28 Mai, 2018

Remo de Mar: época arranca nas Berlengas

Estevão PapeJulho 31, 20175min0

Remo de Mar: época arranca nas Berlengas

Estevão PapeJulho 31, 20175min0

16km separam a ilha Berlenga e Peniche, mais concretamente da praia do Molho de Leste. E no passado sábado, 9 remadoras e 18 remadores fizeram a travessia em barcos a remos, sozinhos ou em equipas de dois. Foi assim que se iniciou a época 2017 de remo de mar.

A primeira prova do Campeonato Nacional de Remo de Mar de 2017, como em anos anteriores, esteve incluída no Berlenga Ocean Challenge, organização do Peniche Surfing Clube. Uma prova desafiante e que inclui canoagem, remo e SUP. Uma prova que tem tanto de desafiante como de espectacular. Prova disso é o número recorde de inscrições de tripulações de remo de mar na edição de 2017: oito (8) C2X masculinos, quatro (4) C2x femininos, quatro (4) C1x masculinos e um (1) C1x feminino, no total de 27 atletas. Este ano praticamente duplicaram as participações, de 14 (12 remadores e 2 remadoras) em 2016 para 27 este ano.

Todo o evento é diferente de qualquer outro. A participação inicia-se na sexta de tarde, com os atletas e a organização a carregarem os barcos para os deixarem na Berlenga. É nesse dia que a magia começa e as redes sociais se enchem de fotos e vídeos de golfinhos ou do por-do-sol com a Berlenga e o oceano atlântico como pano de fundo. E se o inicio da regata tem inicio marcado para meio da manhã, os atletas têm de apanhar o barco (ferry) muito cedo, esperando na ilha algumas horas e colocando a conversa em dia.

(Foto: Vasco Pinhol)

 

Nos últimos dois anos a prova teve de ser adiada umas semanas. Este ano devido às previsões de vento e ondulação forte. Mas este ano o inicio da prova foi ainda adiado algumas horas devido ao intenso nevoeiro que se fez sentir. Este pormenor levou a que alguns remadores não chegassem e se posicionassem a tempo na largada, ecoando alguns protestos. De referir que a largada destas provas, efectuada entre duas bóias, é já de si muito atribulada e com muita ansiedade e agitação.

A experiência no rio transpôs-se para o mar

A categoria com mais inscrições, o C2x masculino, foi ganho pela equipa mista de Nuno Mendes (Sporting) e Cláudio Rodrigues (Fluvial) com o tempo de 1h02m. O pódio foi fechado com a equipa da Associação Naval de Lisboa, Afonso Sousa e Manuel Pita, e do Clube Naval Infante D. Henrique, Miguel Meneses e João Varela. Todos estes atletas fizeram a sua estreia no remo de mar mas têm um longo currículo no “remo olímpico”, principalmente Nuno Mendes com duas presenças em Jogos Olímpicos. Segundo Miguel Meneses “foi fantástica a experiência, mas duríssima”. “Talvez das experiências de remo mais duras que já tive, mas sem dúvida para repetir”, finaliza.

 

(Foto: Vasco Pinhol)

 

Em C2x feminino, também foi uma equipa mista de Joana Branco (Sport) e Janine Coelho (Vilacondense) a vencer a prova. A disputa pelo segundo lugar foi intensa e foi a equipa do Caminhense, Ana Gomes e Diana Ferreira, a levar a melhor sobre Inês Pocinho e Carolina Carvalho, da Académica. Joana Branco, remadora da selecção nacional de remo olímpico, comenta que o convite surgiu da Ave Rowing (construtor de barcos de remo) para uma parelha com a Janine Coelho, que também representou a selecção nacional no passado.

Falámos com a dupla vencedora que referem que “gostaram muito da experiência e que a nível de organização, com tantos participantes e logística complicada, funcionou muito bem”. “As sensações do rio para o mar são muito diferentes. O deslize, o ritmo não tem qualquer comparação. Temos que ir de mentes abertas, mas depois de se apanhar o jeito é uma sensação brutal”.

Nos barcos individuais, a vitória sorriu a Elisabeth Dyskiewicz, atleta francesa do clube Annecy-Le-Vieux e única participante na categoria. A remadora francesa terminou o Campeonato do Mundo de Remo de mar de 2016 no 21º (1º lugar na Final B) e está a preparar a participação na prova deste ano.

Nos masculinos a vitória foi para Luis Ahrens Teixeira (Praia de Mira), presidente da Federação Portuguesa de Remo e medalhado em Taças do Mundo e Campeonato do Mundo. O pódio fechou com Anthony Passos, do Caminhense, e Ricardo Russo, da Associação Naval de Lisboa e remador da selecção nacional.

Todos os resultados podem ser consultados na página da Federação Portuguesa de Remo.

Mais fotos da prova podem ser consultadas na página de Facebook do Peniche Surfing Clube e também no facebook da Federação Portuguesa de Remo.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter