17 Ago, 2017

O pragmatismo de Selby foi crucial!

Xavier OliveiraDezembro 4, 20166min0

O pragmatismo de Selby foi crucial!

Xavier OliveiraDezembro 4, 20166min0

Mais um UK Championship foi disputado este ano em York, com O’Sullivan e Mark Selby a chegarem à final, naquela que era vaticinada por muitos como a melhor final possível. E a verdade é que nenhum dos dois desiludiu, com momentos de cortar a respiração e onde o pragmatismo de Selby decidiu os detalhes a seu favor.

Foi no York Barbican que se jogou mais um UK Championship, um dos torneios mais importantes do calendário do snooker mundial. Todos os nomes grandes do circuito profissional alinharam à partida. Com um quadro inicial que contou com 128 jogadores, as surpresas começaram logo aí com as eliminações de Mark King, que vinha de uma vitória muito moralizadora ao arrecadar o troféu do Northern Ireland Open, Kyren Wilson e Neil Robertson. Principalmente este último foi o grande derrotado da ronda inaugural, já que era o campeão em título. Na segunda ronda onde só já restavam metade dos jogadores que alinharam à partida, de entre os favoritos destaca-se a queda prematura de Stuart Bingham, Barry Hawkins e Judd Trump. Destaque ainda para o ‘break’ de 147 pontos protagonizado por Mark Allen nesta mesma ronda, a primeira entrada máxima da sua carreira.

Família Lines em destaque

Se há destaque que tem de ser feito esse vai para a família Lines. Pai e filho alinharam à partida para este UK Championship, sendo que o pai, Peter Lines, foi o responsável pelo afastamento do australiano Neil Robertson logo na primeira ronda. Acabou por vencer Chris Wakelin na segunda ronda, tendo acabado por cair na terceira ronda frente ao inglês Liam Highfield. Se o pai causou estragos na primeira ronda, o fiho não se ficou atrás na segunda. Oliver Lines bateu de forma contundente Judd Trump, deixando assim pelo caminho um dos favoritos à vitória pelo caminho. Na ronda seguinte cilindrou Jimmy Robertson por 6-0, tendo acabado por sair derrotado pelo mesmo resultado frente a Marco Fu na quarta ronda.

foto-1
Oliver Lines em acção frente a Judd Trump (Foto: Facebook World Snooker)

Na terceira ronda, mais dois nomes importantes ficaram-se pelo caminho, casos de Ali Carter e Ding Junhui. Na ronda seguinte, a quarta, todos os favoritos que ainda restavam no torneio seguiram em frente, com especial destaque para a vitória de John Higgins sobre o norte irlandês Mark Allen, por 6-3.

Os campeões não vacilam

Os quartos-de-final jogaram-se no antepenúltimo dia da prova e tiveram o seguinte alinhamento: Ronnie O’Sullivan vs Mark Williams; Jamie Jones vs Marco Fu; Luca Brecel vs Shaun Murphy e John Higgins vs Mark Selby. No primeiro encontro, estiveram dois velhos conhecidos do circuito. O’Sullivan era favorito frente ao veterano galês mas apesar disso tinha de estar ao seu melhor nível para não ficar pelo caminho. E depois de uma primeira parte equilibrada, onde o resultado se fixou em 2-2, Ronnie “disparou” para a vitória vencendo o encontro por 6-2. No segundo encontro, o outro galês em prova, Jamie Jones, esteve muito perto de provocar uma grande surpresa já que esteve a vencer o asiático Marco Fu por 5-2, mas acabou por vacilar com a pressão, saindo derrotado por 6-5. O belga Luca Brecel que com a chegada aos quartos-de-final conseguia assim mais um bom resultado, eclipsou-se totalmente frente a Murphy, perdendo por 6-1. No grande duelo da ronda entre John Higgins e Mark Selby, o escocês esteve muito perto da vitória depois de estar a vencer por 5-4. Selby mostrou o porquê de ser o nº1 do ‘ranking’ há tanto tempo e venceu o encontro na “negra” por 6-5.

2-getty-images
Selby frente a Muprhy na meia-final (Foto: Getty Images)

As meias-finais tinham dois encontros como prato forte. Mark Selby vs Shaun Murphy e Ronnie O’Sullivan vs Marco Fu. Selby e Murphy já se tinham defrontado por 33 vezes anteriormente com Selby a ter levado de vencida o compatriota por mais uma vez, com 17 vitórias contra 16 de Murphy. Antevia-se por isso uma meia-final muito equilibrada. Mas não foi isso que acabou por acontecer, já que Selby soube aproveitar bem os erros de Murphy e venceu por uns esclarecedores 6-2. Com lugar marcado já na final, o inglês esperava “sentado no sofá” pelo vencedor do encontro que prometia espetáculo entre Marco Fu e Ronnie O’Sullivan. E se era espetáculo que se queria, foi espetáculo e emoção que houve até ao fim, com o encontro a ser decidido apenas na “negra”. Depois de ter estado a vencer pelos parciais de 3-1 e 4-2, Ronnie ficou de “olhos em bico” ao ver Fu virar o resultado para 5-4. O inglês teve assim a pressão que tanto pedia antes da final e depois de ter empatado o encontro a 5 frames, fez uma entrada de 130 pontos no último e decisivo frame, para selar a vitória por 6-5. Esta foi a 16ª vitória do inglês sobre o asiático, naquele que foi o 27º encontro entre ambos.

A tão desejada final

A tão desejada final, e que muitos fãs da modalidade pediam que acontecesse antes do início do torneio, foi o 25º encontro entre ambos, com um “head-to-head” claramente favorável para O’Sullivan, que somava 16 vitórias até então contra apenas oito de Selby. De um lado estava aquele que para muitos é o melhor jogador de snooker de sempre, Ronnie O’Sullivan, sendo que do outro estava nada mais nada menos que o nº1 do ‘ranking’ mundial e grande dominador da modalidade atualmente, Mark Selby. Mais não é preciso dizer, o historial de ambos os jogadores fala por si, faltava saber quem iria errar menos nesta final, já que se antevia que ia ser nos detalhes que tudo se iria decidir. Ao cabo de 8 frames disputados, Mark Selby saiu para o intervalo com uma vantagem muito interessante de 6-2, deixando o ‘Rocket’ em muitos maus lençóis. O’Sullivan reagiu bem na segunda sessão, sendo que ao fim de 7 frames disputados, reduziu a desvantagem para um frame, com o parcial em 8-7. Mas Selby soube aproveitar bem os erros do seu compatriota e selou a vitória para vencer o seu segundo UK Championship da carreira. Mais uma prova de que Selby é o melhor jogador da atualidade e que há poucos a conseguirem batê-lo neste momento.

Desalento de O’Sullivan na primeira sessão da final (Foto: Getty Images)

CALENDÁRIO DOS PRÓXIMOS TORNEIOS:

12/12 – 18/12: Scottish Open (PR*)

15/01 – 22/01: Masters (NPR*)

*PR – Prova pontuável para o ranking

*NPR – Prova não pontuável para o ranking

RANKING

ranking
Ranking após o Northern Ireland Open (Foto: World Snooker)


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter