Arquivo de Fabio Quartararo - Fair Play

iMotorbike.jpg?fit=991%2C661&ssl=1
João DuarteNovembro 5, 20193min0

Realizou-se de 1 a 3 de Dezembro a 18ª etapa de MotoGP, o Grande Prémio da Malásia, no Circuito Internacional de Sepang.

Com os prémios de melhor equipa e melhor piloto de entre as equipas independentes ainda em disputa, as atenções voltavam-se para Fabio Quartararo, o Rookie sensação desta época, Jack Miller, a representar a Pramac Racing, e Cal Crutchlow, o veterano que representa a LRC Honda Castrol, todos eles ainda na luta pelo prémio à partida para esta penúltima etapa de 2019.

No primeiro dia de treinos, Fabio Quartararo, líder da classificação de pilotos de equipas idependentes, foi o melhor das duas sessões livres e ficou a mais de 6 décimas do segundo melhor do dia, Andrea Dovizioso.

No segundo dia, Quartararo não conseguiu melhorar, nem manter o ritmo e foi o seu colega de equipa na Petronas Yamaha STR, Franco Morbidelli, a fazer os melhores tempos da terceira e quarta sessões livres, sem no entanto conseguir bater o tempo do francês.

Na sessão de qualificação Fabio Quartaro voltou a ser o melhor e conquistou mais uma pole position, a sua 5ª este ano, a mais de 1 décima de Maverick Viñales e Franco Morbidelli.

Os homens da Petronas pareciam decididos em conquistar não só o título de melhor equipa independente, como o de melhor piloto, com os seus adversários diretos nesta luta a saírem da 4ª e 5ª posições da grelha de partida, na fila de trás.

Na corrida, os pilotos das equipas de fábrica tomaram a liderança logo ao início, com Maverick Vinãles a ser o mais rápido e a ditar o ritmo, conseguindo obter uma vantagem confortável para os adversários, que lhe permitiu arrancar a vitória do Grande Prémio, a sua segunda desta época.

Em segundo ficou Marc Marquez, a mais de 3 segundos, e em terceiro terminou Andrea Dovizioso a mais de 5.

Em 6º e 7º terminaram Franco Morbidelli e Fabio Quartararo, respetivamente, garantindo assim o prémio da melhor equipa independente para a Petronas Yamaha STR, com o francês a consolidar ainda a liderança de melhor piloto, estando agora a 23 pontos de Jack Miller que terminou em 8º lugar.

Miguel Oliveira

Miguel Oliveira ainda realizou 4 voltas na primeira sessão de treinos livres, mas as dores nos pulsos e as mão inchadas fizeram-no desistir do Grande Prémio.

Oliveira foi entretanto operado ao ombro, devido a uma lesão contraída no Grande Prémio da Austrália e encontra-se agora em recuperação, tendo a Tech3 comunicado que o português não iria estar presente no último Grande Prémio em Valência, estando o seu regresso apontado para os testes de Valência, que acontecem a seguir ao Grande Prémio.

Moto2

Na classe intermédia, o irmão do campeão mundial de MotoGP, Alex Marquez terminou a corrida em 2º lugar, atrás de Brad Binder, mas sagrou-se campeão mundial de Moto2, com a vitória do sul-africano da KTM a não ser suficiente e a premiar a excelente época de Alex Marquez.

Os irmão Marquez vencem assim pela segunda vez 2 títulos mundiais no mesmo ano.

Alex Marquez Moto2 Champion! (Foto: The Star)
Quartararo-Crash.net_.jpg?fit=1200%2C800&ssl=1
João DuarteOutubro 23, 20193min0

A 16ª etapa de MotoGP, o Motul Grand Prix of Japan, realizou-se de 18 a 20 de Outubro, no circuito Twin Ring Motegi.

Com Marc Marquez consagrado campeão mundial de MotoGP 2019, as atenções viravam-se agora para a disputa das equipas do ano e do título de rookie.

Certamente que, apesar de já campeão, Marc Marquez não iria dar tréguas aos adversários e iria lutar na mesma pela vitória na corrida, principalmente para ajudar a sua equipa conquistar mais um título de construtores.

No primeiro dia em pista, Fabio Quartararo e Maverick Viñales foram os mais rápidos das duas sessões de treinos livres, com o melhor tempo a pertencer mesmo ao francês, tempo este conseguido na segunda sessão e a deixar o espanhol a mais de 3 décimas.

No segundo dia, as condições atmosféricas alteraram-se e os pilotos tiveram de se adaptar à pista molhada.

Na terceira sessão e o piloto que melhor se adaptou ao piso molhado foi Danilo Petrucci, com Marc Marquez a ficar a menos de 2 décimas do italiano, o que nos dava a esperança de uma possível disputa entre o campeão a representar a Honda e os homens da Ducati.

Na quarta sessão as condições melhoraram ligeiramente e Marquez mostrou mais uma vez o à vontade que tem com a sua mota e a facilidade em levá-la ao limite, deixando os adversários a mais de 1 segundo do seu tempo.

Na qualificação voltou a não dar hipóteses e conquistou mais uma pole position, a sua 90ª nas 3 categorias. A ocupar os outros dois lugares da primeira linha da grelha ficaram os homens da Petronas, que neste momento parecem estar mais à vontade com as suas motas do que os pilotos de fábrica da Yamaha, motas essas supostamente menos desenvolvidas e/ou inferiores.

Na corrida, Marc Marquez ainda teve por perto Fabio Quartararo nas primeiras voltas, mas acabou por ser mais constante e ganhou vantagem de 1 a 2 segundos para o francês, sem que este conseguisse aproximar-se demasiado e ser uma ameaça.

Marquez limitou-se depois a gerir a vantagem que tinha, sem arriscar demasiado, para conquistar a sua 80ª vitória na soma das 3 categorias, celebrando também o título de construtores 2019 com a sua equipa, a Repsol Honda Team.

Marc Marquez 80th! (Foto: Andar de Moto)

Em segundo terminou Fabio Quartararo e consagrou-se Rookie do ano 2019, com mais 97 pontos do que Joan Mir, o Rookie mais próximo do francês, quando faltam apenas 3 corridas para o término da época de MotoGP 2019.

Em terceiro e depois de uma grande luta travada com Maverick Viñales, terminou Andrea Dovizioso, o italiano em que muitos depositavam esperanças para fazer frente a Marquez durante esta época, mas que ficou àquem das expectativas.

Miguel Oliveira

Com a recuperação da lesão no bom caminho, Miguel Oliveira regressava a uma pista onde nunca venceu, mas onde já foi muito feliz.

A sua melhor sessão foi a terceira, onde conseguiu o 10º melhor tempo da mesma, mostrando-se como um dos melhores pilotos em condições mais adversas.

Qualificou-se na 16ª posição a corrida, mas motivado em fazer mais uma corrida de trás para a frente como já nos habituou.

Não teve um bom arranque, mas foi subindo na classificação e fez a maior parte da corrida na 14ª posição, conseguindo depois passar para a 12ª posição a duas voltas do fim, classificação com que iria terminar a corrida e ditava o seu regresso à conquista dos pontos.

Oliveira de volta aos pontos! (Foto: PT Jornal)
Arizona-Daily-Star.jpg?fit=1200%2C853&ssl=1
João DuarteOutubro 9, 20193min0

Realizou-se de 4 a 6 de Outubro a 15ª etapa do Mundial de Motovelocidades, o MotoGP, no Chang International Circuit, na cidade de Buriram, Tailândia.

Com 5 etapas por disputar o campeonato encontrava-se ainda em aberto, mas a possibilidade de se consagrar campeão outro piloto que não Marc Marquez era quase nula, com Andrea Dovizioso a ser o único piloto nessa posição, apesar dos 98 pontos de desvantagem e dos 125 pontos possíveis.

Seria necessário portanto que Marc Marquez acabasse fora dos pontos em 4 das 5 corridas ou que conquistasse apenas no máximo 26 pontos nas 5 corridas e Dovizioso teria de vencer as 5 etapas.

No primeiro dia, Fabio Quartararo foi o mais rápido dos treinos livres com quase 2 décimas de vantagem sobre o segundo Maverick Viñales que tinha sido o melhor da primeira sessão. Marc Marquez sofreu uma aparatosa queda na primeira sessão de treinos e foi encaminhado para o hospital com suspeitas de lesão na coluna e na perna esquerda, dando algumas a Dovizioso, mas o espanhol voltou e realizou a segunda sessão.

No segundo dia, os pilotos realizaram a terceira sessão livre em piso molhado, onde Dovizioso se destacou e deixou os adversários a mais de 8 décimas.

Na quarta e última sessão livre, Quartararo voltou a ser o melhor, sem no entanto conseguir baixar o seu melhor registo do dia anterior.

Na qualificação, Fabio Quartararo voltou a ser o mais rápido e conquistou a sua 4ª pole position em MotoGP, com Maverick Viñales a fazer o segundo e Marc Marquez a fechar a primeira linha da grelha de partida.

Andrea Dovizioso parecia não ter capacidades de fazer frente ao líder do campeonato e era apenas o 7º na qualificação.

Chegado o “Dia D” e com a visível incapacidade de Dovizioso se aproximar dos pilotos mais rápidos, a questão era se Marquez se consagraria campeão nesta etapa.

Na corrida, cedo se percebeu que esta seria disputada por Marquez e Quartararo, com Maverick Viñales a não conseguir acompanhá-los e a perder terreno volta após volta.

Quartararo parecia mais forte no início da corrida, liderando-a e aumentando a margem para Marquez até à 10ª volta, onde tinha uma vantagem de quase 7 décimas. Nessa altura percebeu-se o desgaste da Yamaha de Quartararo e Marquez começou a aproximar-se. Ora tirava tempo à liderança do francês, ora geria também ele a sua mota de maneira a não cometer erros graves que lhe pudessem custar a corrida. Lentamente se aproximou e manteve-se na roda de Quartararo, com uma distância que lhe permitisse atacar quando achasse mais conveniente. E assim, na última atacou a liderança e conquistou a vitória da etapa, dando mais uma lição ao francês

Em segundo terminou Fabio Quartararo com a sensação agridoce de mais um pódio conquistado, mas com a sentimento de que podia ter sido a sua primeira vitória em MotoGP.

Maverick Viñales ficou em terceiro e Dovizioso a mais de 11 segundos terminou em quarto.

Marc Marquez revalidou assim o título mundial de MotoGP, o seu 8 título, 6 de MotoGP, 1 de Moto2 e 1 em Moto3.

Por disputar estão ainda o título de Rookie do ano, que parece já estar atribuído a Fabio Quartararo, o título de equipa do ano, que está em aberto com a Honda e a Ducati na sua disputa e a equipa independente do ano, com a Petronas Yamaha STR na liderança.

Miguel Oliveira

Miguel Oliveira não teve um bom fim-de-semana, qualificando-se apenas em 17º e terminando a corrida na 16ª posição, sem conquistar pontos.

O piloto português através das redes sociais veio depois dizer que a lesão no ombro ainda, em fase de recuperação, o afetou bastante, numa pista particularmente difícil.

motogp-german-gp-2015-marc-marquez-repsol-honda-team.jpg?fit=800%2C533&ssl=1
João DuarteJulho 9, 20192min0

Realizou-se de 4 a 6 de Julho o Grande Prémio da Alemanha, 9ª etapa do mundial de motovelocidades. Marc Marquez venceu a sua 10ª corrida consecutiva no traçado de Sachsenring e distanciou-se de Andrea Dovizioso antes da paragem de verão de MotoGP. Miguel Oliveira caiu e terminou em 18º.

Cycle-News.jpg?fit=1000%2C667&ssl=1
João DuarteJulho 4, 20192min0

Realizou-se de 28 a 30 de Junho a 8ª etapa de MotoGP, no circuito de Assen, na Holanda. Maverick Viñales venceu a corrida e mostrou que a Yamaha está no caminho certo no desenvolvimento da mota. Miguel Oliveira baixou os tempos para os melhores e acabou em 13º.


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS