22 Mai, 2018

Dia de loucos em Budapeste

João BastosJulho 25, 20177min0

Dia de loucos em Budapeste

João BastosJulho 25, 20177min0

A sessão de finais de terça-feira foi, até agora, a melhor dos mundiais. Na Duna Arena de Budapeste assistiu-se à queda de recordes do mundo, a mais uma demonstração de força da melhor nadadora de sempre e a duelos épicos. Tudo numa tarde

É difícil escolher o ponto mais alto de um dia todo ele tão grande nos mundiais de natação. Houve Peaty a quebrar a barreira dos 26 segundos aos 50 bruços logo na meia final, houve mais uma batalha da guerra fria entre Efimova e as americanas e ainda houve Kylie Masse a bater um record que vinha da idade da borracha.

Antes de tudo, Ledecky demonstrou mais uma vez que está anos-luz à frente das suas rivais nas provas de fundo, mas amanhã terá de medir forças com Katinka Hosszu.

Bis de Sun Yang

O chinês Sun Yang não tinha impressionado particularmente nas meias finais dos 200 metros livres. Começou muito atrás e pareceu ter de forçar muito para ser segundo na série.

Afinal tudo foi bluff. Na prova decisiva adoptou a mesma estratégia de começar muito controlado, mas assim que impôs o seu ritmo ninguém conseguiu resistir, terminando com o tempo de 1:44.39, novo record asiático e juntando o título dos 200 metros ao que já tinha conquistado nos 400. Seguem-se os que parecem mais difíceis nesta fase da sua carreira: 800 e 1500 metros.

O americano Townley Haas foi o segundo classificado e o russo Aleksandr Krasnykh fechou o pódio.

O campeão em título, James Guy, e o seu compatriota Duncan Scott tinham sido 1º e 2º das meias finais mas terminaram fora do pódio.

Foto: FINA

12º título para Ledecky

Não deverá faltar muito tempo até que se autorize colocar um pace maker na pista de Katie Ledecky sempre que ela nada 1500 metros livres. É que apesar de ter apenas 20 anos, já há 5 que ela vence a prova sempre com mais de 25 metros de vantagem para a segunda classificada. A determinada altura vai deixar de ser motivante nadá-la.

Em Budapeste a história repetiu-se. É impressionante como numa prova de 1500 metros, nos primeiros 100 já passa com 3 segundos de vantagem sobre as rivais mais directas. O tempo final foi de 15:31.82, apenas o seu quarto melhor tempo de sempre mas que chegou e sobrou para lhe dar o 12º ouro em mundiais da carreira.

Ela já é a nadadora feminina com mais ouros em campeonatos do mundo e no sector masculino só Michael Phelps (26) e Ryan Lochte (18) estão à sua frente. Como termo de comparação, aos 20 anos Michael Phelps “só” tinha conquistado 10 ouros em mundiais. Ledecky ainda nadará mais 3 provas nesta edição…

Mireia Belmonte foi a segunda classificada e Simona Quadarella fechou o pódio.

Foto: FINA

Record do Mundo para Kylie Masse

Faltavam três dias para o record mundial dos 100 metros costas femininos de Gemma Spofforth fazer 8 anos. Foi batido nos mundiais de Roma, quando a canadiana Kylie Masse tinha apenas 13 anos.

Hoje, e por dois centésimos, a jovem canadiana, agora com 21 anos, bateu esse record e fixou-o em 58.10.

Ela já tinha deixado vários avisos ao longo da época: era a líder mundial do ano antes dos mundiais, com 58.21. Já em Budapeste, melhorou para 58.18 e agora chegou aos 58.10, um tempo e um título fortemente alicerçados na ponta final da sua prova, já que a 25 metros do final era apenas 3ª e ainda foi ganhar com meio corpo de avanço.

Kathleen Baker foi a segunda classificada e a campeã em título, Emily Seebohm, teve de se contentar com o bronze…ainda assim bastante melhor que o 7º lugar alcançado no ano passado, nos Jogos Olímpicos.

Foto: FINA

Xu Jiayu vence a prova mais apertada

O chinês Xu Jiayu já tinha impressionado ontem nas meias finais quando fez uns primeiros 50 metros muito fortes e nos segundos controlou o ritmo. Hoje voltou a sair disparado, passando 1 centésimo abaixo do record de Ryan Murphy aos 50 metros, mas quando parecia que ia deixar para trás a concorrência, assim não aconteceu.

Quer Murphy, quer Matt Grevers fizeram custar caro o título mundial do chinês, que fez a diferença onde normalmente são os americanos que tiram vantagem: nos percursos subaquáticos.

O record do mundo não caiu, mas ainda há a estafeta 4×100 estilos (masculina e mista) e o chinês parece capaz de o fazer cair.

Xu venceu com 52.44, Grevers foi prata com 52.48 e Murphy foi bronze com 52.59.

Foto: FINA

Lilly King vence nova batalha e com bónus

O duelo mais aguardado da tarde era aquele que já trazia mais história. Lilly King e Yulia Efimova protagonizam desde os JO do Rio uma verdadeira guerra fria que esquenta sempre que se defrontam na piscina.

Depois de ontem a russa ter ficado a apenas 1 centésimo do record do mundo, Efimova veio para esta final mudando a sua estratégia de prova. Passou 33 centésimos mais rápido nos primeiros 50 metros, mas na segunda parte da prova viu-se uma Efimova como no início da sua carreira, ou seja, a “patinar” nos últimos metros.

Quem não desarmou foi Lilly King que, como é hábito, saiu forte nos primeiros 50 e conseguiu manter o ritmo no retorno. Ritmo esse que lhe permitiu chegar o record do mundo, que ela tinha prometido na antevisão aos mundiais. 1:04.13 foi o tempo da americana que valeu título e máximo mundial.

Ao segundo lugar ainda chegou a segunda americana. Katie Meili superou Efimova na chegada por apenas 2 centésimos e completou a dobradinha americana relegando a russa para a posição de bronze. 1:05.03 foi o tempo de Meili.

Ruta Meilutyte está de volta às boas marcas, mas ainda não o suficiente para chegar ao pódio. Foi 4ª classificada com 1:05.65.

Foto: FINA

Adam Peaty imparável

Mesmo com tantas notas de destaque no dia de hoje, Adam Peaty conseguiu ser o nome a brilhar mais alto, mesmo sem nadar nenhuma final. Por duas vezes bateu o seu próprio record mundial dos 50 metros bruços, primeiro nas eliminatórias com 26.10 e à tarde nas meias finais com 25.95. A questão para a final de amanhã é se voltará a baixar este tempo, já que o ouro dificilmente lhe escapará.

Para amanhã também está agendado aquele que é, provavelmente, o confronto mais esperado dos campeonatos. Katie Ledecky e Katinka Hosszu encontrar-se-ão na final dos 200 metros livres. Quem não quer ser figurante desta novela é a recordista mundial da prova, Federica Pellegrini.

Outra prova que merecerá a atenção do público húngaro são os 200 metros mariposa que contarão com os candidatos da casa ao ouro Laszlo Cseh e Tamas Kenderesi que hoje se apuraram em 2º e 3º respectivamente. Terão de se desenvencilhar do japonês Daiya Seto que fez o melhor tempo. Chad Le Clos fez uns 150 metros demolidores mas acabou a prova “em pé”. Veremos se hoje escondeu o jogo para amanhã.

Saiba como foi o dia dos portugueses aqui.


Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter