NCAA: As novas estrelas estão aí e prometem dar que falar

Tiago MagalhãesNovembro 14, 20188min0

NCAA: As novas estrelas estão aí e prometem dar que falar

Tiago MagalhãesNovembro 14, 20188min0
A NBA mal começou e já estamos a pensar no Draft de 2019. Fica a saber quais são algumas das novas estrelas da NCAA que estarão na mira da NBA no próximo Verão.

Novembro é o mês mais esperado pelos amantes do basquetebol universitário dos USA porque é a altura em que a melhor competição do mundo de atletas “amadores” retorna depois de um March Madness que nos deixa sempre sem palavras com toda a emoção, surpresas e histórias que ficam marcadas no One Shinning Moment, todos os anos.

Este ano é particularmente interessante para os fãs da NBA visto que existe um contingente, que os analistas julgam ser vasto, de  jogadores que poderão ser muito interessantes para o próximo Draft de 2019.

Estamos perante uma geração que pode mesmo ser de ouro, maioritariamente nos lugares de escolha dentro da lotaria, e sendo assim aqui ficam os 14 jogadores que se deverão destacar na NCAA este ano.

Zion Williamson, Duke

Small Forward/ Power Forward | 2,01m | 129 kg

Estamos perante um espécimen a nível físico em vários aspectos, porém este não é apenas um jogador de highlights no YouTube como tantos outros e Zion está prestes a mostrar isso. Para além das suas capacidades motoras o forward é um jogador capaz de passar como poucos e que mostra uma franca evolução no seu jogo defensivo, já que ofensivamente já lhe eram reconhecidas características extremas.

Zion Williamson com Coach K atento a ver

RJ Barrett, Duke

Shooting Guard | 2.01m | 92 kg

Conseguirá Duke algo inédito ao pôr dois dos seus atletas nas primeiras posições do Draft? Se há ano que tal pode acontecer, é este. Barrett sempre foi escolhido como o #1 desta classe e tal poderá acontecer no próximo Verão também. Um jogador de capacidade ofensiva muito acima do nível, sendo que foi o High School Player of the Year na temporada passada. Para além disso é um jogador que já representou a selecção principal do Canadá aos 17 anos.

Cam Reddish, Duke

Small Forward / Shooting Guard | 2.03m | 99 kg

Duke com um possível top 2? Porque não um top 3? Reddish parece o jogador mais “na sombra” dos seus companheiros mas poderá ser aquele com mais impacto na NBA no futuro. Longo, atlético e com enorme capacidade de lançamento exterior o forward é uma arma que poderá ser muito bem explorada no top 3 do Draft numa posição em que se encontram muitos dos melhores jogadores da NBA.

Nassir Little, North Carolina

Small Forward | 1.98m | 100 kg

O MVP do famoso McDonald’s All Star Game onde são reunidos os melhores jogadores de High School do ano foi um dos prospectos mais interessantes que Roy Williams conseguiu trazer para North Carolina que já tem um núcleo muito experiente para esta temporada. Little demonstra enorme capacidade atlética e será um dos jogadores que deverá fazer a diferença entre uma boa temporada e a luta pelo título para os Tar Heels.

23? Nassir Little não foge a responsabilidade

Romeo Langford, Indiana

Shooting Guard | 1.98m | 98 kg

Langford acabou por ser um dos jogadores mais recrutados dos últimos dois anos pelas faculdades de topo mas decidiu “fugir ao convencional” e tentar assumir uma maior preponderância numa faculdade que apesar de ser das melhores do país não é de todo um dos candidatos ao título. A característica essencial deste extremo é a sua capacidade anotadora pura e muito se espera deste jogador com vista a ser um dos mais dominantes dos rankings a nível ofensivo.

Rui Hachimura, Gonzaga

Small Forward / Power Forward | 2.03m | 102 kg

O que seria desta lista sem um jogador de Gonzaga? Os Bulldogs continuam a produzir talento e poderão mesmo meter três jogadores na primeira ronda no próximo Draft. Hachimura é provavelmente o melhor prospect de sempre nascido no Japão e a sua maturidade (sendo o terceiro ano na NCAA) deverá torna-lo um dos jogadores mais consistentes nesta temporada. O japonês possui um jogo ofensivo extremamente polido e deverá ser o líder do conjunto.

Bol Bol, Oregon

Center | 2.18m | 111 kg

Sem dúvida que Bol Bol é um dos prospects mais intrigantes deste Draft porque raramente se vê um jogador com tamanhas características físicas e com um jogo tão fluido como o filho do ex NBA Manute Bol. Para além de um jogador extremamente versátil para a sua altura, o poste é um jogador capaz de lançar de fora e de defender a sua tabela, apenas havendo questões sobre se aguentará a agressividade da NBA.

Bol Bol, filho da ex estrela Manute Bol

Quentin Grimes, Kansas

Shooting Guard | 1.96m | 95 kg

Numa equipa que parece novamente talhada para uma presença na Final4 e possivelmente para discutir o título, Grimes deverá ser a estrela em ascensão durante toda a temporada já que a nível ofensivo será peça fulcral no desenho que Bill Self irá apresentar para os Jayhawks. Com uma temporada em bom plano Grimes poderá mesmo entrar nas contas do top 5 do próximo Draft.

Daniel Gafford, Arkansas

Power Forward | 2.11m | 106 kg

Num dos eventos mais estranhos da temporada passada, Gafford retirou o seu nome da lista do Draft para realizar mais uma temporada pelos Razorbacks quando toda a gente esperava que este fosse um jogador escolhido no top 15. Dono de uma capacidade física e motora acima da média o poste deverá de ser um dos jogadores mais cobiçados pela versatilidade que poderá aportar a qualquer equipa da NBA.

Keldon Johnson, Kentucky

Shooting Guard | 1.98m | 96 kg

Numa das classes que menos confiança inspira nestes Wildcats, Johnson deverá ser o jogador em maior evidência numa equipa muito inexperiente mas que poderá, como quase todos os anos, surpreender-nos na chegada ao March Madness. Johnson é mais um scorer puro que terá carta livre no ritmo elevado de jogo que será empreendido por John Calippari para este conjunto sem grande jogo interior.

Kris Wilkes, UCLA

Shooting Guard | 2.03m | 88 kg

Wilkes é provavelmente um dos jogadores mais subvalorizados desta classe depois da temporada transacta a grande nível onde formou um dos backourts mais interessantes da NCAA com Aaron Holiday. Declarou-se para o Draft do ano passado porém retirou a sua elegibilidade visto que na maioria dos pre Drafts era um jogador de possível segunda ronda. Espera-se que seja a maior arma ofensiva dos Bruins esta temporada.

Sagaba Konaté, West Virginia

Center | 2.03m | 118 kg

O maliano saltou para os rankings do Draft depois de na temporada passada mostrar uma capacidade defensiva bastante acima da média, havendo mesmo analistas comparando-o a um Ben Wallace. Konaté é um jogador com carências a nível ofensivo mas poderá ser um excelente protector de cesto para uma equipa da NBA que tenhas problemas no contexto defensivo. Mais um jogador que esteve declarado para o Draft mas retirou a sua escolha, o ano passado.

Eric Paschall, Villanova

Power Forward | 2.06m | 116 kg

O último dos guerreiros que trouxe o titulo para a faculdade de Villanova vê agora as chaves da equipa entregues a si e a um conjunto de jogadores talentosos mas totalmente inexperientes, algo que não aconteceu na temporada passada. Um dos jogadores mais velhos no possível Draft deste ano Paschall precisa de manter a consistência ofensiva que apenas mostra a espaços para ser um dos jogadores referência no top 10 deste Draft.

Campeão da NCAA na temporada transacta

Nazreon Reid, LSU

Power Forward | 2.08m | 109 kg

Reid é um dos “projectos” que se deve seguir com maior atenção. Com habilidades físicas extremas o poste terá de mostrar uma melhoria ofensiva substancial se quer lutar por um lugar na lotaria deste Draft. É um jogador que precisará de tempo mas se a sua evolução for a esperada temos perante um jovem com enormes capacidades para a versatilidade da NBA actual.

 

Claro que existem alguns nomes que poderiam ser referidos neste top 14, estamos perante um Draft profundo a nível de talento e sendo assim é normal que surjam outros nomes durante a temporada da NCAA que está agora no início.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter