25 Mai, 2018

Volta a Portugal 2017 – Nuno Sabido: “é muito difícil derrotar os atletas das equipas portuguesas na Volta a Portugal”

Davide NevesJulho 29, 20178min0

Volta a Portugal 2017 – Nuno Sabido: “é muito difícil derrotar os atletas das equipas portuguesas na Volta a Portugal”

Davide NevesJulho 29, 20178min0

Nuno Sabido é um nome conhecido dos adeptos do ciclismo. O português, de 46 anos, destacou-se sobretudo na vertente técnica da modalidade, sendo também comentador desportivo. Esta entrevista abre uma mini-série onde mais personalidades ligadas à modalidade serão entrevistados, com antevisão á Volta a Portugal 2017.

fpNuno, numa primeira instância gostaria de agradecer, em nome de toda a equipa do Fair Play, por ter aceitado o nosso convite com enorme prontidão e simpatia. A primeira pergunta passa por algo muito simples: o que achou da Volta a França?

NS: A 104.ª Edição da Volta a França em Bicicleta, não deixou de ser e de ter o espetáculo pelo qual ansiava. Porém, creio que por influência dos percursos escolhidos, as duas primeiras semanas não satisfizeram as minhas expectativas.

O melhor contudo, esteve de facto guardado para o final, com a 3.ª semana de Corrida, a compensar as anteriores.

O Ciclismo moderno é muito valioso, tendo-se tornado muito estratégico. A ousadia faz cada vez mais parte do passado e raramente vence Corridas.

fp: Em Portugal, o FC Porto e o Sporting regressaram no ano passado ao ciclismo, depois de terem estado de fora durante vários anos. Existem rumores que o SL Benfica poderá regressar também. Acha que os seus regressos contribuíram para elevar a modalidade?

NS: Naturalmente que o aparecimento de novas Equipas em Portugal é absolutamente positivo e necessário.

A velocipedia nacional carece no entanto, de novos Projetos profissionais, com novas mentalidades e com outros valores.

O regresso destas equipas ao Ciclismo profissional, não contribui porém, para alterar o marasmo em que o mesmo está mergulhado á décadas.

fpQual é a principal razão para o sucesso da W52-FC Porto?

NS: Considero não apenas uma razão, mas várias, entre as quais destaco: a noção de responsabilidade e organização existente nos dirigentes, em nunca desiludirem os Atletas, provoca nos mesmos, “um estado” de invencibilidade, fazendo despoletar uma solidariedade interna, que resulta numa união exemplar e extremamente sólida.

“Um Atleta feliz é um Atleta vencedor”.

fp: A Volta a Portugal é uma prova que, para nós, portugueses, tem grande importância, mas que, no entanto, não consegue atrair grandes equipas World Tour a participar. Qual é, na sua opinião, o grande problema?

NS: Não existe nenhum problema, existem sim condicionantes. A data em que a mesma se realiza colide diretamente com os interesses desportivos das equipas WorldTour. É no entanto, a data ideal, para A Volta a Portugal e para tudo o que a mesma faz movimentar e representa.

As características da Volta a Portugal tornam-na numa das Corridas mais exigentes do ponto de vista físico e mental, sendo também por isso, muito difícil derrotar os Atletas das equipas portuguesas. 

fpComo é comentar, em televisão, provas como o Tour de Suisse (na CMTV) ou a Vuelta a España (na TVI24)?

NS: Todas as minhas atividades profissionais estão diretamente ligadas ao desporto e em particular ao Ciclismo, passo literalmente 24h sobre 24h a trabalhar com Aletas e a pensar em Ciclismo.

Comentar Ciclismo é no entanto, o que mais gosto de fazer. Deixa-me em total êxtase.

Nuno Sabido é comentador regular de ciclismo na TVI 24.
(Foto: Jornal Record)

fp: Quem parte com favoritismo para esta edição?

NS: Definitivamente um Atleta do W52 – FC Porto.

fpPortugal apresenta um contingente elevado de ciclistas no escalão máximo do ciclismo, com o Rui Costa, o José Mendes, o Nélson Oliveira, o Tiago Machado, o José Gonçalves, o André Cardoso, o Rúben Guerreiro, entre outros. Acha que Portugal pode voltar a sonhar com nova vitória lusa numa prova World Tour?

NS: É perfeitamente legítimo e racional que pensemos assim e que acreditemos no valor da maioria dos Atletas referidos. Entre os demais, o Rui Costa é um dos melhores Atletas do mundo e já provou por várias vezes, que tudo é possível.

fpA nível sub-23 também há enorme talento, com os irmãos Ivo e Rui Oliveira, o Rúben Guerreiro ou o João Almeida, que têm ganho algumas provas lá fora. Existe potencial para ambicionar, com a geração atual e com as próximas que começam a despontar, com novo campeão mundial, depois do Rui Costa?

NSAbsolutamente.

No Ciclismo moderno, os Atletas portugueses são cada vez mais favoritos.

fpComo viveu a vitória do Rui Costa em Florença, em 2013? Esse dia foi histórico para o desporto português, com a vitória também do tenista João Sousa num torneio ATP…

NS: Vi (como não podia deixar de ser) atentamente toda a Corrida na companhia do meu irmão Hugo Sabido. Na passagem pelos ~3 kms finais, já transpirávamos das palmas das mãos, antevendo efusivamente a sua vitória. Escusado será dizer que entre nós (eu e o meu irmão) foi o êxtase total e a emoção foi de facto ao extremo.  Como em outras ocasiões especiais e memoráveis, uma vez mais (literalmente) choramos de alegria.

Naturalmente que a vitória do Rui Costa, preencheu plenamente o meu estado de espírito, ofuscando o elevado feito do tenista João Sousa.

fpEm jeito de curiosidade, qual é, para si, o melhor ciclista de sempre? E o melhor português?

NS: Como vivo o presente e no presente, não tenho qualquer dúvida em nomear o Rui Costa como o melhor ciclista português.

No entanto reconheço que num passado mais longínquo existiram Atletas formidáveis como o Joaquim Agostinho e claro, o meu amigo Alves Barbosa, que continua a ser o Atleta mais vencedor em território nacional.

No âmbito mundial, pelas suas façanhas desportivas, o inquestionável Eddy Merckx é impar, mas como a sua última aparição em corrida remonta a 18 de Maio de 1978, não tive o privilégio de conhecer em tempo real as suas proezas. Por este motivo, elejo o Peter Sagan como o melhor Ciclista mundial e de quem o Ciclismo mundial muito necessita.

fpQual é a sua opinião relativamente à ideia de incluir Portugal na Volta a Espanha, num futuro próximo? Não digo que seja completamente anexada, mas não daria maior visibilidade ao nosso país?

NS: Seria uma visibilidade muito relativa, que acabaria por ser totalmente absorvida ou ofuscada pelo país vizinho.

A “anexação” da Volta a Portugal pela Volta a Espanha não seria favorável para a primeira.

fpA Volta a Portugal pretende inovar, mas a não inclusão de uma chegada na Torre causa alguma indignação. Acha que a Torre deveria ser quase obrigatória com final da etapa-rainha?

NS: O território nacional é de facto muito acidentado, ainda assim, carece de locais com montanhas exemplares.

Naturalmente no nosso território continental, a Serra da Estrela é única, no que diz respeito às suas características naturais. Obviamente que a inclusão de uma chegada à Torre oferece um espetáculo único e inequívoco, mas se os responsáveis locais não estão sensibilizados, nem motivados para receber a Volta a Portugal, obviamente que a sua estrutura organizadora não pode a troco de nada, proporcionar o espetáculo no local. 

fp: Por fim, e fazendo jus ao nome do Website, acha que existe Fair Play no ciclismo?

NS: Em Portugal não!


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter