19 Ago, 2017

Katinka Hosszu e australianas em destaque

João BastosAgosto 8, 20167min1

Katinka Hosszu e australianas em destaque

João BastosAgosto 8, 20167min1

As provas de natação já se iniciaram no Estádio Aquático Olímpico e logo no primeiro dia foram já estabelecidos 3 novos récords mundiais e 5 olímpicos, antevendo-se que a natação seja um dos desportos mais destacados dos Jogos brasileiros.

Dama de Ferro vira Dama de Ouro

Katinka Hosszu esmagou o récord mundial dos 400 metros estilos | Fonte: EPA/Esteban Biba
Katinka Hosszu esmagou o récord mundial dos 400 metros estilos | Fonte: EPA/Esteban Biba

A húngara Katinka Hosszu, também conhecida como “Dama de Ferro” vinha a estes Jogos Olímpicos com um propósito muito claro: fazer jus à alcunha e vencer as 5 provas individuais nas quais se encontra inscrita, igualando Michael Phelps em Pequim’2008 (Phelps juntou-lhe a vitória em três estafetas).

A primeira prova onde competia era a mais longa, os 400 metros estilos e Katinka fez questão de mostrar ao mundo que estava a falar a sério. Marcou o extraordinário tempo de 4:26.36, esmagando autenticamente o récord mundial que pertencia à chinesa Ye Shiwen com 4:28.43. Foi secundada no pódio pela americana Madeline Dirado e pela espanhola Mireia Belmonte. A saga da húngara segue com os 100 metros costas.

Hagino vence o duelo a Kalisz

Kosuke Hagino (ouro) e Daiya Seto (bronze) garantiram o domínio do Japão nos 400 metros estilos | Fonte: KYODO
Kosuke Hagino (ouro) e Daiya Seto (bronze) garantiram o domínio do Japão nos 400 metros estilos | Fonte: KYODO

Também nos 400 metros estilos, mas no sector masculino, a medalha de ouro foi (muito) mais disputada. O americano Chase Kalisz trazia uma herança pesada, uma vez que os EUA vencem esta prova desde 1996 com Tom Dolan (1996 e 2000), Michael Phelps (2004 e 2008) e Ryan Lochte (2012). Daiya Seto subia ao bloco na condição de bi-campeão mundial e Kosuke Hagino queria melhorar o bronze de há 4 anos.

No confronto do pedigree contra o curriculum, venceu Kosuke Hagino numa vitória sustentada essencialmente na vantagem conseguida no percurso de costas. Chase Kalisz chegou em segundo a 70 centésimos de Hagino e Daiya Seto com uma quebra no percurso de crawl fechou o primeiro pódio da natação nestes JO.

13 centésimos entre Horton e Sun

Mack Horton | Fonte: Alex Coppel
Mack Horton | Fonte: Alex Coppel

A prova dos 400 metros livres tinha todos os ingredientes para ser uma grande prova. Como já tínhamos antevisto haviam vários candidatos ao ouro e de facto, a 100 metros do final da prova, 7 nadadores estavam separados por pouco mais de um segundo. Para além do factor competitivo, Sun Yang (China) e Mack Horton (Austrália) tiveram um pequeno arrufo durante o aquecimento, pelo que a prova ia ser “quentinha” entre os dois.

No final das contas, o jovem australiano de 20 anos superiorizou-se ao chinês de 24 que não perdia esta prova há 5 anos. Mack Horton foi primeiro no tempo de 3:41.55, Sun Yang foi prata com 3:41.68 e o italiano Gabriele Detti juntou o bronze olímpico ao título europeu conquistado há apenas 3 meses.

Australianas voam para o récord

Cate Campbell, Bronte Campbell, Brittany Elmslie e Emma McKeon pulverizaram o récord do mundo dos 4x100 metros livres
Cate Campbell, Bronte Campbell, Brittany Elmslie e Emma McKeon bateram o récord do mundo dos 4×100 metros livres | Fonte: Reuters

A fechar a sessão do primeiro dia de finais nadou-se a estafeta feminina de 4×100 metros livres. Com uma performance de impor respeito na eliminatória com a obtenção de novo récord olímpico, as australianas eram as claras favoritas a levar o ouro.

Não só levaram o ouro como bateram o seu próprio récord mundial, estabelecido há dois anos nos jogos da Commonwealth. Emma McKeon (53.41), Brittany Elmslie (53.12), Bronte Campbell (52.15) e Cate Campbell (51.97) percorreram os 400 metros em 3:30.65 deixando as americanas (Simone Manuel, Abbey Weitzeil, Dana Vollmer e Katie Ledecky) no segundo lugar e as extraordinárias canadianas (Sandrine Mainville, Chantal van Landeghem, Taylor Ruck e Penny Oleksiak) que alinharam com duas nadadoras de 16 anos (Ruck e Oleksiak) no lugar de bronze.

As holandesas eram encaradas como as mais fortes opositoras das australianas mas desiludiram ao ficar no 4º lugar. Com uma Femke Heemskerk abaixo do melhor que pode fazer, mas com um alinhamento incompreensível ao colocar a pior nadadora no primeiro percurso condicionando a prova desde o início.

Adam Peaty, 50% génio, 50% louco

Adam Peaty bateu o récord do mundo dos 100 metros bruços...na eliminatória | Fonte: Reuters
Adam Peaty bateu o récord do mundo dos 100 metros bruços…na eliminatória | Fonte: Reuters

Na primeira sessão foram já estabelecidos 3 récords mundiais, pelo que o nível está tão elevado que quebrar uma barreira que nunca ninguém quebrou, no final do dia, até pode parecer banal. Mas o que dizer de um nadador que bate o récord mundial (que já é seu) nas eliminatórias, numa prova que ainda tem meias-finais?

O britânico Adam Peaty é esse nadador. A abrir a sua participação nos Jogos Olímpicos marcou o tempo de 57.55 nos 100 metros bruços batendo o seu máximo mundial de 57.92. O segundo apurado para as meias finais ficou a mais de 1 segundo. Na meia final o britânico voltou a nadar abaixo do seu anterior máximo, desta vez com o tempo de 57.62 (com 1.43 segundo de avanço para o segundo qualificado)

Sjöström aquece para a final

Sarah Sjöström (Suécia) fez melhor tempo das "meias" dos 100 mariposa | Fonte: Twitter
Sarah Sjöström (Suécia) fez melhor tempo das “meias” dos 100 mariposa | Fonte: Twitter

A sueca Sarah Sjöström é a grande (única?) favorita a vencer os 100 metros mariposa. É ela a recordista mundial e não perde esta prova desde 2013.

Na meia final fez já um claro aviso à navegação e nadou em 55.84, récord olímpico a apenas 20 centésimos do seu récord do mundo.

Emma McKeon, da Austrália, qualificou-se para a final em 2º lugar e a jovem japonesa Rikako Ikee no 3º posto.

Portugueses com bom arranque

Alexis Santos bateu o seu récord nacional dos 400 metros estilos | Fonte: Camarote Leonino
Alexis Santos bateu o seu récord nacional dos 400 metros estilos | Fonte: Camarote Leonino

Os portugueses Alexis Santos e Victoria Kaminskaya abriram as hostes da participação portuguesa na natação, ambos na prova de 400 metros estilos.

O primeiro a entrar em acção foi Alexis na segunda série das eliminatórias e fez história. Não só porque bateu o seu próprio récord nacional com o tempo de 4:15.84, mas também porque este tempo valeu o 14º lugar e só Alexandre Yokochi conseguiu melhor classificação para Portugal na natação. O lugar valeria uma meia-final mas os 400 metros estilos têm final directa.

Victoria Kaminskaya não teve uma estreia tão positiva ficando aquém do seu récord nacional de 4:42.53, marcando 4:46.02 que lhe valeu o 28º lugar, apenas um lugar abaixo da campeã olímpica em título, a chinesa Ye Shiwen.


One comment

Entre na discussão


Quem somos

É com Fair Play que pretendemos trazer uma diversificada panóplia de assuntos e temas. A análise ao detalhe que definiu o jogo; a perspectiva histórica que faz sentido enquadrar; a equipa que tacticamente tem subjugado os seus concorrentes; a individualidade que teima em não deixar de brilhar – é tudo disso que é feito o Fair Play. Que o leitor poderá e deverá não só ler e acompanhar, mas dele participar, através do comentário, fomentando, assim, ainda mais o debate e a partilha.


CONTACTE-NOS



newsletter