20194min0

9ª etapa do HSBC World Rugby Sevens Series – Londres

João DuarteMaio 28, 20194min0
Realizou-se dias 25 e 26 de maio, em Londres, a penúltima etapa do HSBC World Rugby Sevens Series. As Fiji venceram a etapa e tomaram a liderança do circuito, destronando os Estados Unidos e intensificaram a luta pela vitória desta época.

A duas etapas do final do circuito mundial de sevens 2019, deparávamo-nos com duas seleções candidatas ao título mundial e três que lutavam pela manutenção no circuito.

No topo da tabela estavam os Estados Unidos na liderança da classificação com 145 pontos e em segundo estavam as Fiji com 142 pontos, enquato em terceiro estava a Nova Zelândia com 130 pontos, já a uma distância difícil de se recuperar em duas etapas.

Na parte de baixo encontravam-se o Quénia com 26 pontos, o País de Gales com 25 pontos e o Japão com 22, todas elas em risco de ficar de fora do circuito mundial na próxima época.

Dia 1

No primeiro dia foram algumas as surpresas, com os jogos a terem importância acrescentada.

No oitavo jogo a Irlanda, equipa convidada desta etapa e que se qualificou para o circuito da próxima época, mostrou mais uma vez o seu valor e derrotou a Inglaterra por 17-21, com o ensaio da vitória a surgir na bola de jogo.

No décimo jogo, os Estados Unidos iam acabando empatados, não fosse o País de Gales falhar a conversão de um dos seus quatro ensaios.

No jogo seguinte foi a equipa queniana a fazer pela vida e a derrotar a Samoa na esperança de se qualificar para a Cup e conseguir pontos importantes para a manutenção do seu lugar no circuito.

No 17º jogo foi a vez do País de Gales mostrar o seu valor perante a Espanha e arrancar a vitória por 21-17.

No último jogo do grupo D, os Estados Unidos voltaram a sentir dificuldades, desta feita perante a Austrália e só na bola de jogo garantiram a vitória e consequente qualificação no primeiro lugar do grupo.

No penúltimo jogo do dia, a Irlanda puxou dos galões para dizimar a Escócia, ao vencer por 12-43, e garantir a qualificação para a Cup em detrimento da Inglaterra, que apesar de ter vencido no jogo seguinte frente à Nova Zelâdia acabou relegada para os quartos-de-final da challenge no desempate por diferença de pontos.

Dia 2

No segundo dia começámos com os quartos-de-final da challenge, com o único resultado inesperado a surgir no jogo entre a Inglaterra e a Samoa, com os ingleses a marcarem o ensaio convertido que lhes daria o empate na bola de jogo, e os samoanos a garantirem a vitória no ensaio de ouro aos 22 minutos de jogo (8 minutos de prolongamento).

Nos quartos-de-final da Cup, apenas os candidatos à vitória do circuito mundial sobreviviam à revolução dos underdogs.

A Àfrica do Sul perdeu com a Austrália por 29-22, com os africanos a fazerem uma grande recuperação no final do jogo, mas a não ser suficiente.

A França venceu a Nova Zelândia e acabou com a esperança dos All Blacks de lutarem pela Cup e por uma remota, mas possível disputa pelo circuito mundial.

Já os Estados Unidos e as Fiji iriam vencer o Canadá e a Irlanda, respetivamente, garantindo um lugar nas meias-finais.

Nas meias-finais do 13º lugar, destaque para o Japão que venceu o Quénia por 26-17 e garantiu a aproximação aos africanos na luta pela manutenção.

Nas meias-finais do 5º lugar os sul africanos seriam novamente derrotados, desta vez pela Nova Zelândia com um ensaio na bola de jogo.

Já a Irlanda garantia o outro lugar no jogo do 5º lugar, ao derrotar o Canadá por 14-33.

Nas meias-finais da Cup a Austrália deitava por terra a esperança dos franceses em chegar à terceira final da época.

Na outra meia-final os fijianos garantiam uma importante vitória frente aos líderes do circuito, os Estados Unidos, e abriam a hipótese de subir à liderança.

O 13º lugar da etapa acabou por ser conquistado pelo Japão, que se manteve na última posição do circuito mundial, mas que reduziu para 2 pontos a desvantagem para o Quénia e a possibilidade de manutenção no circuito na próxima época.

A Challenge foi vencida pela Samoa que defrontou e derrotou a Escócia por 26-17.

A Nova Zelândia venceu a Irlanda e conquistou o 5º lugar do torneio.

Os Estados Unidos minimizaram as consequências da derrota frente às Fiji na meia-final e venceram a França, conquistando a medalha de bronze.

Na final, a equipa mais forte foram os fijianos que não deram margem para dúvidas aos australianos e venceram por 7-43, conquistando a etapa e ascendendo à liderança do circuito mundial de sevens.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter